21comentários

Você deixaria sua câmera num banco de praça pros outros tirarem fotos? Pense de novo…

por em 19/01/2012
 

Lonely Bench, por André Corrêa

Já pensou em pegar a sua câmera digital e deixar ela num banquinho de praça, por querer, junto com um bilhete do tipo…

“Ei você! Porque não tira umas fotos com essa câmera, depois deixa ela no banquinho de novo, pra outra pessoa pegar, tirar fotos, e outra pessoa depois dessa, e outra, e outra, até o cartão encher? Aí eu volto aqui e pego a câmera, vejo as fotos, e publico como um projeto meu onde todos vocês, anônimos vão ficar famosos?”

Faz sentido? Não muito, né? Não no Brasil, e muito menos com uma câmera digital… mas e com uma câmera descartável de filme? Não sei quanto a você, mas eu faria isso (não fiz ainda por falta de tempo). Talvez não numa praça pública (afinal, ainda estamos no Brasil :-(, mas num pátio de colégio, faculdade, parque de condomínio, ou qualquer outra área com risco de roubo da câmera similar a de uma praça de, digamos Nova Iorque.

E digo isso porque foi em Nova Iorque que esse projeto realmente foi realizado no final do ano passado. Uma senhora simpática chamada Katie O`Beirne teve essa idéia de um projeto de fim de semana, deixou uma câmera descartável em um parque perto de sua casa com um bilhete parecido com esse aí de cima, mas sem a parte do cartão de memória, é claro. Depois de recolher a câmera (afinal, quem em NY roubaria uma câmera descartável de filme?! :-) e ver que as fotos tinham ficado legais, a Tia Katie decidiu continuar com o projeto, deixando mais câmeras em outros pontos da cidade, com os tais bilhetinhos.

O resultado do projeto você pode ver no tumblr “New York Shots”. Mas o lance aqui e falar do projeto, e de projetos fotográficos.

Percebeu a ironia do fato desse projeto só ter sido possível com uma câmera de filme? Pois é… se você parar pra pensar, vai ver que o fato de uma câmera de filme ser barata, “vagabunda” até pelos olhos da sociedade (e dos ladrões) de hoje em dia, vai se tocar que você, eu, todo mundo – incluindo a Tia Katie de NY – se sente bem à vontade saindo na rua com uma câmera de filme, mas não com uma digital… né? E, se você se sente mais livre com uma analógica, pode pensar em coisas mais doidas pra fazer com ela.

Sem Título, por Karina Beniacar

Deixar uma câmera num parque é apenas uma possibilidade. Trocar de câmera com seus colegas? Claro! Tirar fotos na chuva, sem proteção, pra ver como a chuva afeta a câmera, e o filme? Pode. Levar a câmera pra praia e tirar fotos numa tempestade de areia? Pode, ué… afinal, sem componentes eletrônicos* a câmera vai sofrer pouco, e depois pode ser limpa com carinho e evitar estragos. Quê mais? Olha… tudo. Tudo pode. Duvida? Pergunta pra gambiarreiros como nosso amigo e colaborador de blog Julio França, que tem um blog só sobre projetos e gambiarras! Além disso nós já falamos sobre alguns projetos aqui, aqui e aqui (já leu todos?)

Olinda!, por Leticia Viaja

O lance aqui é nos lembrarmos da liberdade que uma câmera de filme nos dá (principalmente as baratas, sejam antigas ou novas). Essa liberdade é um benefício imenso, e não devemos esquecer dele. Pra quem curte fotografia como hobby, a liberdade de poder levar a câmera pra onde quiser, usar como quiser, experimentar sem medo, não tem preço. Sério… não tem preço.

Então pense nisso. E depois conte pra gente o que vem à sua cabeça: que idéia maluca você gostaria de colocar em prática?

* Sim, eu sei que muitas analógicas têm componentes eletrônicos. Mas Dianas, Fisheyes, Trips, Pens, Holgas, e tantas outras usadas por todos nós, não têm :-)

Quanto vale esse post pra você?
Pense nisso e, se achar justo, colabore conosco! Você pode apoiar o Queimando Filme através de doações (faça a sua aqui!), divulgando esse post para seus amigos, ou até simplesmente clicando nos banners dos anunciantes! Tudo isso ajuda o Queimando Filme a continuar postando conteúdo de qualidade para todos os amantes da fotografia analógica ;-)

comentários
 
Deixe uma resposta »

 
  • Philippe Machado
    27/08/2014 em 2:57 pm

    Helena e André, a pergunta é: E ai, fizeram isso?
    Queremos ver os resultados!

    Responder

  • 30/09/2012 em 3:57 pm

    Ola! Eu possuo um podcast sobre fotografia e iria adorar saber os resultados de suas experiencias! se alguem estiver afim de compartilha-las, entre em contato comigo! o podcast eh o Sangue Suor e Foto ( http://www.sanguesuorefoto.com ).

    Um abco! e boas fotos!

