29comentários

Qual é a Dos Buraquinhos de Filmes Nas Fotos?

por em 23/11/2011
 

Vamos falar hoje dos famosos “buraquinhos” que aparecem em algumas fotos analógicas (também chamados de “sprockets” ou “sprocket holes”)? Vamos! Mas antes, um pouco de paciência, porque antes temos que falar um pouco sobre o filme em si, ok? Simbora:

Ipanema @360º

Um rolo de filme 35mm nada mais é do que um pedaço comprido de plástico coberto por um produto que é sensível a luz. É esse produto, essa camada, que “queima” quando um raio de luz bate, criando uma imagem (imagem essa que só aparece depois da revelação, é claro). Ok até aqui? Beleza.

O filme e suas várias camadas de produtos químicos que transformam um mero rolo de plástico em um filme fotográfico.

O filme e suas várias camadas de produtos químicos que transformam um mero rolo de plástico em um filme fotográfico.

Pois bem. Esse rolo de filme, de plástico, coberto de química sensível à luz, não tem divisão. Quando metem o rolo de filme na química, metem o rolo todo, de ponta a ponta. Logo, ele fica TODO sensível à luz. Não tem quadradinho dividindo, não tem borda, não tem nada. É tudo sensível à luz. “Mas então porque as fotos ficam em quadradinhos, e nunca pegam (ou nunca pegavam, antes das toy cameras) as bordas do filme, onde ficam os furinhos?” Porque as câmeras não eram feitas pra isso. Eram feitas pra produzir fotinhos caretinhas, nos quadradinhos que a gente conhece.

Filme 35mm revelado. Esses buraquinhos podem, ou não, aparecer nas fotos...

Filme 35mm revelado. Esses buraquinhos podem, ou não, aparecer nas fotos...

Daí quando você pega um filme (revelad0) usado em uma câmera, digamos, careta, vê as fotinhos quadradinhas, longe das bordas. Quando pega filmes usados em câmeras “muderninhas”, que são feitas PARA expor as bordas do filme à luz, vemos as imagens (ou “quadros”), invadindo as bordas, se estendendo por larguras maiores do que o normal… enfim, sei lá, mil coisas. ;-)

Resumão: o filme NÃO define se suas fotos vão ter buraquinhos ou não. O que define isso é a câmera.

Logo, o próximo passo é escolher uma câmera que faça isso. E, pra não ficar um post grande demais, vou dar exemplos de algumas. Mas a dica é: pesquise nas descrições das câmeras. As que fazem quadros diferentes geralmente divulgam isso como benefício da câmera.

Sprockets, buracos e cachorros.

Sprockets, buracos e cachorros.

  • Diana F+ com Adaptador 35mm – Faz com que essa câmera 120 faça vários quadros diferentes com câmera 35mm, incluindo quadros com sprockets.
  • Holga com Adaptador 35mm – Faz com que essa câmera 120mm faça vários quadros diferentes com câmera 35mm, incluindo quadros com sprockets.
  • Sprocket Rocket Faz fotos com quadros mais largos, e expondo os buraquinhos.
  • Spinnet 360 – Câmera que tira fotos em 360 graus, e todas elas com os sprockets.
  • E tantas outras…

Agora, tiradas as fotos, e filme revelado, é hora de scanear, digitalizar, passar pro computador. E é aí que a coisa fica um pouquiiiinho mais complicada. Você vai precisar de um scanner de filmes não profissional (eu uso um HP g4050, e adoro!), ou um laboratório que faça esse tipo de trabalho, que tem que ser manual, porque os scanners automáticos são suuuuper caretas, e não gostam de mostrar as bordinhas. Chatos eles.

Bom, acho que já tá bom pra um post de blog, né? Mais do que isso vira uma tese de mestrado ;-)

Mas se você ainda tem dúvidas, deixe um comentário!

Abs!

PS: agradecimento especial para @SuzaneB_ e @tarsilaa que inspiraram esse post com suas duvidas.

