37comentários

Leitura Obrigatória: Entendendo os nomes dos formatos de filmes fotográficos…

por em 05/01/2012
 

Vamos lá: tratamento de choque. Preparado? Lá vai:

Não existe filme 120mm. É 120. Sem os milímetros.

Ao se referir ao filme mais comum que conhecemos, falar 35 está errado. 35 não quer dizer nada. Não existe “filme 35” hoje em dia.

Preparado pro maior choque de todos? Não existe filme de 35mm. Te enganaram esse tempo todo. O filme 135 que você usa nas suas câmeras tem 36mm!

Existiu um filme de 35mm, chamado “35”, mas ele não existe desde 1933!

Ok, Agora bebe um copo d’água, e vamos em frente, entender essa zona que virou nos últimos anos a nomenclatura de filmes. A boa notícia é que é BEM mais fácil do que parece.

A muito tempo atrás, numa galáxia muito, muito distante, chamada Kodak, uns caras de jaleco branco que faziam filmes pra câmera, e dominavam o mercado daquela época (estamos falando de 1913. Isso mesmo… cem anos atrás!) perceberam que chamar os vários formatos de filme que eles faziam de “filme pra câmera X” e “filme pra câmera Y” não era lá muito inteligente. Afinal, se eles quisessem fazer uma nova câmera que usasse o formato de filme da câmera X? Iam chamar o filme de “filme da câmera X que também cabe na câmera Z”? Meio “dãaaa”, né?

Pois, bem, eles bolaram então uma forma simples de dar nome aos bois filmes: uma ordem numérica, começando pelo número 100. Cada novo filme ganharia um número: 101, 102, 103… e pronto. Com o tempo os outros fabricantes, que também tinham suas formas de batizar seus filmes, começaram a adotar o sistema da Kodak, e ele virou universal.

“Pô, jura que é só isso? Daí é que vem o 120, o 135 e o 220?” Sim. “Então o 135 se chama 135 só porque foi inventado… deixa eu ver… quinze versões depois do filme 120?” Sim. [Update de 21/06/12: Na verdade… não ;-) A maioria dos filmes segue essa lógica, mas existem exceções à regra. O filme 110, por exemplo, foi criado quase 100 anos depois do 109 e do 111. Enquanto esses dois são de 1898,  o 110 é de 1972. O mesmo acontece com o 220, que foi criado em 1965, trinta anos depois do que vem logo antes na lista, o famoso 135, e do que vem depois na lista, o 235, ambos de 1934…

O porque disso eu ainda não descobri. Mas imagino que seja uma questão de “nomes disponíveis na lista” no momento da criação de um filme, ou outros fatores não explicados nos locais onde pesquisei. Se descobrir, atualizo aqui nesse post ;-)

Pois é. Sem complicações, sem mistérios. Mas também sem qualquer forma de tirar informações sobre o filme de seu nome.

As pessoas se habituaram a achar que esse numero que nomeia o filme tem a ver com os milímetros dele, mas não tem, Nunca teve. O maior problema foi ter virado “verdade popular” que o filme 135 tem 35mm. Aí nego começou a achar que o nome do filme era os milímetros com um 1 na frente… pô, se fosse assim, o filme 120 teria 20mm e seria menor que o 135, e é exatamente o contrário, né?

Enfim, confusão armada, tá na hora de voltar lá pro começo do século passado.

Vamos TODOS esquecer esses vícios e aprender que os nomes numéricos dos formatos de filme são SÓ, E APENAS uma ordem de criação. Uma numeração sequencial simples e banal, sem tradução, sem codificação, sem significados, ok?

Agora, vamos a aula prática. A tabela abaixo é um resumo da tabela completa de formatos já criados disponível na Wikipedia. É bem legal ver ela pra entender quando os filmes iam sendo criados, e ganhando sua numeração. Novamente, na Wikipedia tem mais detalhes, e vale à pena dar uma olhada pra entender, por exemplo, a diferença do filme “35” (primeiro da tabela) com o nosso amado “135”…

Nome Tipo Criado Cancelado
35 rolo de filme 1916 1933
101 rolo de filme 1895 1956
102 rolo de filme 1896 1933
103 rolo de filme 1896 1949
104 rolo de filme 1897 1949
105 rolo de filme 1897 1949
106 para “holders”de rolo 1898 1924
107 para “holders”de rolo 1898 1924
108 para “holders”de rolo 1898 1929
109 para “holders”de rolo 1898 1924
110 cartucho 1972 2009
(“Pocket Instamatic”)
110 para “holders”de rolo 1898 1929
(early roll film)
111 para “holders”de rolo 1898 Desconhecido
112 para “holders”de rolo 1898 1924
113 para “holders”de rolo 1898 Desconhecido
114 para “holders”de rolo 1898 Desconhecido
115 rolo de filme 1898 1949
116 rolo de filme 1899 1984
117 rolo de filme 1900 1949
118 rolo de filme 1900 1961
119 rolo de filme 1900 1940
120 rolo de filme 1901 Ainda Existente

