19comentários

Filmes Legais: Kodak Tri-X 400

por em 02/01/2012
 

“O filme preto-e-branco mais vendido do mundo.”… bom, pelo menos é isso que o site da Kodak diz. Mas ele diz mais. Olha só:

Por anos Sebastião Salgado tem confiado no filme KODAK PROFESSIONAL TRI-X para expressar a sua visão da condição humana. Esse filme permite obter a máxima rapidez quando necessário, enquanto sua latitude de ampla exposição permite aproveitar até mesmo as situações onde a iluminação é um desafio. A estrutura de granulação distinta acrescenta um nível de realismo que é tão dramática e profunda quanto cada assunto.

Pista 20-R / Lane 20-R

Pista 20-R, por André Corrêa

Bonito, né? Texto bem legal… faz a gente ter vontade de sair correndo pra comprar um lote inteiro de Tri-X. Pois bem. Mas eu usei esse filme antes de ler essa babação toda, e usei uns rolos vencidos pra completar. O resultado?  Três das minhas fotos favoritas de todos os tempos. Em um mesmo rolo!

Sem sacanagem. Quando eu comecei a scanear o negativo, e ver as fotos, não acreditei em algumas fotos que estava vendo. Eu tinha despretenciosamente carregado ele na minha Olympus Trip 35, e tirado algumas fotos em uma viagem à São Paulo (na época eu morava no Rio ainda).

Rua Augusta, Oito da Noite / Augusta Street, Eight PM

Rua Augusta, Oito da Noite, por André Corrêa

O filme se comportou como um cavalheiro. Fotos diurnas, noturnas, interior, exterior, luz direta, indireta… tudo lindo. é claro que o fato da Trip ter fotômetro, ter ajustado a exposição, ajudou bastante (você não vai ter essa moleza toda em uma câmera sem fotômetro). Mas, como o pessoal da Kodak disse aí em cima, esse filminho tem uma das maiores latitudes que já vi em um filme preto e branco. Sebastião Salgado não é bobo não de usar ele, viu?

Fila de Sombra, por André Corrêa

Fila de Sombra, por André Corrêa

Enfim, é um filme pra se ter na geladeira, à mão, o tempo todo. É um excelente pb pra todas as horas, e minha reocomendação pra quem está começando no pb.

Você pode ver todas as minhas fotos com esse filme aqui, e outras centenas de fotos no flickr feitas com esse filme aqui. E se você gosta de detalhes, dê uma olhada na página oficial desse filme no site da Kodak.

Esse não é um filme raro. Portanto, se você procurar com carinho nas lojas brasileiras mesmo, deve encontrar alguns.

Quanto vale esse post pra você?
Pense nisso e, se achar justo, colabore conosco! Você pode apoiar o Queimando Filme através de doações (faça a sua aqui!), divulgando esse post para seus amigos, ou até simplesmente clicando nos banners dos anunciantes! Tudo isso ajuda o Queimando Filme a continuar postando conteúdo de qualidade para todos os amantes da fotografia analógica ;-)

comentários
 
Deixe uma resposta »

 
  • Denise
    18/09/2012 em 10:26 am

    Olá.

    Precisamos desse filme para trabalhos na disciplina de fotografia da Faculdade. Onde poderíamos encontrar esse filme com preço acessível?
    Pesquisamos em sites estrangeiros e nacionais, mas ficaria muito caro um filme para cada aluno.

    Obrigada!

    Responder

  • carolina
    15/06/2012 em 10:22 pm

    Obrigada por responder tão rápido. Comprei o filme e espero fazer tudo certinho para não jogar dinheiro fora. Acho que vou acertar depois que revelar o meu segundo rolo de filme. Vou saber o que errei e tentar consertar. Só uma dúvida: eu tirei umas fotos com a Diana Mini com filme colorido negativo ISO 400 na praia. Bem… não foi exatamente da areia. Foi de um mirante no fim da tarde. O céu estava claro com algumas nuvens. Eu estava na sombra, contra o sol. Coloquei no ícone “nublado” e modo N, mas usei o flash na maioria da fotos. Fiquei com receio de, como no primeiro rolo, as fotos ficarem super escuras. Ainda não coloquei o filme para revelar e estou curiosa. Você acha que “queimei” literalmente o filme, pois usei flash com filme ISO 400 em pleno dia? Só para constar: não está aquele sol de verão no Rio. Clima tipicamente de Outono. :) Abraços

    Responder

    • 16/06/2012 em 8:00 am

      Olha, Carolina, acho que você fez tudo certo. Filmes coloridos de ISO 400 têm bom alcance dinâmico e latitude (já leu os posts sobre essas duas caracteristicas dos filmes? :-) e portanto, deve dar tudo certo. ISO 400 é o recomendável pra uma Diana Mini (ISO 100 é considerado escuro demais pra ela), então, você poderia sim ter deixado no icone do solzinho, ou do sol com nuvens. Mas se você tirou fotos de coisas/pessoas próximas, o flash deve ter ajudado também ;-)

      Mas é isso ai. Os primeiros rolos são de aprendizado. Pouco se aproveita, mas MUITO se aprende. Bjs!

      Responder

  • Carolina Gama
    14/06/2012 em 9:50 pm

    Olá!!! Antes de mais nada o seu site é uma ferramente danada de boa para quem acabou de entrar no mundo da fotografia analógica (como eu). Enfim… recentemente comprei uma Diana Mini. Achei melhor começar com filme colorido negativo por ser mais barato e fácil de achar. Depois do segundo rolo de filme, acho que já posso me aventurar mais. O que você acha de comprar o KODAK PROFESSIONAL TRI-X para usar com a Diana Mini? Acha que é jogar dinheiro fora? Abraços….