Quanto vale esse post pra você?
Pense nisso e, se achar justo, colabore conosco! Você pode apoiar o Queimando Filme através de doações (faça a sua aqui!), divulgando esse post para seus amigos, ou até simplesmente clicando nos banners dos anunciantes! Tudo isso ajuda o Queimando Filme a continuar postando conteúdo de qualidade para todos os amantes da fotografia analógica ;-)

comentários
 
Deixe uma resposta »

 
  • Samantha Chuva
    24/10/2016 em 12:10 pm

    Marina, tive o mesmo problema. Revelei um filme de 120. E a moça da loja disse que não tem comoda fazer a ampliação nem a digitalização. Ai comecei a busca alternativas. Eu acho que a digitalização tem como fazer em casa… Mas a ampliação acho que não. Estou perdida. Alguém da um help?

    Responder

  • Marina Lisboa
    03/07/2015 em 8:55 pm

    Olá André,
    ganhei uma Sprocket e usei meu primeito filme feliz da vida jurando que iam sair várias fotos, mas aí veio a surpresa: só consegui uma foto e bem meia boca, hahah! Não sei o que eu fiz pra isso acontecer, mas aconteceu.
    Como uma boa amadora que se preze, a sprocket pra mim tem muitos botões, rsrs. O filme ficou transparente, sabe?

    Enfim, mas esse nao foi o meu maior problema, quando cheguei na loja pra tentar revelar pelo menos essa foto, eles me disseram que nao conseguiam pois a maquina deles iria cortar e a foto nao sairia inteira, e que também nao conseguem digitalizar pelo tamanho. Tentei falar pra colocar num papel maior ou até diminuir a imagem, mas enfim, não rolou. Moro em Recife e fui em umas 5 lojas, sem sucesso. )=
    Estou frustada, tenho uma camera maravilhosa, porém nunca terei as fotos.
    Alguma solução pro meu caso triste? hahah

    Responder

  • Priscilla
    15/01/2013 em 8:09 pm

    Olá André.
    Será que você pode me ajudar? Ganhei uma Rocket Sprocket faz pouco tempo e vi que ela usa o filme 35mm, no site da Lomography (loja virtual) estas películas de 35mm estão fora de estoque, procurei em outros sites como da Loja Virtual Imaginarium, mas também está fora de estoque, e só tenho encontrado filme 120mm..Não entendo nada de fotografia, mas gostei muito da ideia de tirar fotos com a Rocket, daí eu pergunto: posso usar o filme 120mm?! Desde já, obrigada!

    Responder

    • 16/01/2013 em 9:26 am

      Oi Priscila! Não, o filme 120 tem tamanho diferente do 35, e por isso não cabe na sua câmera. Mas você pode comprar filmes 35mm (ou 135, que é a mesma coisa) em papelarias, farmácias (nem todas, é verdade…) ou pela internet em vários sites! Dá uma olhada no menú aí em cima do site, e em “Endereços Legais” vai em “Onde Comprar”

      Responder

  • Cris
    13/10/2012 em 4:22 pm

    primeiro: ADORO seu site! :)
    segundo: socorro! ganhei uma spinner 360 e tou com medo de tirar fotos (gastar meus filmes queridos, hehe – tio patinhas feelings) e não ter onde revelar. Porque, né, teoricamente preciso de um lugar que não corte o negativo. Até aí tudo bem, mas será que consigo alguém que revele sem cortar o papel fotográfico? Porque é super panorâmica e eu acho que as máquinas hj em dia já cortam automaticamente o papel, não? ohcéus.
    Alguma dica? :)

    Responder

    • 13/10/2012 em 11:15 pm

      Oi Cris!

      Olha, não se assuste. O lance é o seguinte:

      Fotografe normalmente (deixa de ser mão de vaca! :-)

      Revela o negativo em qualquer lugar de confiança, que te entregue o rolo do negativo sem cortar

      Leve o rolo pra casa e corte você mesmo o negativo, separando as fotos,

      Leve os negativos cortados em algum lab pra scanear, e mostre, perguntando se ele faz esse serviço.

      Imprimir grande assim, só pegando um papel tipo 20×25 ou 20×30, ou ainda maior, imprimindo essa foto no meio,me cortando o papel branco que sobrar. Imprimir como você pensou, em rolo, que eu saiba é impossivel, porque impressoras de minilabs trabalham com tamanho padrão…

      Boas fotos! ;-)

      Responder

      • Cris
        14/10/2012 em 4:53 am

        kkkkkkk, mão de vaca é a véia. :)

        Mas vem cá, e quando a gente pede pra revelar o copião e eles entregam o rolo inteiro, sem cortar? Antigamente eu pedia muito assim, e eu mesma cortava as fotinhas que prestavam, depois.

