36comentários

Os negativos voltaram do laboratório… E agora?

por em 09/01/2012
 

Sem Titulo, por Anitta

Você tira as fotos, você manda revelar, você recebe os negativos naqueles saquinhos compridinhos que protegem os negativos… e agora? Como scanear? Como guardar? Como organizar? Qual o sentido da vida?

Pra alguns de vocês que, como eu, conviveram com a fotografia de filme durante a infância, guardar negativos em uma gaveta é quase uma tradição de família. Mas pra maioria de vocês eu sei que não é. Então vamos falar de algumas coisas básicas que você pode, ou não, já saber, ok?

Sem Titulo, por Larice Barbosa

Primeiro, uma dica sobre como receber os filmes dos laboratórios: Se você vai scanear o filme em casa, peça pra te entregarem o negativo sem cortar, em um grande rolo, enroladinho. Se eles disserem que não tem como, é mentira. Mude de lab. Pode até ser que eles não tenham aquele saquinho comprido, só em pequenos pedaços. Tudo bem, peça pra te darem avulso, porque você vai cortar o filme em casa. Ok? Então agora vamos em frente:

Esticar: Seja o que você for fazer com o negativo (scanear ou simplesmente guardar), esticar eles é a melhor opção. Pegue o rolo do filme (sem cortar), pendure uma das pontas em um lugar alto e coloque pregadores de roupa na ponta de baixo, se possível com alguma coisa pesada pra ajudar a esticar. Deixe assim por alguns dias, e depois corte pra guardar. Se seus negativos já estão cortados, e você ainda vai scanear eles, faça a mesma coisa. Só vai demorar mais. Mas se você não vai scanear, deixe assim mesmo.

293/365 {SOOC Film}, por CaioBraga

Limpar: Tirar a poeira dos seus filmes é essencial se você for digitalizá-los, por motivos óbvios, mas também é muito importante na hora de guardá-los, poiscom o tempo os grãozinhos de poeira podem grudar no filme e, daqui a 150 anos quando seus tataranetos forem pegar os negativos pra ver como era o mundo antes do ataque dos zumbis, vai estar tudo estragado. Pra limpar você precisa apenas de ar. Você pode usar qualquer coisa que sopre ar sobre os negativos e espante as poeirinhas, menos a sua boca, porque se não seus tataranetos verão, ao invés de negativos, colônias de fungos derivados das gotas de saliva que você jogou no filme na hora de limpar. Use preferencialmente uma bombinha de ar. Também evite usar panos, flanelas, e qualquer outra coisa que possa arranhar seu filme. Se quiser ter mais cuidado ainda, use luvas descartáveis pra evitar encher seu filme de impressões digitais.

Scanear: Já falamos bastante sobre a importância de se ter um scanner (aqui e aqui). Fica novamente a dica, ok?

Dona, por Marco Gomes

Dona, por Marco Gomes

Guardar: Aqui o que não falta é opção, e por isso vou dizer como EU faço. Guardo cada grupo de negativos de um mesmo rolo, devidamente embalados em seus plasticos, é claro, em um envelope de papel, e guardo esses envelopes em um container de plástico protegido da luz. Posso tanto colocar o container em um armário fechado, quanto colocar os envelopes em, por exemplo, um saco preto de lixo. A vedação da luz não precisa ser perfeita… não tem problema se entrar um pouco de luz. O mais importante na verdade vem agora: proteger contra a umidade. Coloque dentro do container algum anti-umidade, e troque-o sempre que necessário. Se o ambiente for muito úmido, coloque mais de um até. Lembre-se também de deixar tudo isso em um local onde a temperatura não seja muito alta, nem varie muito…

Sidewalk, por André Corrêa

Catalogar: Isso aqui é um negócio que ninguém lembra de fazer, até ser tarde demais e estar com todos os negativos zoneados. E é tão simples que é burrice não fazer. Quer ver? Lembra dos envelopes de papel onde estão os negativos? Simplesmente coloque numeração neles, e alguns outros dados que vão te ajudar a saber o que tem no envelope. Por exemplo:

  • Numeração: 0001, 0002, etc…
  • Local: cidade e estado onde a foto foi tirada
  • Data: pode ser só mês e ano, ou dias também.
  • Filme: Aqui, além do nome e do ISO do filme, é importante dizer se ele estava vencido, e/ou se foi revelado em revelação cruzada, no caso de cromo, se foi puxado… enfim, qualquer coisa “fora do normal”.
  • Câmera: Qual câmera usou, lentes, etc.
  • OBS: Lembre-se que essas notinhas não são pra semana que vem. Semana que vem você ainda vai estar se lembrando de tudo. Mas e daqui a cinco, dez anos, com mais de cinquenta, cem filmes armazenados? ;-)

