3comentários

Grãos e filmes: o básico do básico.

por em 19/12/2011
 

Se existe um bom motivo para sentir saudades da fotografia analógica, com certeza, esse motivo é o tipo de grão formado pelos filmes. Apesar de cada vez mais raro, cada vez que vemos uma imagem granulada digitalizada ou impressa numa exposição ou revista, primeiro ficamos boquiabertos olhando cada detalhe da fotografia. Aqueles minúsculas grãos que formam a imagem nos prendem e tiram nosso fôlego. É uma linguagem que a fotografia digital deixou para trás. – Altair Hoppe

Grão é vida, grão é amor, grão traz mais alegria a um fotógrafo de filme do que bacon a um gordinho. Mas, afinal, o que é o tal do grão? É de comer? Como a gente usa? Vou tentar não ser muito técnico, mas vou ter que ser um pouquinho, se não, não tem como explicar.

Cromo Vencido + Xpro = Muito grão

Cromo Vencido + Xpro = Muito grão

Imaginem um grão de areia que seja sensível à luz. Quando a luz bate, ele escurece, queima, fica pretinho. Agora imagine que você pegue um monte dessa areia e cubra uma placa de vidro, e depois coloque essa placa no sol. A placa logo fica preta, certo? Mas e se você expor partes da placa a diferentes intensidades de luz… a placa vai apresentar diferentes tons de escurecimento, certo? Agora, imagine… bom, chega de metáfora. Já deu pra sacar que estamos falando de filme, certo? A diferença é que os grãos de um filme não são areia, mas sim de prata (mas deixa esse detalhe pra lá). Então é isso: um filme é um plástico cheio de grãos, ou cristais, de prata, sensíveis à luz.

“Tá. Mas porque alguns filmes tem mais grãos, e grãos maiores, do que outros?” Bom, a gente viu no texto sobre ISO que existem filmes mais e menos sensíveis a luz, certo? Quanto maior o ISO, menos luz é necessária. Pois então, quanto maior o ISO menos luz é necessária, porque quanto maior o ISO maiores os grãos que compõem aquele filme, e quanto maior o grão, mais exposto à luz ele está, e de menos luz ele precisa.

Grão fino de um filme ISO 160...

Pronto, cabô. Simples, né? É claro que tem mais, como a questão da revelação influenciando no grão, como os grãos diferem de filme pra filme (cromo, pb, cor…), mas você não precisa entender isso agora.

Resumão: quanto maior o ISO, maiores e mais visíveis a olho nu os grãos que compõem a imagem impressa no filme (seja cromo ou negativo). Filmes  de grão fino, e com mais nitidez, precisam de mais luz, e filmes de pouca luz e ISO alto têm grãos grandes porque são necessários grãos grandes pra escurecerem com pouca luz.

E ai, foi bom pra você?

Quanto vale esse post pra você?
Pense nisso e, se achar justo, colabore conosco! Você pode apoiar o Queimando Filme através de doações (faça a sua aqui!), divulgando esse post para seus amigos, ou até simplesmente clicando nos banners dos anunciantes! Tudo isso ajuda o Queimando Filme a continuar postando conteúdo de qualidade para todos os amantes da fotografia analógica ;-)

comentários
 
Deixe uma resposta »

 

Deixa aí seu comentário!