121 rolo de filme 1902 1941
122 rolo de filme 1903 1971
123 rolo de filme 1904 1949
124 rolo de filme 1905 1961
125 rolo de filme 1905 1949
126 cartucho 1963 2008
(“Instamatic”)
126 rolo de filme 1906 1949
(early roll film)
127 rolo de filme 1912 Ainda Existente
128 rolo de filme 1912 1941
129 rolo de filme 1912 1951
130 rolo de filme 1916 1961
135 cartucho 1934 Ainda Existente
220 rolo de filme 1965 Ainda Existente
235 carretel recarregável 1934 Desconhecido
240 / APS cartucho 1996 Ainda Existente
335 stereo pairs 1952 Desconhecido
435 carretel recarregável 1934 Desconhecido
500 pacote de filme
515 pacote de filme
516 pacote de filme
518 pacote de filme
520 pacote de filme
522 pacote de filme
523 pacote de filme
541 pacote de filme
543 pacote de filme
616 rolo de filme 1931 1984
620 rolo de filme 1932 1995
828 rolo de filme 1935 1985

E ai? Muitos formatos, né? Pois é… e a explicação é simples: não existiam ampliadores, que eram as máquinas que permitiam pegar um negativo e ampliar a foto do tamanho que você quisesse. Se um negativo tinha 6’x6′, a foto “impressa” teria esse tamanho. Logo, pra tamanhos diferentes de fotos impressas, eram necessários negativos diferentes.

Mas o mais importante acho que deu pra entender: o mistério do “número do filme” é que não existe mistério. É só um número :-)

Mas pra finalizar, e tentar solucionar pelo menos uma dessas confusões, uma última informação: uma possibilidade do porque de todo mundo chamar filme 135 de 35mm: no cinema, o formato de filme mais usado DE FATO se chama 35mm (e não 135, 35, ou outro número sem sentido). Então é bem possível que alguns fotógrafos e ao mesmo tempo cinéfilos tenham começado essa confusão, misturando os dois mundos (fotografia e cinema)… Mas quem vai saber o real motivo, né? Agora já era… :-)

Update de 05/01/12: Como eu já imaginava, esse post esta gerando muita polemica. O que é bom, porque o objetivo era fazer as pessoas passarem a entender os nomes ao invés de apenas usa-los. Um dos pontos mais polêmicos é sobre o filme 135 ser chamado de 35mm mas não ter 35mm. Bom, se você chegou até aqui na sua leitura, e deu uma olhada no link da wikipedia que sugeri, já percebeu que o filme 135 tem SIM 35mm, mas não na sua medida física, e sim na área útil.

A idéia ao afirmar que “135 não tem 35mm” era chamar a atenção pro tema, ressaltando um detalhe técnico chato, mas importante pras pessoas saberem do que estão falando.

Hoje em qualquer site de fabricantes de negativos, eles mesmos chamam filme 135 de 35mm. Até a Kodak, que inventou essa nomenclatura, chama assim. Quase não se encontra mais, em pecas publicitarias ou sites, o nome 135. Logo, errado não está, e nunca esteve, já que todos enredemos do que estamos falado quando falamos de um filme fotográfico 35mm.

Logo, reforço aqui a idéia do blog como um todo: não se trata de purismo, certo e errado, sabe-tudo versus burros. Trata-se de disseminar, espalhar conhecimentos que interessados por fotografia analógica querem, nao querem saber, e alguns que nem sabem que existe, como nesse caso, ok?

Então chega de papo. Levantem da cadeira e vamos todos fotografar, que no final das contas é isso que importa! ;-)

OBS: Obrigado ao Mario Amaya e ao Fellipe Carneiro pelo apoio inestimável e pelos puxões de orelha ;-)

Quanto vale esse post pra você?
Pense nisso e, se achar justo, colabore conosco! Você pode apoiar o Queimando Filme através de doações (faça a sua aqui!), divulgando esse post para seus amigos, ou até simplesmente clicando nos banners dos anunciantes! Tudo isso ajuda o Queimando Filme a continuar postando conteúdo de qualidade para todos os amantes da fotografia analógica ;-)

comentários
 
Deixe uma resposta »