Enfim, acho que por hoje tá bom, né? É CLARO que existem dezenas de outras formas de fazer o que falei aí em cima. Mas considerem essas dicas uma introdução ao assunto… :-)

Quanto vale esse post pra você?
Pense nisso e, se achar justo, colabore conosco! Você pode apoiar o Queimando Filme através de doações (faça a sua aqui!), divulgando esse post para seus amigos, ou até simplesmente clicando nos banners dos anunciantes! Tudo isso ajuda o Queimando Filme a continuar postando conteúdo de qualidade para todos os amantes da fotografia analógica ;-)

comentários
 
Deixe uma resposta »

 
  • Vicente
    05/08/2015 em 6:19 pm

    Caro André Correa:

    Gostei muito das suas informações para negativos, mas tenho algumas dúvidas.Mandei revelar um filme e no local da revelação me deram o filme cortado em tiras e com um só plástico pequeno e o restante junto. Fiquei muito bravo e eles falaram que não tinham nenhum. Comprei no Armarinhos Fernando “plásticos pequenos que continham adesivos de felicidades”, joguei todos fora e coloquei cada um dentro de cada saquinho.Gostaria de saber, como posso encontrar essas tiras para negativo? Outro filme me deram enrolado, coloquei em um tubo de filme e o fechei. Existe algum método melhor para guardá-lo?
    Última dúvida, tenho um negativo que está com uma pequena sujeira e quando foi revelado o filme, saiu aquela manchinha no filme. Tem algum produto específico e como devo limpá-lo.
    Grato,

    Vicente

    Responder

  • leonardoramos
    03/07/2015 em 7:29 pm

    gente eu tenho uma duvida tenho vários rolos de filme 16mm (para cinema) e não sei como guardar eles estão na geladeira em mais ou menos 13 graus qual é a melhor opção para amarzenar esses negativos

    Responder

  • Suely Ferraz de Andrade
    27/01/2014 em 2:45 pm

    Oi André
    Posso usar benzina para limpar negativos velhos ?
    Muito obrigada
    Suely

    Responder

  • Renata
    11/12/2013 em 7:45 pm

    Andre, vi uma opção de armazenamento perdida num site estrangeiroequeria saber se você sabe onde encontrar no Brasil, trata-se de um saquinho de dimensões semelhantes a a4 com os compartimentos para os negativos, você conhece algo do tipo?

    Responder

  • Agatha
    05/04/2013 em 10:44 am

    Bom dia André, levei alguns filmes de pin-hole em um laboratório e pedi que não cortasse o negativo. Quando me devolveram, veio dentro do potinho onde fica a bobina e sem o plástico protetor. Onde posso comprar esses saquinhos/plástiquinhos? Obrigada.

    Responder

  • telma
    17/03/2013 em 6:56 pm

    Boa noite :)

    Sou principiante em fotografia de filme.
    E tenho uma dúvida. não quero parecer muito burra, mas há uns dias mandei revelar 2 filmes. Só revelar os negativos para depois ver como ficaram as fotos e decidir quais quero revelar. A minha dúvida é: depois de revelados os negativos, eu posso vê-los, sem qualquer problema é luz do dia, ou à luz natural, ou em casa? não sei se me fiz entender :/

    agradeço desde já a ajuda :)

    Responder

    • 17/03/2013 em 8:01 pm

      Oi Telma! Eu respondo se você prometer que para com essa besteira de “parecer burra”, ok? ;-) É absolutamente normal alguém que nunca usou filme ficar confusa com essa coisa toda de negativo virgem, revelado, deixar no claro, no escuro… ainda mais quando está REALMENTE começando…

      Respondendo sua dúvida, o filme fotográfico só é sensível à luz enquanto ainda não foi revelado. Depois de revelado (ou seja, depois que o filme volta do laboratório) ele pode ser exposto à luz sem problemas, tá?

      Espero ter ajudado! :-D

      Bjs e boas fotos!

