8comentários

Contando Até 10 Com Jorge Sato.

por em 10/12/2011
 

E o Contando Até 10 de hoje é com o Jorge Sato. Já ouviu falar? Se já, pode pular pra primeira pergunta. Se não, vamulá. Jorge Sato é um fotógrafo profissional apaixonado por lomografia e que, apesar de não falar isso na entrevista, já ganhou prêmios e saiu em várias matérias sobre o assunto. Pode-se dizer então que é uma “estrela brasileira da lomografia” :-)  Enfim, ele é famoso, mas é gente boa… :-)

1. Apresente-se pro povo…

Sou Jorge Sato, viciado em lomografia há alguns anos e acredito que o analógico é mais do que um “tipo” de fotografia saudosista, ele é um estilo de vida.

2. O que faz da vida?

Sou fotógrafo nas horas vagas e comerciais, mesmo sendo formado em publicidade e marketing com grande interesse em design.

3. E a fotografia?

Está no sangue e na alma, deve ser coisa de japonês mesmo.

4. E a fotografia analógica?

Sou muito grato por ter sido assistente de um fotógrafo fine art e ter sido estimulado a conhecer o mundo analógico. Quando se descobre a beleza do grão, não tem volta.

5. Quais câmeras analógicas você tem?

Lomos: LOMO LC-A+RL , Horizon Perfekt, Fisheye 2.0, Supersampler, Diana Mini, Diana F+, Holga135, e Spinner360. As outras analógicas são Yashica D e Mat, Rolleiflex, Rolleicord, Lubitel 2, Pentax Spotmatic, Pentax MX, Olympus AM-100, Kodak ec70 e Kodak kv250.

6. Tem algum filme de preferência?

Kodak Portra para 6×6 e Lomography Redscale XR para 35mm

7. Tem algum estilo de preferência, dentro da fotografia com filme?

Para um autoral mais inusitado e excêntrico, a lomografia com toda certeza. Mas também admiro bastante o clássico, para isso gosto das câmeras TLR para chegar lá.

8. Tem algum fotógrafo que seja referência pra você nessa área? Porque?

Claudio Edinger. Por ter trabalhado com ele por alguns anos, aprendi muito sobre a fotografia autoral e documental. O seu trabalho é incrível e único, e foi por causa dele que me aventurei pelo universo analógico.

9. Uma dica pra quem tá começando na fotografia analógica.

A fotografia analógica pode parecer super complicada no começo, mas não é. Não tenha medo de errar, experimentar e clique sem parar, mas sempre tentando melhorar cada vez mais. Gosto da fotografia Lo-Fi porque estimula os fotógrafos a testar, criar, mudar e experimentar soluções “tabajaras” para chegar em resultados únicos. Sem perceber, estão aprimorando o olhar e ainda por cima se divertindo.

10). Outra dica, pra não te chamarem de egoísta…

Tem uma palavra muito ativa no vocabulário dos publicitários que é a tal “referência”. Para fotografia isso é importantíssimo também. Não uma referência para você copiar, mas sim uma para você ter um Norte de como começar, de acordo com a estética de sua preferência. Não estou falando apenas em pesquisar outros fotógrafos. Tente abrir seus horizontes, buscando referências em cinema, quadrinhos, desenhos, documentários, na vizinha e principalmente, na vida.

 

Quanto vale esse post pra você?
Pense nisso e, se achar justo, colabore conosco! Você pode apoiar o Queimando Filme através de doações (faça a sua aqui!), divulgando esse post para seus amigos, ou até simplesmente clicando nos banners dos anunciantes! Tudo isso ajuda o Queimando Filme a continuar postando conteúdo de qualidade para todos os amantes da fotografia analógica ;-)

comentários
 
Deixe uma resposta »

 

Deixa aí seu comentário!