    Responder

  • Vanclécio
    13/09/2012 em 5:29 pm

    Hoje a tarde deixei uma Fuji QuickSnap Super 800 descartável junto ao garrafão de água de meu setor, onde trabalho. Meu departamento ocupa algumas salas e tem um corredor no meio, então é um local reservado. O ambiente é controlado também, então estranhos não costumam circular.

    Coloquei no quadro de avisos que fica ao lado umas instruções básicas e também solicitei ao pessoal para não exagerar nas fotos, devido a limitação de exposições: 27

    Nesse caso eu já conheço todo mundo, então não terei surpresas. O principal motivo foi descontrair um pouco e fazer o pessoal utilizar uma câmera analógica. Além do registro fotográfico do momento, lógico. Sei que alguns vão ficar mais tímidos, mas deixarei a câmera lá por alguns dias.

    Vamos ver no que dá! :-) rsrsrs

    Responder

  • Laylah
    05/05/2012 em 11:22 am

    Nossa, André, dá pra fazer isso na faculdade. Colocar no banco do corredor (que é aberto). O problema é se tiver um querendo tirar 10 fotos e o outro 15! Hahahaha… preciso de uma máquina descartável. ;)
    A ideia é muito boa, vou tentar colocar em prática!

    Responder

  • 01/04/2012 em 10:01 pm

    Eu vou fazer isso esse mês na PUC! Volta aqui pra mostrar a vocês se tudo der certo.

    Responder

  • Ricardo de Castro
    28/02/2012 em 10:09 am

    A Idéia é interessantissíma, mas como o nosso investimento e risco é alto fica quase inviável. Eu gostaria de colocar uma cabine de fotos em uma avenida tipo Paulista onde cada pessoa possa fazer seu retrato e de quebra ganha uma impressa na hora, tudo no automático os arquivos seriam para um banco com o Retrato do brasileiro.

    Responder

  • 01/02/2012 em 4:36 pm

    Deveriamos partir para um projeto mais ousado. One camera per person.

    Responder

  • 31/01/2012 em 10:02 pm

    e se escrever no bilhete. ‘ah… e tu está sendo filmado, sorria’ :p

    Responder

  • 20/01/2012 em 10:28 pm

    Salve André!

    Eu participava de uma comunidade de filme no Orkut que teve uma idéia parecida com essa idéia da Helena, mas com uma Trip (obviamente tem que ser um grupo de pessoas razoavelmente confiável, mas com uma descartável não tem tanto problema).

    Era assim:

    Carregou-se uma Trip com filme de 36 exposições e mandava pra alguém de uma lista. Essa pessoa recebia a câmera, tirava uma ou duas fotos e mandava pra próxima e assim sucessivamente, até esgotar o filme. Daí era enviada de volta pro dono, ele revelava, escaneava e colocava num site. Não sei mais que fim levou o projeto nem se ele foi terminado, mas era deveras interessante. Será que rola fazer aqui? :)

    Responder

    • 20/01/2012 em 11:02 pm

      Opa Sato!

      Tem um fotografo, blogueiro e podcasteiro americano chamado Ted Forbes (dono do podcast The Art of Photography) que tá fazendo isso com umas Holgas que tão dando a volta pelo mundo.

      Mas a ideia ai alem da fotografia. Tem um pessoal que faz isso com cadernos de desenho Moleskine!

      Gostei muito da idéia, e tive uma idéia aqui de como montar esse projeto. Aguarde… ;-)

      Responder

  • 20/01/2012 em 10:07 am

    Câmera descartável em casamento! Espalhar uma em cada mesa e ver o que dá no final…principalmente se você tem muitos amigos fotógrafos.

    E deixar uma câmera de filme impede que as fotos sejam descartadas, ninguém apaga!

    Responder

  • 19/01/2012 em 4:31 pm

    Poxa, eu já ia responder que até de ônibus eu tenho medo de andar com as câmeras na bolsa! KKK Ainda mais em um banco de praça! Se bem que, o meu caso não é comparação, além de morar no Brasil, estou no Rio de Janeiro ainda por cima, hehehe, aqui o ladrão te rouba e você diz “muito obrigado”. Mas a idéia é muito legal mesmo. Já senti a liberdade com a minha fisheye. Pensei que se o ladrão a visse ele ia dizer “isso?” e iria ignorá-la, rs.
    Caraca, que legal a idéia da maternidade hein? Muito legal!

    Responder

  • Andressa
    19/01/2012 em 12:41 pm

    Quando li teu post lembrei que já tinha visto um vídeo com essa mesma ideia: http://www.youtube.com/watch?v=k60qcWsake0
    Muito bom ^_^’ Eu gostei muito da ideia, mas COM CERTEZA eu não deixaria minha Holga num banco de praça… AEHUHAEHU
    Abraço.

    Responder

  • Helena Veronese
    19/01/2012 em 12:28 pm

    Eu gosto da idéia. Acho q no no dia q a gente tiver filho, podemos dar uma camera descartavel de presente para quem for visitar na maternidade. Aí a pessoa tira fotos, devolve, e a gente monta um álbum sobre o que a galera fez no dia que bebê Veronese Correa veio ao mundo. Que tal? :)

    Responder

Deixa aí seu comentário!