15comentários

Polaroid é um Freak Show Fotográfico, né?

por em 07/12/2011
 
Crédito: The Impossible Project

Crédito: The Impossible Project

Tenho ouvido/lido muito essa pergunta nos últimos dias. Tudo porque, assim do nada, resolvi comprar uma câmera Polaroid. Muitas perguntas técnicas surgiram: “E ainda se acha essas câmeras?”(sim, no MercadoLivre tem dezenas dando mole…) “E ainda existe filme pra isso?” (sim, como vimos ontem), “Mas as fotos não são meio estranhas?” (sim! E é por isso que quero uma! :-)

Até aí tudo bem. Mas a pergunta que mais me fizeram, e que eu mais me fiz também antes de decidir pela compra foi “porque (conceitualmente, criativamente, a nbivel de ser humano figura humana e pessoa do planeta terra) você quer uma Polaroid?”

Créditos: The Impossible Project

Créditos: The Impossible Project

Mil coisas. Primeiro, porque tenho UMA cena na memória, da minha infância, onde estou com uns seis anos, na casa que morei no Brooklin (SP, não NY) na qual estou tirando fotos em uma Polaroid com o meu pai, que por sua vez foi o cara que me levou pra fotografia. Bom… memória de pai é isso aí, né? Fica pra sempre. Mas essa memória é o ponto inicial. Deixando essa pieguice pra lá, vamos aos motivos conceituais e criativos.

Mas antes pausa pra EXPLICAÇÃO TÉCNICA CHATA: Polaroid é uma marca, e não aquele tipo de foto. Aquele tipo de foto se chama “Fotografia Instantânea” e os filminhos se chamam : Filmes Instantâneos”. Como vimos ontem, existem outros fabricantes, outras câmeras, que não as Polaroid. Mas, em nome da tradição e da nostalgia, continuarei chamando tudo isso de Polaroid, ok? Só não pensem que não sei que a Instax também é legal… :-)

Dentro da fotografia experimental (também conhecido como “eu gosto de usar filmes vencidos, câmeras mofadas, não saber no que vai dar a foto, e ninguém tem nada a ver com isso”), a Polaroid traz possibilidades que o filme tradicional, seja ele 35mm, 120 ou outro, não traz. Isso porque ele é diferente física e quimicamente. Ele tem uma área sensível à luz, uns saquinhos de química com os reveladores e fixadores na parte de baixo (aquela parte mais grossa da borda), e quando a câmera cospe a foto estourando os saquinhos e misturando a coisa toda, os resultados são bem diferentes dos de um negativo “comum”. E basta olhar pras fotos pra ver, né? Um ar nebuloso, cores diferentes, pretos e brancos estourados… e tudo isso sem “efeitos especiais”. É característica do filme mesmo.

Créditos: The Impossible Project

Créditos: The Impossible Project

Como se não bastasse tudo isso, tem a questão da ImPossible estar começando tudo de novo. Outro dia um colega da lista LomoBR me disse que a Polaroid demorou décadas pra conseguir fazer seus filmes ficarem estáveis, de modo que não ficassem “doidos demais” ao serem usados. E você acha que eles contaram o segredo pra ImPossible? Que nada… os alemães tão tendo que começar do zero. Ou melhor, do meio, porque eles já trabalhavam na Polaroid, então já sabiam bastante do babado. Daí que, pelo menos por enquanto, os filmes deles estão apresentando resultados muito, mas muuuito doidos. Ruim? Depende… se sair TUDO doido numa caixa (Polaroid não tem rolo) de filme, eu ficaria puto. Mas se uma ou outra saírem meio doidas, eu vou gostar… ;-)

Mas tem mais. Polaroid tem aquela bordinha… aquela bordinha é um charme, né? O Instagram imita, a Fuji imitou no Instax (sei que ela é necessária, mas poderia ter feito diferente, né?), dá pra gente escrever nela, interferindo na foto, dá pra usar pra decorar a foto, e dá até pra colorir, como a galera do ImPossible fez, lançando versões pretas e douradas! E tem o formato esquizofrênico, nem quadrado, nem paisagem… aquele formato com cara de “foi o que deu pra fazer. Se não gostou, sinto muito” que virou um formato à parte no mundo da fotografia.

Créditos: The Impossible Project

Créditos: The Impossible Project

Enfim, Polaroid é uma parada diferente. É analógico, mas não é película, não tem que mandar revelar. E meio que uma aberração do mundo fotográfico. Um erro que fez sucesso. Um sorvete salgado, um bolo de carne com caramelo. Um freak show fotográfico, longe de tudo que os fãs da fotografia perfeita veneram. Que bom, né?