    Responder

    • 14/06/2012 em 10:10 pm

      Oi Carolina! Olha, você fez EXATAMENTE o que acho ideal pra quem tá começando. Começar com filmes fáceis de usar, com boa latitude e alcance dinâmico, e baratos pra comprar e revelar. Parabéns! ;-)

      Sobre os próximos passos, acho que você vai adorar preto e branco. Mas pode começar com qualquer preto e branco, viu? Pode seguir a mesma lógica, e comprar o mais barato, de ISO 400 preferencialmente. Se o Tri-X for o mais em conta, manda ver!

      E boas fotos! :-D

      Responder

  • lythielle
    03/01/2012 em 7:53 pm

    não consegui achar ele em Goiânia, o único que encontrei aqui foi o Neopan da fujiclick asa 400, além de que revelar um filme pb aqui é complicado, só tem um lugar em toda a capital que faz…

    Responder

    • 03/01/2012 em 7:59 pm

      Já tentou o Kodak T400 CN, que se revela em química comum de filme colorido (C-41)? Quebra um galhão em cidades sem lab de Pb!

      Outra dica que dou sempre é aproveitar a internet pra comprar filmes. São tantos os sites que vendem, que as opções são enormes! :-) já olhou a sessão “Laboratórios e Lojas” no menu daqui do site?

      Responder

  • 03/01/2012 em 1:38 pm

    Pentax…SLR….

    GOOOOOGLEEE!!!

    rs.

    Responder

  • Nirvana.
    02/01/2012 em 10:34 pm

    Todo mundo recomenda esse filme, ainda não tive a oportunidade de usar.
    André, eu estou com algumas dúvidas e você é unica pessoa que eu conheço que pode me responder.
    Já que você comentou, o que é o fotômetro?? Estou indo para praia e vou levar a minha Diana F+, só que eu estou levando um filme de ISO 100. Em condições normais,usando esse tipo de filme, se estiver sol, eu coloco ela em parcialmente nublado. Mas na praia, o sol é mais forte, então eu coloco no modo para sol ou para o parcialmente nublado??
    Bom, o blog está maravilhoso, como sempre ;)
    Abraços.

    Responder

    • 03/01/2012 em 11:48 am

      Oi Nirvana!

      Fotômetro é uma coisa que a Diana não tem… e que você faz no olho :-) Fotômetro é que nem um termômetro, só que pra luz. Ele mede a quantidade de luz que tem no “alvo” da sua foto, e calibra a câmera pra que ela exponha mais ou menos o filme com base nisso.

      Quando você muda a abertura da sua Diana, mudando de sol pra nublado, etc, você está fazendo um fotômetro mental, regulando a câmera pra não expor de menos nem demais o filme… :-)

      Na praia, com um ISO 100, deixe a Diana no icone “sol” mesmo, a não ser que o tempo esteja MUITO fechado. A praia tem uma peculiaridade, que é o fato da areia refletir a luz do sol. Isso faz com que a praia seja um lugar muito iluminado (por isso todo mundo usa óculos escuro, mais do que fora da praia, mesmo com o mesmo sol na cabeça). Você recebe luz de cima (sol) e de baixo (areia). Quando você coloca a Diana no icone “sol”, você está falando pra ela “Ei, Diana, está um puta sol aqui. Toma cuidado pra não expor demais meu filme, ok?”. Quando está escuro e você põe no nublado, está dizendo “Ei, Diana, tá escuro pra cacete aqui. Vê se abre mais a entrada de luz pra sensibilizar mais meu filme”!

      Aliás, quer ver como funciona? Tira a lente da Diana, olha pro buraquinho que tem atrás da lente, na câmera, e muda a posição dos icones. Você vai ver que a câmera muda o tamanho dos buracos por onde entra a luz… :-) O nome desse buraquinho é diafragma. E mudando os icones, você está mudando a abertura do diafragma. Se você quer mais luz batendo no filme, abre o diagragma. Se quer menos luz batendo no filme, fecha…

      Boas fotos!

      Responder

      • Nirvana.
        03/01/2012 em 1:05 pm

        Ai André, amo suas explicações!!
        Eu tenho uma boa noção de como a Diana funciona, pq logo que eu comprei ela, eu fiz o que você recomendou no poste, ver os “buraquinhos” em cada modo, mas como você havia dito em postes anteriores e o que eu aprendi nas aulas de física, a luz se comporta diferente na praia por causa da areia, então achei melhor perguntar antes de usar.
        A pergunta do fotômetro é por causa da minha aquisição recente, uma Pentax K1000, eu acho que ela tem fotômetro, mas acho que está quebrado, mas como eu não sei bem como é o funcionamento disso, achei melhor ter uma noção antes de ir mandar concertar ou qualquer coisa do tipo.
        Muito obrigada pela dica.
        E como sempre, o blog está maravilhoso ;)
        Abraços

        Responder

        • 03/01/2012 em 1:16 pm

          Passar de uma Diana pra uma SLR é um grande passo, Nirvana! :-) pesquise um pouco mais sobre fotômetro na internet. Não é tão difícil. E, mais importante de tudo, leia o manual da Pentax! Com certeza ele tem boas explicações :-)

          Responder

  • 02/01/2012 em 11:36 am

    Esse eu conheço. É o melhor PB que já usei.
    Contraste excelente, granulação na medida.
    Recomendadíssimo.

    Responder

Deixa aí seu comentário!