2comentários

Contando Até 10 com Émelly Varela e o Projeto “Imagine uma Lomografia”

por em 17/12/2011
 
minha amarelinha

minha amarelinha

E a entrevistada de hoje vem do Nordeste do país pra nos mostrar um projeto desenvolvido por ela e pelos colegas: o “Imagine uma Lomografia”.

1. Apresente-se pro povo…

Émelly Varela, natural de Caicó/RN e mora atualmente em Campina Grande/PB. 24 anos, adoradora de artes e do ato fotográfico e seus resultados mais simples a criativos.

Barra de Santana

Barra de Santana

2. O que faz da vida?

Recém bacharel em Arte e Mídia pela UFCG, dirigi o Projeto Multimídia “Imagine uma Lomografia” que produziu através de câmeras lomo fotografias advindas da imaginação de determinados lomógrafos sobre um tema, neste caso versículos bíblicos, onde o lomógrafo deveria se desligar o máximo dos fatores religiosos e utilizar o versículo como um estímulo criativo. Já fiz direção de arte em curtas e outros projetos (curta “Mais Denso que Sangue” de Ian Abé e o Projeto Multimídia “Campina Grande Cidade dos Zumbis” de Julliane Pereira) e de vez em quando faço bicos com a fotografia – remunerado ou em Projetos (“Alma não tem Cor” de Mayara Silveira e “Sons de Campina” de Allancleryston Silva). Agora recém formada, to procurando mestrado na área artística ou fotográfica.

3. E a fotografia?

A fotografia sempre foi uma admiração, observava as fotografias e as tentava traduzi-las, do tipo, como foi feito e porque. Até entrar no curso e estudar sobre todas as áreas que ele aborda, simpatizei por todas, mas me dediquei mais a fotografia, sua evolução tecnológica e funcional e como podemos hoje ter a liberdade de utilizá-la como um suporte artístico. Curto muitos tipos de imagem, mas tenho uma certa predileção por fotografia de moda; talvez pela liberdade de ousadia que se pode ter e características marcantes e particulares que esse tipo de imagem pode receber. E fotografias artísticas, aquelas que utilizam imagens simples e minimalistas ou mesmo pesadas e carregadas de informação, desde que se possa sentir um conceito na fotografia.

lá se foi Janaina

lá se foi Janaina

4. E a fotografia analógica?

Já apreciava a fotografia analógica pela surpresa, pelo inesperado, pelo próprio ato de revelação no papel fotográfico, já fiz revelação caseira direto no papel com fotografia pinhole (em latinha mesmo – Projeto Pinshirt de Thais Gualberto) e também fotografia do filme fotográfico até a ampliação pro papel; e fiquei fascinada pela imagem transposta.

Com a fotografia lomográfica me fascinei mais ainda.Conheci há uns dois anos através de Pamella, uma amiga minha que arrasa em qualquer tipo de fotografia, e desde então não consigo passar muito tempo sem fotografar com elas. Se viajo ou saio pra qualquer canto, sempre levo uma comigo; a minha DSLR não é utilizada faz teeempo.. =D

Foi com essa proximidade dessas câmeras e como elas eram pouco conhecidas aqui na cidade que surgiu a idéia de criar um projeto em que a área temática da fotografia voltasse ao analógico mas com o toque moderno das lomos. O resultado que hoje muitos copiam digitalmente estavam lá, direto do filme, sem nenhuma alteração, para surpreender quem gosta de fotografia em si. E pelo resultado do Projeto, é bom saber que surpreendeu.

5. Quais cameras analógicas você tem?

Analógicas, apenas lomos. To juntando um dinheirinho para tentar comprar uma Nikon ou Pentax analógica, mas por enquanto tenho minha pequena coleção: a Holga 135 BC TLR, ActionSampler, ActionSampler Robot, ActionSampler Stereo, Recesky TLR, SuperSampler, Fisheye n° 2, AquaPix, Juice Camera e por enquanto só… tenho o pressentimento que vou ganhar uma Diana no Natal.. =P E minha meta ainda é comprar a Spinner 360°, louca pra ver os resultados pessoalmente! =)

Sem Titulo / Untitled

Sem Titulo / Untitled

6. Tem algum filme de preferência?

Não… a cor e contraste que o filme tem pode influenciar muito, claro, no resultado final da foto, mas o que é legal na lomografia é que todo filme pode ter um efeito mágico. Se bem que o filme P&B tem seu charme que me atrai, o contraste das duas cores, a sombra, posso dizer que tenho uma certa queda pelo preto e branco, mas preferência, acho que não. Adoro todos, apesar de só usar mais o amador (por aqui é difícil encontrar certos tipos de filmes, para o Projeto tive que pedir por sites; o profissional e o slide), já vi os efeitos de perto dos outros e quero sempre tentar alternar.

7. Tem algum estilo de preferência, dentro da fotografia com filme?

Acho que não, gosto de múltipla exposição, gosto de contraste, adoro fotos espontâneas ou impulsivas. Acho que o que me atrai no estilo de fotografar é o porquê, o como aconteceu, o tentar descobrir como aquela imagem aconteceu, bem conseguir ficar na visão do fotógrafo. Confesso que sou muito impulsiva e a vontade na foto analógica (bem as 10 regras de ouro) mas algumas saem com o toque do sentimento aflorado. =)

lampada?

lampada?

8. Tem algum fotógrafo que seja referência pra você nessa área? Porque?

O eterno Cartier-Bresson. Ele conseguiu captar momentos incríveis com cameras analógicas, ele tinha uma visão, conhecimento e técnica invejáveis; o fotojornalista Sebastião Salgado que tem nas suas imagens analógicas uma das maiores relíquias documentais. Fora do analógico tem também os que me deixam de queixo caído, como La Chapelle, adoro a ousadia deste, Brooke Shaden, descoberta no multimídia e usada como referência para os lomógrafos, entre muitos outros, o mais feliz é saber que tenho uma referência tão perto de mim que faz fotografias maravilhosas de auto-retrato, Luciana Urtiga, uma amiga que me faz querer ser igual a ela quando crescer de tanto talento.

9. Uma dica pra quem tá começando na fotografia analógica.

Huumm.. acho que a maior dica é gostar. Gostar de fotografia analógica o suficiente para estudá-la; saber da sua história é fascinante e contagia ainda mais por esse tipo de fotografia. Fotografar apenas por achar que é moda é um comum início, mas se dedicar e desvendá-la é gratificante e pode se ver nos resultados.

Isabelaeee

Isabelaeee

10. Outra dica, pra não te chamarem de egoísta…

Outra dica é ser humano. Humano para raciocinar em vez de invejar, de aprender em vez de achar que nasceu sabendo; é ousar e se arriscar no que busca; é tentar se superar. Uma foto pode dizer muita coisa, e porque não usá-la para mostrar o que se tem de melhor, ou pior. ;)

Quanto vale esse post pra você?
Pense nisso e, se achar justo, colabore conosco! Você pode apoiar o Queimando Filme através de doações (faça a sua aqui!), divulgando esse post para seus amigos, ou até simplesmente clicando nos banners dos anunciantes! Tudo isso ajuda o Queimando Filme a continuar postando conteúdo de qualidade para todos os amantes da fotografia analógica ;-)

comentários
 
Deixe uma resposta »

 

Deixa aí seu comentário!