20comentários

Tá Vendo Dobrado? Não! É Dupla Exposição!

por em 14/12/2011
 
Sem Titulo, por buiu

Sem Titulo, por buiu

Já falamos assim por alto sobre dupla exposição algumas vezes aqui no blog, mas acho que tá na hora de entrar mais a fundo no assunto.

Multipla exposição é a técnica que faz com que sua foto fique com imagens sobrepostas… tipo as que você vê quando bebe um pouco mais do que devia. A diferença é que, nas fotos, as imagens duram mais do que o seu porre, e não provocam ressaca. Podem ser duas, três, cinco… quantas você quiser, desde que respeitando alguns limites técnicos, dos quais falaremos aí embaixo, pra não ferrar a foto por completo, e não ficar um mafuá de coisas sem sentido.

são cristóvão, por spreadthephotolove

são cristóvão, por spreadthephotolove

A lógica é simples: você tira duas ou mais fotos, uma em cima da outra, sem girar o filme. 

“Tá, mas como é que eu faço isso?” Dependendo da câmera, pode ser moleza, ou quase impossível. isso porque a indústria de câmeras foi tentando sempre “melhorar” as câmeras pra evitar “erros” e, em tempos mais caretas que os de hoje, tirar uma foto em cima da outra era sempre um erro. Câmeras beeeeem antigas não tinham uma proteção, e você podia disparar a câmera quantas vezes quisesse antes de girar o filme. Com o tempo as câmeras foram ficando mais “seguras”, impedindo isso, e nos anos oitenta e noventa, quando as câmeras de filme começaram a sumir, quase nenhuma permitia essa brincadeira.

Sem Título, por isadorab

Sem Título, por isadorab

Com o retorno das câmeras analógicas direto das covas, e de nossos armários, como zumbis de The Walking Dead, temos a oportunidade de usar câmeras de todas as décadas dos últimos cem anos, além é claro das cópias de plástico. Isso é bom, porque, se juntar todas, as únicas que, em média, não permitem múltiplas exposições (fúuuuuuuuuu!!!). Vamos ver uma listinha básica só pra ilustrar?

“A minha não permite… como eu faço? Sento e choro?” Não. Existe um outro jeito bem legal de fazer: você tira fotos com o filme todo, depois rebobina ele quaaaase até o fim, deixando só a pontinha de fora do rolo. Daí coloca de novo o filme na mesma ou em outra câmera, e começa a tirar fotos de novo com esse mesmo filme! Como ele já tem fotos nele, as novas fotos vão sair por cima! :-)
Acho que deu pra entender a técnica, né? É claro que não dá aqui pra falar de câmera por câmera, mas se você precisar de ajuda, é só deixar seu comentário/dúvida aqui no blog que a gente dá um jeito de achar uma solução, tá?
Continuando, vamos ver alguns projetos interessantes usando essa parada:
  • Imagens Complementares: você tira a segunda foto lembrando de como era a primeira, pra que as duas juntas formem uma terceira imagem que faça sentido. Geralmente exige um pouco mais de calma e planejamento, mas o resultado é muito legal! Um exemplo é a foto do começo desse post.
  • Duplas: você tira todas as fotos possíveis com um filme, depois rebobina ele deixando a pontinha de fora, e passa pra um amigo que então tira fotos por cima. Daí surgem mil brincadeiras: você pode ou não contar que fotos tirou (e aumentar as surpresas), pode combinar temas, pode mandar pra pessoas de outros países (como esse exemplo do LomoCouple)… sei lá, mil coisas.
  • Exposição dos dois lados: essa é muito doida. Você primeiro tira fotos com o filme “normal”, e depois com o filme em redscale… já pensou? Esse eu nem achei exemplos, de tão doido…
  • Fotos no escuro: boa técnica pra baladeiros. Como de noite uma foto só não vai sair legal em um filme que precise de muita luz, você pode meter um flash na câmera e tirar várias fotos sem estourar tudo! Exemplo aqui.
Sem Título, por Maíra Erlich

Sem Título, por Maíra Erlich

“Tá, mas o que pode dar errado?” Muita coisa. Afinal, experimentar é isso, né? Mas os maiores cuidados a se tomar é: quanto mais luz, menos múltiplas exposições o filme aguenta. Cada vez que você dispara, expõe o filme a luz. Se o filme for muito sensível à luz, vai estourar a imagem e queimar geral. Você perde a foto. Use o bom senso e sua experiência. fazer múltiplas exposições num dia de sol na praia, onde tem luz pra cacete, com um filme rápido, como de ISO 400 ou 800, vai queimar tudo e você vai terminar com um borrão branco no lugar de uma foto.

Tá bom, né? Então pega tua câmera e começa a experimentar. As múltiplas exposições não vão se fazer sozinhas… :-)

Quanto vale esse post pra você?
Pense nisso e, se achar justo, colabore conosco! Você pode apoiar o Queimando Filme através de doações (faça a sua aqui!), divulgando esse post para seus amigos, ou até simplesmente clicando nos banners dos anunciantes! Tudo isso ajuda o Queimando Filme a continuar postando conteúdo de qualidade para todos os amantes da fotografia analógica ;-)

comentários
 
Deixe uma resposta »

 

Deixa aí seu comentário!