19comentários

Livros Legais: “Ligeiramente Fora de Foco”

por em 07/11/2011
 
Ligeiramente Fora de Foco - Robert Capa

Ligeiramente Fora de Foco - Robert Capa

Estreando nossa sessão de “literatura legal pra quem tá começando a fotografar com câmeras analógicas”, um livro novo, extremamente divertido, e nada, nada metido a besta.

“Ligeiramente Fora de Foco” é a autobiografia de um cara chamado Robert Capa, que foi correspondente na segunda guerra mundial, e tirou algumas das mais famosas fotos daquele evento. Ele também fez parte da Agencia Magnum, uma das mais importantes até hoje.

Tá, mas e porque esse é um livro legal pra se sugerir aqui? Porque o Capa era um fanfarrão. Ele era um profissional, mas tinha alma de amador. Ou melhor, de amante da fotografia simples, sem complicação, sem burocracia. Fotografia pra ele era chegar perto do objetivo e clicar.

Robert Capa, o fanfarrão.

Robert Capa, o fanfarrão.

Mas não é só isso. Por ser um boêmio, ele conta duas historias como se estivesse numa mesa de bar narrando as aventuras pros amigos. E, como é de se esperar, a gente acaba rindo das desgraças dele com o maior prazer.

Mas o livro é legal por um motivo ainda mais simples: ele te faz perceber que fotografia não precisa ser burocrática, complicada, chata. Seja você um profissional ou um amador. Ele te mostra que você só precisa de duas coisas: uma câmera com filme e cara de pau pra chegar perto do que quer fotografar. Só isso.

Finalmente, o livro é super ilustrado. 40% dele são fotos que ilustram as situações do livro. É muito legal ler sobre como ele tirou determinada foto, e na página seguinte ver aquela foto… :-)

Enfim, o livro é da Cosac Naify, e pode ser encontrado em todas as grandes livrarias por R$69,00 ou menos, em caso de promoções.

Desembarque no

E ai, o que achou? Deixe seu comentário!

Quanto vale esse post pra você?
Pense nisso e, se achar justo, colabore conosco! Você pode apoiar o Queimando Filme através de doações (faça a sua aqui!), divulgando esse post para seus amigos, ou até simplesmente clicando nos banners dos anunciantes! Tudo isso ajuda o Queimando Filme a continuar postando conteúdo de qualidade para todos os amantes da fotografia analógica ;-)

comentários
 
Deixe uma resposta »

 
  • João Maciel
    14/02/2013 em 10:21 am

    O livro foi indicação do meu professor de fotografia Ivan Alecrim (Instituto Candela) e adorei lê-lo, pois ele juntou dois objetos do meu interesse: fotografia e estórias inusitadas durante o período da I I Guerra Mundial. É um livro de leitura fácil: comecei no sábado e terminei na quarta de carnaval :)…fiquei muito interessado em ler outros livros sobre o Capa. Gostei da sugestão sobre a biografia dele.

    Responder

    • 14/02/2013 em 2:07 pm

      Opa João! Já tive o prazer de dar aula no Candela, e de bater papo com o Ivan. Somos igualmente fãs do Capa. E, depois de ler já tr^Çes biografias dele (do Capa, não do Ivan :-) posso dizer que a vida do cara é um campo inesgotável de histórias interessantes…

      Responder

  • FLÁVIA BASSALO
    24/05/2012 em 9:39 am

    ADOREI O TEXTO!

    Responder

  • Fabiana Fidelis
    26/03/2012 em 2:38 pm

    André:

    Já li este livro e ele é realmente muito bom! Fez-me sentir a melhor amiga do Capa!
    E com certeza o cara era um amador na fotografia! Costumamos usar a palavra como antônimo de profissional, mas amador é aquele que ama o que faz! Elel com certeza foi um amante da fotografia…
    Parabéns pelo blog!

    Responder

    • 26/03/2012 em 4:44 pm

      Oi Fabiana! Realmente é muito bom. Tanto que me fez correr pra comprar as outras biografias dele… ainda não consegui comprá-las (não são editadas no país), mas j;a li trechos, e realmente a vida dele é uma aventura de ponta a ponta.

      Se você le bem em inglês, recomendo continuar as aventuras de Robert Capa lendo o Blood and Champagne, que é a biografia mais famosa (pelo que sei) dele…

      Bjs!

      Responder

  • 13/02/2012 em 11:31 am

    Haha, o livro deve realmente ser divertido. O mais bacana é que foi o próprio quem escreveu. Acho um pouco chato quando biografias e “como foi feito” vem cheio de suposições só pra preencher a lacuna. Boa dica!

    Responder

Deixa aí seu comentário!