 
  • 25/08/2015 em 2:22 pm

    Oi pessoal fotografo amador ou não;
    Recentemente comecei a reformar uma maquina fotografica antiga
    brasileira (DFVasconcelos) a Kapsa pinta Vermelha e pesquisei na
    internet chegando a esse site;
    Discordo que o filme 135 tem 36mm de largura: medindo e comparando
    com um filme de cinema (Canal 100 35mm) verifiquei que tem a mesma
    largura inclusive com as perfurações laterais perfeitamente coincidentes…
    Na fotografia, o normal é o formato 24 x 36 mm mas tinha uma maquina
    que tirava 24 x 18 (aquelas de ver atravez de um monoculo). Por outro lado,
    o filme 120 tem 61 mm de largura (tira fotos 60x90mm) reamente uma codificação
    arbitraria.
    Boas fotografias para todos;
    Laercio. 2015/08/25 ter 14:18

    Responder

  • Guilherme
    09/03/2014 em 12:49 am

    Ó! que doidera! mas e quanto as full frame? as mesmas são 35mm mesmo ou são do tamanho do filme “35mm”?

    Responder

  • Semiramis
    07/01/2013 em 9:52 pm

    Muito legal este site. Adorei. Parabéns.

    Responder

  • 03/09/2012 em 1:41 pm

    Me ensinaram que 35mm era a medida da diagonal do fotograma, mas fui medir agora e deu 43mm, bah. Passei 10 anos enganado. A gente engole cada uma.

    Responder

  • Marcos Ferraz
    14/07/2012 em 3:14 pm

    André apenas para informação e caso você queira atualizar a lista, a Fujifilm era a última empresa a produzir filmes APS e encerrou a produção no final de mês de maio.

    Pelo visto minha (não tão) antiga Olympus vai de vez para aposentadoria, uma grande pena….:(

    Já a minha Smena 8M nunca trabalhou tanto… :)

    Responder

    • 16/07/2012 em 10:28 pm

      Obrigado Marcos! Vou deixar assim por enquanto porque tenho percebido que ainda tem bastante estoque desses filmes à venda “por aí”… mas vou atualizar sim! :-) Abs!

      Responder

    • 09/12/2012 em 11:29 am

      Excelente mate9ria. Prefiro que mudem as empresas. Lembro-me inculsive, de quando tinha uns 10 anos de idade (hoje estou com 46), que quando entrava numa farme1cia, num posto de combustedvel ou em uma daquelas lojas em que sf3 se vendiam tecidos, com aqueles rolos de tecidos enormes enfileirados e prf3ximos desses rolos grandes mesas. Naquela e9poca as lojas ne3o eram de departamento era loja de tecidos e ram grandes, enormes. Pois bem, entrava em um desses ambientes e pensava: Poxa vida, tudo isso sf3 pra vender reme9dios, ou combustedveis, ou tecidos???!!! . Pois e9 Nepomuceno, hoje ainda reflito sobre o que team feito as empresas para melhorar o ser humano e as suas relae7f5es uns com os outros. Adoro ser competitivo, mas sem precisar competir. Adoro ser excelente, mas sem precisar ser sozinho na exceleancia. Quer ver a extrapolae7e3o do foco da tua exposie7e3o? As faculdades: Le1 dentro te pessoa que fazem de conta que ensinam, outras fazem de conta que aprendem. Aed resolvem que todos ve3o assinar um contrato de diluie7e3o dos custos, onde plejam o tempo e quanto vai ser para adquirir um diploma, sem traumas.

      Responder

  • robi
    17/06/2012 em 2:06 am

    ola
    gostei e muito do assunto aqui tratado,
    mais me surgiu uma duvida,quando falas de conhecimentos de fotografia analogica depois de ter falado muito sobre fotografia mecanica,pois creio que saiba que a fotografia analogica nao tem nada a ver com cameras MECANICAS ou de FILME,a fotografia analogica era uma tecnica de fotografar com uma camera que registrava a foto em uma fita magnetica e depois passada pra o computador e armazenada em um disket. abraços

    Responder

    • 17/06/2012 em 8:13 am

      Opa Robi, tudo bem?

      Sim, sei disso, e esse tópico já surgiu algumas vezes aqui. O fato é que hoje fotografia analógica se tornou sinônimo de fotografia com filme. Como tantas outras de nossa língua, e de todas, é algo que se convencionou, se tornou convenção, e portanto conhecimento popular, comum. O fato de ter existido outro tipo de fotografia antes chamada de analógica ficou pra história, sendo respeitado apenas em momentos de definição técnica, enquanto que, no conhecimento popular e mundial, geografia analógica, analog photography, analogue photography, se tornaram o termo a se usar para fotografia com filme.

      Como diriam os lingüistas,as línguas são vivas…

      Responder

  • 27/03/2012 em 9:43 pm

    Saudade de filme 126… Se eu achasse compraria, pq a câmera ainda está aqui… :(

    Responder

  • carla burnato
    03/02/2012 em 12:51 pm

    hahaha fantástica essa história! Ja vi muita gente enchendo a boca pra falar 120 mm e blá blá blá!