“Tá, mas e eu com isso?” Bom, esse blog é sobre “fotografia analógica, como hobby”, não é? Então… as fotos instantâneas dão tanta, mas tanta abertura pro hobby, que fica difícil não pensar nela depois de algum tempo nessa brincadeira. Por isso, porque você não começa a dar uma pesquisada… uma olhada… vai que você gosta? ;-)

E, pra fechar, deixo vocês com algumas fotos da Anitta, uma colega de internet, e fã das Polas, e com um link muito legal que explica técnicamente como funciona o filme instantâneo.
 uma estranha realidade gabriela donfla

Quanto vale esse post pra você?
Pense nisso e, se achar justo, colabore conosco! Você pode apoiar o Queimando Filme através de doações (faça a sua aqui!), divulgando esse post para seus amigos, ou até simplesmente clicando nos banners dos anunciantes! Tudo isso ajuda o Queimando Filme a continuar postando conteúdo de qualidade para todos os amantes da fotografia analógica ;-)

comentários
 
Deixe uma resposta »

 
  • 20/04/2012 em 12:12 am

    Sou Louca com uma Polaroid… Sempre fui, desde criança… um dia ainda terei!! :D

    Responder

  • 05/04/2012 em 5:41 pm

    Tenho uma máquina polaroid das antigas ainda e acredito que ainda esteja funcionando. Esses filmes novos funcionam nela?

    Responder

    • 05/04/2012 em 7:05 pm

      Sim! Esses filmes são feitos exatamente pras câmeras da Polaroid de todas as épocas! Somente alguns modelos, pouco populares, ainda não têm filmes fabricados pra eles…

      Responder

  • Gustavo
    02/02/2012 em 10:49 am

    Quanto custam os filmes para Polaroid? E o preço da revelação?

    Responder

    • 02/02/2012 em 10:55 am

      Opa Gustavo. Filmes Polaroid se revelam sozinho. Isso é o charme deles. Ele (a foto) sai da câmera, você espera alguns minutos, e a imagem está lá, pronta.

      O custo é de aproximadamente R$80,00 por um pack com 8 fotos.

      Abs,

      Responder

  • Nirvana.
    07/12/2011 em 8:12 pm

    Pois é, também amooo as polaroids.
    Já estou a quase dois anos fazendo pesquisas para ver qual eu compro.
    Gosto muitoo das fotos e das câmeras da ImPossible, porém com a camêra, os filmes, frete e blá blá blá, acaba se tornando financeiramente impossível(aqui no Brasil).
    Por isso que eu optei pelos da Fuji, mesmo eles não tendo todo aquele “glamour” da ImPossible, são um pouco mais viáveis.
    AAA, já que você também gosta das fotos instantâneas, você conhece o Photojojo??
    É uma loja online americana, vira e mexe eles fazem uns lançamentos especias de câmeras fazendo parceria com a ImPossible. Agora não tem nenhuma, mas vale a pena conferir!!!
    Falei de mais…
    Está muito bom o blog, como sempre ;)
    Abraços, Nirvana.

    Responder

    • 07/12/2011 em 10:46 pm

      Opa Nirvana!

      Conheço a Jojo sim… tô sempre dando uma olhada. Só não sabia dessas promos com a ImPossible… bom saber!

      Eu optei por uma Polaroid 636 usada, que encontrei no MercadoLivre (tem váaarias por lá, de 50 a 200 reais…), e to comprando as duas primeiras caixas de filme na Toycamera mesmo, pra testar e tal. Depois vou comprar uns lotes maiores direto pela Impossible, porque aí vale à pena e sai até metade do preço das lojas no Brasil… :-)

      Bjs,

      Responder

  • 07/12/2011 em 11:40 am

    Tive essa surpresa de fotos muito doidas quando revelei o primeiro filme usado na minha Smena 8M.

    Ela é de 1974, importei da Ucrânia há uns meses. Foi fabricada na Leningradskoye Optiko Mechanichesckoye Obyedinenie, “LOMO” (União de Óptica Mecânica de Leningrado), fábrica equipamentos óticos da União Soviética.

    Agora todo mundo sabe de onde vem o termo Lomo, que acabou virando sinônimo de um tipo de foto (assim como polaroid).

    A primeira foto que vi foi uma que tirei na rodoviária do Plano Piloto, aqui em Brasília. Foi como voltar no tempo uns 30 anos, olha só:

    http://www.flickr.com/photos/samuelpaz/6062996402/

    Responder

Deixa aí seu comentário!