      Responder

  • Luiza
    20/10/2012 em 9:36 pm

    Olá André! Bom, pra começar eu gostaria de dizer que esse site é tudo de bom, rs. Estou começando a entrar no mundo da fotografia analógica agora (literalmente) e gostaria de fazer algumas perguntas gerais:

    1. Posso simplesmente comprar as tais folhas print file, cortar meus negativos em casa e guardá-los em envelopes de papel? Se sim, elas são difíceis de achar?

    2. Toda vez que eu mando digitalizar minhas fotos, eles entregam em um CD? (pergunta tosca, eu sei).

    3. Eu posso fazer tipo uma seleção de fotos de várias folhas de contato e mandar digitalizar apenas as que eu escolhi, mesmo sendo de rolos diferentes?

    Por enquanto é só, obrigada (-:

    Responder

    • 20/10/2012 em 11:16 pm

      Oi Luiza! Obrigado! :-)

      Bom, vamos lá, na ordem, respondendo suas perguntas: sim, sim, ou num pendrive, se você levar, e, finalmente, depende do lab, mas, em teoria, sim! :-D

      Bjs!

      Responder

  • debora
    31/07/2012 em 10:05 pm

    Qual scanner vc usa?

    Responder

  • Francisco
    25/06/2012 em 5:52 pm

    Olá !
    Gostei desse site, pois trabalho com fotografia a mais de 15 anos. E quero deixar um recado aqui, se possível. Na loja Openphoto que fica no portal do Morumbi é feito digitalização de negativos, slides e foto da foto .Revelações em geral.

    Responder

  • Estevão
    11/05/2012 em 5:03 pm

    Olá André
    Gostaria de saber qual sua opinião sobre estes scanners para negativos pequenos que vendem agora

    http://produto.mercadolivre.com.br/MLB-425199321-conversor-scanner-negativos-slides-fotos-brasilia-_JM

    Será que consigo escanear com qualidade?
    Obrigado e um abraço

    Responder

    • 11/05/2012 em 5:09 pm

      Olha, cara… com certeza vai conseguir boas imagens sim. Mas olha o que você NÃO vai conseguir scanear com um desses:

      – Fotos em 35mm com quadros em tamanhos diferentes do padrão, como Holga, Diana, Sprocket Rocket, outros modelos de panorâmicas novas e antigas, e que exibam os sprockets (perfurações);

      – Fotos em filmes 120;

      – Slides de família sem tirar da moldura (o que dá um trabalho do cão);

      – Fotos impressas, pra digitalizar fotos de família;

      – Fotos instantâneas, estilo Polaroid, caso deseje um dia fotografar com elas.

      Pense nisso… :-)

      Responder

  • 17/04/2012 em 6:20 pm

    André,

    qual a importância de esticar e cortar os negativos?
    Estou guardando os meus inteiros no saquinho e enrolados, é ruim?

    abraço

    Responder

    • 17/04/2012 em 6:40 pm

      Olha Guto, a importância é só a de facilitar na hora de digitalizar. Cortar inteiros no saquinho não é uma má idéia até que você compre seu próprio scanner. Aí então vale à pena cortar respeitando as medidas das máscaras do seu scanner pra fotografar o máximo de fotos por sessão…

      Enfim, em termos de preservação, problema nenhum ;-)

      Responder

  • Camilla
    28/02/2012 em 9:27 pm

    Oi, André!! Obrigada pela ajuda. Eu irei tentar desumidifica-los, para ver se resolve. hehe
    Tipo eu li o post, mas como eu sou universitária e não tenho muito dinheiro para um scanner apropriado pensei que daria para fazer em casa. kkk Acho que pelo visto terei que comprar um. Muito obrigada pela ajuda. Beijo

    Responder

    • 01/03/2012 em 12:17 pm

      Oi Camila! Minha sugestão é essa mesmo: vai guardando dinheiro pro seu scanner que você não vai se arrepender. Ou compra parcelado e vai pagando “pingadinho”;-)

      Uma coisa que ajuda é ver quanto você gasta pra digitalizar em loja hoje, e quanto custa o scanner. Dividindo um pelo outro você vai ver que, dependendo do preço da digitalização por aí, em 20 a 30 digitalizações em casa o scanner “se paga”! ;-) isso sem falar que você pode digitalizar pros amigos e ainda tirar uma graninha…heheeh!!