    Responder

  • 09/01/2012 em 7:36 pm

    Legal que o nome da Holga adaptada para filme “35mm” é Holga 135BC/PC. :)

    Responder

  • 05/01/2012 em 9:41 pm

    Filme 127 ainda existe????????????

    Responder

      • Claudia Bucceroni
        27/03/2012 em 11:15 am

        Fui lá do ebay: todos os filmes estão vencidos! O pior é depois arrumar quem revela e amplia. Não temos carretel nem máscara para ampliador nesse formato. Meu pai já enfrentou esse problema lá pelos idos anos 70. Só copiavam em forma de contato. Mas os slides…
        Tenho centenas de slides 4×4 (127) tiradas pela Rollerflex Grey Baby do meu pai. Os slides são maravilhosos!

        Responder

        • 27/03/2012 em 11:23 am

          Bom, aí realmente complica. O lance é ir descobrindo/inventando gambiarras mesmo… faze máscaras de papelão, por exemplo, podem funcionar muito bem :-)

          Sobre os filmes estarem vencidos, não vejo isso como problema. Já viu as fotos do meu Flickr? 90%, sem exagero, são filmes vencidos.

          Se tiverem sido razoavelmente conservados, os filmes mantem suas propriedades por muitos, muitos anos, depois do vencimento… e mesmo quando não mantêm todas, criam variações bem intesessantes nas imagens! :-)

          Responder

  • helvio
    05/01/2012 em 4:51 pm

    Pelo que já li o filme 135 é conhecido por 35mm pelo motivo simples de que sua largura tem 35mm, só isso embora as dimensões do fotograma tenham 24x36mm.

    Responder

    • 05/01/2012 em 5:03 pm

      É isso. O quadro interno da foto parece que tem 35mm sim… Mas nomear o filme assim iria contra a lógica de todas as nomenclaturas existentes. Eu pessoalmente acredito mais na confusão com o filme de cinema.

      Mas, como eu disse no post, impossível saber qual o motivo real, se é que existe realmente um único motivo pro uso desse nome :-)

      Responder

  • 05/01/2012 em 4:49 pm

    Como sempre o blog muito bom!

    André! Pode me ajudar? Acabei de fazer uma “caquinha” aqui com um rolo de filme 35mm, digo, 135 (Rs). Deixe-me ver…como é que eu posso explicar? Bom, vamos lá, irei tentar!

    – Fui eu toda empolgada porque abriu um tempo bonito aqui no Rio, e inventei de ir pro terraço do prédio em que trabalho. Até aí uma maravilha, visão fenomenal. Fotografei, aproveitei e terminei um rolinho de filme que tinha. Papo vai, papo vem e comecei a “rebobinar” (é assim que se fala?) o filme pra colocar um novo. Aí veio a notícia triste: minha amiga disse que já tinha trocado e colocado o novo, e sem saber eu “voltei” com o filme novo, zerinho, coloquei ele todinho pra dentro. Não ficou uma película sequer do lado de fora que eu pudesse puxar e engatilhá-lo na máquina novamente.

    E agora? Perdi o filme? Ou tem jeito de puxá-lo para fora de novo?
    Sei que se eu puxar irei queimar ele com a luz e perder as primeiras fotos. Mas é melhor perder algumas fotos em vez de 36, rs.

    Help!

    Responder

    • 05/01/2012 em 5:00 pm

      Oi Bianca!

      A boa noticia é que tem sim como puxar a pontinha do filme pra fora! A má noticia é que não é tão fácil…

      Existem duas formas que conheço: uma é com uma ferramenta feita exatamente pra isso, mas q nunca vi pra vender aqui no Brasil. Outra, mais difícil e mais popular, é ir girando o centro do rolo (aquela parte mais alta que tem em cima do rolo) na direção como se você tivesse realmente querendo jogar a ponta do filme pra fora desenrolando ele. Chega uma hora que você deve sentir ele travando. É porque a ponta ficou presa na saída do carretel, e ele não consegue sair sozinho. A partir dai já vi varias dicas. Tem gente que tenta enfiar uma ponta de outro filme com cuspe, pra grudar e puxar, outros fazem o mesmo com cola, durex, papel adesivo. O conceito é: enfiar algo que ajude a ponta do filme a sair de novo puxando ele.

      Não sei se deu pra entender… Depois vou ver se acho uns tutoriais na internet e te passo, ok? :-)

      Responder

  • Nirvana.
    05/01/2012 em 4:06 pm

    Nossa, vivendo e aprendendo, não é mesmo???
    Não tinha a noção da onde que haviam surgido esses números, eu era uma das que acreditava que era 120mm e 135mm, mesmo achando que isso não fazia sentido.
    blog está incrível, como sempre!
    Abraços.

    Responder

Deixa aí seu comentário!