22comentários

Fotografia Analógica, Experimental, Lomo e Outros Rótulos…

por em 13/11/2011
 

Pois bem, quero deixar claro desde já que o objetivo aqui não é estabelecer verdades, ou defender pontos de vista. A idéia é só ajudar aos iniciantes a se acharem na bagunça que está virando a tal “fotografia analógica”. Combinado? Então vamos lá.

Lomography Gallery Store, Rio de Janeiro, Ipanema

Lomografia não é estilo. É marca registrada...

Sendo curto e grosso:

Lomografia é fotografia analógica, mas nem toda fotografia analógica é Lomografia.

Deu pra entender? Então tá. É isso.

…mas, se você quer mais detalhes, vamos lá. Pra começar, vamos quebrar a afirmação acima, tirando a palavra “lomografia” da parada.

Lomografia é uma marca. Que nem Coca-Cola, Gillette, Apple, Canon. Logo, usar esse termo como sendo de um estilo já gera confusão por si só, porque se você está usando uma câmera que não foi produzida pela Lomography, não está fazendo Lomografia… “pô! que sacanagem!” você pode dizer… Mas o mundo é mau, e os caras que criaram a Lomographyé que criaram essa palavra*, e portanto têm direitos sobre ela. Dizer que tem uma “câmera lomográfica” que não tenha sido produzida pela empresa é o mesmo que dizer que está bebendo uma Coca-Cola da Pepsi, ou uma Gillette da… sei lá quem é o concorrente da Gillette. Mas você entendeu.

Ok, então vamos chamar as fotos “muito doidas e cheias de experiências” que fazemos de quê? Porque não simplesmente de fotografia experimental? Ou fotografia analógica experimental? Tanto faz, desde que não chamemos só de “fotografia analógica”. Porque? Porque fotografia analógica é muito maior do que isso.

Nado's

Veja a foto ao lado e me diga: ela é “lomo”? Não. É analógica? Sim. Simples, né? Agora vamos fazer um exercício. Pegue suas fotos, suas câmeras, e comece a tentar ver o que é “só” analógico, e o que é “analógico experimental”. Eu vou fazer com vocês:

Meu exercício: “Bom, minha Diana+ é Lomográfica, é analógica e é experimental. Nem tem como não ser, porque com aquela lente de plástico não dá pra não tirar fotos experimentais. Já minha Olympus Trip 35 é uma câmera analógica tradicional, que posso usar para fazer fotos experimentais se quiser. O que não posso é chamar ela de “câmera Lomo”. E ainda tem minha LC-A, que é uma câmera produzida pela Lomography (e portanto Lomo), mas que, pela qualidade de sua lente e estrutura, me permite tirar fotos analógicas não-lomo, além das experimentais…

Mas ainda tem minhas câmeras de plástico, ou Toy Cameras, feitas por outras empresas… bom, as fotos delas são experimentais, mas não são lomo.”

Bom, acho que chega, né? Mais do que isso é começar a cagar regra, e esse não é o objetivo. O objetivo é simplesmente fazer todo mundo falar a mesma língua.. ;-) Espero que tenha funcionado.

Abs!

* O nome foi criado pela turma que fundou a LSI, empresa dona da marca Lomography, com base no nome da câmera LOMO LC-A, que foi a inspiradora deles (mais detalhes no site da empresa). LOMO é uma sigla russa que denomina a fábrica que fazia a LC-A original, que os malucos de Viena compraram e tirram as primeiras fotos doidonas. LOMO significa “Leningrad Optical Mechanical Amalgamation” que, numa tradução livre, quer dizer “Indístria de Ótica e Mecânica de Leningrado”

Quanto vale esse post pra você?
Pense nisso e, se achar justo, colabore conosco! Você pode apoiar o Queimando Filme através de doações (faça a sua aqui!), divulgando esse post para seus amigos, ou até simplesmente clicando nos banners dos anunciantes! Tudo isso ajuda o Queimando Filme a continuar postando conteúdo de qualidade para todos os amantes da fotografia analógica ;-)

comentários
 
Deixe uma resposta »

 
  • 09/08/2012 em 10:42 am

    de acordo com o que o julio falou, então só essas citadas são lomo? os outros modelos da lomography não são lomo?

    Responder

    • 09/08/2012 em 11:37 am

      Cristina, existe LOMO (fábrica russa), existe Lomography (marca austríaca que todos conhecemos) e existe lomo (abreviação de lomography que acaba gerando uma confusão do cacete ;-)

      Respondendo a sua pergunta, as demais câmeras da Lomography são lomo (a expressão que representa o estilo de se fotografar da lomography) mas não são LOMO (Em russo: ЛОМО́) ou Leningrad Optical Mechanical Amalgamation)… sacou? :-D

      Responder

  • Sergio Marreiro
    01/04/2012 em 7:47 pm

    Seguindo esse seu raciocínio. Se eu usar FILMES da lomografia em qualquer outra camera já seria considerado lomografia, não?

    Responder

    • 01/04/2012 em 7:56 pm

      Ótimo ponto! :-D

      Continuando a filosofia de boteco, sim e não. Sim pelo ponto de vista da Lomography, que quer mais é que você se autodenomine um “lomógrafo” mesmo que fotografe com uma Canon, e não pelo ponto de vista do conceito estético lomográfico/experimentalista, que define lomografia como uma questão estética…

      Enfim, não tem resposta certa, né? :-))

      Responder

  • 31/12/2011 em 7:07 pm

    E temos que lembrar que lomo mesmo são só a LC-A, a Lubitel, a Smena, que foram criadas e fabricadas pela fábrica de ótica russa doida, a Lomo. É extremismo, eu sei…

    Responder

    • 31/12/2011 em 7:15 pm

      Sim sim… é sempre bom lembrar que a marca LOMO não pertence à LSI… e os russos nunca imaginaram que o nome da sua fábrica militar ia virar sinônimo de fotos “descoladas”… :-)

      Responder

  • 22/11/2011 em 8:09 am

    Gostei muito de como você escreve, cara. Você acabou de conquistar mais um leitor assíduo.

    Aproveitando a oportunidade, você sabe alguma coisa a respeito de filme infravermelho? Principalmente sobre uso de filtros coloridos, medição de luz e processo de revelação?

    Comprei uns rolos do agfa 400s, mas estou com medo de usar hehehe. As informações que encontrei na internet são muito confusas, parece que cada um faz de um jeito, alguns obviamente errados, já que não conseguem o efeito infravermelho.

    Até mais.

    PS.: Obrigado por retuitar meu anúncio de filme no mercado livre.

    Responder

    • 22/11/2011 em 9:49 am

      Opa Samuel! Obrigado! :-) Contem sempre com o blog!

      Sobre filme IR, nunca estudei a fundo não… mas lembro que tem uma edição da Digital Photographer Brasil que fala sobre isso. Se bem me lembro é a edição numero 11. Você pode comprar edições antigas no site deles e da editora (Digeratti). Se não achar me dá um toque que procuro mais, ok?

      Depois conta pra gente sua experiencia com os filmes IR! A gente faz um post no blog sobre isso, ok? :-)

      Abs!

      Responder

  • Nirvana
    17/11/2011 em 9:43 pm

    Nosssaaaa, estou amando as matérias!!!
    Comecei com a fotografia analógica a pouco, então é muito bom encontrar pessoas que também gostem dessa forma de fotografia!!!
    Enquanto vocês estiverem atualizando o blog eu estrei entrando e comentando ;)
    Abraços!!

    Responder

Deixa aí seu comentário!