      Responder

  • Camilla
    27/02/2012 em 4:00 pm

    Olá, André! Tenho duas dúvidas:
    1. Fui fazer uma arrumação nas fotos antigas da família e encontrei muitos negativos fora do plástico de proteção e colados. Fui retirar um e terminou que danificou uma parte do negativo. Você sabe dizer como eu faço para descola-los? Não quero te-los que joga-los fora.
    2. Como eu faço para escanear esses negativos usando um scanner simples? Minha impressora é uma HP photosmart. Eu até tentei scannear um negativo e até que deu para ver a imagem porem ficou muito escuro.

    Adorei o seu site. *-*
    Abraço

    Responder

    • André Corrêa
      27/02/2012 em 4:20 pm

      Oi Camilla! Vamos por partes ;-)

      1. Olha, não sei… mas sei que, o primeiro passo, é pegar todos esses negativos e colocar numa caixa de plástico (tipo tupperware ou similar mesmo) com anti-mofo / anti-umidade pra tirar toda a umidade dos negativos. Assim pelo menos você interrompe a “cagada”quer tá rolando. Mas pra desfazer o que já grudou teria que ver com um especialista… talvez só de desumidificar já solte, não sei. O que acha de tentar desumidificar primeiro (leva algumas semanas!) e se não soltar te ajudo a consultar uns laboratórios?

      2. Existem váaarias gambiarras pra isso, mas fiz algumas, sempre sem sucesso, e não recomendo. Na teoria, você “só precisa” iluminar o negativo por trás enquanto ele é scaneado. Mas, na prática, não é tão simples… você já leu os posts do blog sobre scanners?

      Bjs!

      Responder

  • Américo
    13/02/2012 em 11:06 pm

    Oi André,

    Como um bom leigo, fiquei me perguntando aqui porque fazer todo esse processo de pedir o filme no rolo, esticar, cortar e guardar em envelopes, se os labs (pelo menos em Recife) já entregam esticados e cortados em pequenos envelopes plásticos.

    abraço.

    Responder

    • 14/02/2012 em 2:59 pm

      Oi Américo! É uma pergunta justíssima. Existem alguns motivos (acho que falo deles no post):
      – Se a sua câmera tirou as fotos com quadros maiores ou menores que o tradicional, o corte do laboratório pode comprometê-las;
      – Se você for digitalizar os filmes em casa, o ideal é que você corte as tiras de acordo com o tamanho das máscaras usadas no seu scanner. Assim você otimiza o processo de digitalização;

      Abs!

      Responder

  • 11/01/2012 em 2:03 pm

    oi André, a partir do meu segundo negativo, comecei a pedir para não cortarem ele, e guardo ele nos potinhos de filmes mesmo, devidamente etiquetados.
    Existe mesmo a necessidade de deixá-los esticados?
    guardar dessa forma prejudica?

    obrigada

    Responder

    • 13/01/2012 em 12:02 am

      Oi Mayara! Olha, estragar “de fato”, ele não vai (que eu saiba). Mas a longo prazo, não é legal não. Em qualquer situação em que você vá usar o negativo (ampliação analógica, digitalização, ou mesmo pra visualizar a olho nu) você vai precisar dele reto, e se quanto mais enrolado, maior aquele “efeito mola”que faz o negativo ficar todo desengonçado na sua mão, e por sua vez aumenta a chance de você meter o dedão e engordurar o coitado… enfim, fica meio atrapalhado o negócio… :-)

      Pensa nisso com carinho, e pensa em alguma forma de armazenamento que você curta e que fique em harmonia com a organização das suas coisas. Você vai encontrar uma.

      Bjs,

      Responder

  • 10/01/2012 em 9:26 pm

    Ainda bem que eu comecei a fotografar agora e vou ter como guardar todos os meus filmes de forma correta :)

    Obrigada pelas dicas, com certeza será tudo muito útil!

    Responder

  • Nirvana.
    09/01/2012 em 4:15 pm

    André, esse poste foi perfeito para mim, recebi o meu sacanner no sábado e quando fui testar, usei meus negativos mal armazenados,( quando eu comecei usar câmeras analógica não tinha a intenção de comprar um scanner) muitas fotos saíram “arranhadas”, e também acabei descobrindo como o serviço de digitalização do laboratório é mal feito!
    Enfim, vou tomar mais cuidado com os meu negativos!!
    Abraços.

    Responder

  • 09/01/2012 em 2:43 pm

    Dica maravilhosa! Já estou ficando enrolada mesmo sem ter o scanner em casa (ainda, rs), imagina quando eu tiver? Preciso por ordem! Rs!
    Adorei!
    =)

    Responder

Deixa aí seu comentário!