        Vou lá no laboratório esta semana, perguntar se eles fazem como vc disse, e te conto depois, rs. Brigada!

        Responder

  • 05/08/2012 em 1:20 am

    tem algum lab de sao paulo que você conhece que faz esse serviço de digitalizar os negativos comos sprockets?

    Responder

  • Rayssa Wilk
    12/07/2012 em 2:10 am

    Melhor blog do mundo!

    Responder

  • 06/03/2012 em 5:11 pm

    Então, existe alguma forma de fazer isso com a Holga 135BC? Pq eu consegui de modo acidental uma única vez, não saiu perfeito, mas saiu, eis o link:

    http://www.lomography.com/homes/karlag/photos/15219299

    Responder

    • 06/03/2012 em 7:36 pm

      Oi Karla! Eu particularmente não conheço nenhuma forma, porque conheço pouco da Holga, e pelo que sei, ela é feita com uma áscara fixa que já não expõe os sprocket holes. A solução seria tentar, através de uma gambiarra (cortando/quebrando), abrir mais essa máscara…

      Responder

  • 15/01/2012 em 4:22 am

    Sim… é isso.
    É que eu estou com uma 120N, estou afim de testar 35m nela, mas não queria os sprocket.
    Nesse caso, acho que tenho que pensar no erro de paralaxe do visor da 120 – usando para o tamanho de uma 35mm…

    Valeu! Abraços.

    Responder

  • 15/01/2012 em 12:48 am

    Olá André.
    Tenho uma pequena duvida.
    Caso eu use uma Holga 120 com adaptador 135, mas não queira os sprocket holes em algumas fotos, ficaria muito pequeno a parte registrada da foto no filme?
    Vc já viu alguma fotos de filme que foram levados para laboratórios normais e revelarão sem os buraquinhos?

    Responder

    • 15/01/2012 em 12:53 am

      Opa xará!

      Olha, se você, de alguma forma, cobrir os sprockets, o resultado final vai ser um quadro beeeem similar ao padrão de um filme 135. Porém reduzido com relação à mesma cena registrada com um filme 120 com essa mesma câmera.

      Ou seja, pelo ponto de vista do filme, não, a parte registrada não será menor que a normal. Será o tamanho padrão, aliás. Já pelo ponto de vista da foto que você está tirando, sim, só a parte mais central dela irá ser registrada, já que a Olga é feita pra um filme 120…

      É isso?

      Abs!

      Responder

  • 26/11/2011 em 10:46 pm

    Eu adoro máquina analógica, morro de vontade de comprar uma Holga com adaptador, acho muito “contemporâneo” o jeito em que deixa as fotos, mas ao mesmo tempo eu fico com medo pra revelar, eu e jtenho uma Holga 135TIM (tira fotos sequenciais e me deu muita dor de cabeça) o problema é achar algum lugar que entenda o filme, tenho que sempre avisar que as fotos vão sair sequenciais e não é pra revelar duas fotos e sim, duas em uma (é muito complicado). Adorei o site, vou favoritar no meu blog.

    Responder

    • 27/11/2011 em 8:34 am

      Oi Taís! Que bom que gostou

      Olha, pra acabar com seu sofrimento minha recomendação é comprar um scanner. Daí você só manda revelar o negativo, pede pra não cortarem o filme, e digitaliza em casa. A partir daí pode mandar imprimir como, quando, e no formato que quiser!

      Essa semana (acho que quarta) vai pro ar um post sobre isso. Fica de olho! :-D

      Bjs,

      Responder

      • 10/12/2011 em 1:04 am

        Siim, eu li o post. é uma boa. se juntar uma grana, vou pensar em comprar. mais primeiro vem a polaroid (que é um sonho. e vale a pena investir).consegui explicar para um laboratório como funciona e tô primeiro pedindo só a mídia. depois de uns 3 filmes “revelados” eu seleciono as fotos que eu gostei e mando revelar. fica mais fácil e mais barato. =]

        Responder

  • 23/11/2011 em 10:48 pm

    Pra mim, só comprando uma Sprocket, mesmo. Eu tiro as minhas fotos com a Holga 135BC, então…Hora de juntar uma graninha! (:

    Responder

Deixa aí seu comentário!