26comentários

Kodachrome: o filme, a lenda, o mito.

por em 02/02/2012
 

O fotógrafo Steve McCurry e sua foto mais famosa, feita com Kodachrome.

Imagine que você é um pintor, que usa sempre um certo conjunto de tintas de cores únicas.. “aquele” azul, “aquele” amarelo ouro… agora imagine que a fábrica que faz essa tinta resolve parar de fabricá-la. Ou imagine-se um cozinheiro que usa sempre um determinado tempero, que faz seus pratos serem reconhecidos por todos, e de repente esse tempero não existe mais…

Agora imagine-se um fotógrafo que usa sempre um determinado tipo de filme, que traz cores únicas, contraste fantástico, texturas riquíssimas, detalhes acima do normal. Quase todo seu trabalho foi feito com esse filme, e você não sabe viver sem ele. E então ele para de ser fabricado. Triste né?

Pra muitos fotógrafos, durante muitas décadas, um filme foi sinônimo de filme cromo/slide: Kodachrome. Esse filme começou a ser fabricado pela Kodak em 1935, e foi ganhando terreno até se tornar o preferido de fotógrafos profissionais, ao mesmo tempo que invadia casas de família na forma de filmes de câmeras caseiras de filmagem e de fotografia.

O filme se destacava devido às características de suas cores e contrastes, únicos pra época do lançamento, e até hoje incríveis de se ver. A melhor forma de entender é ver as fotos feitas com ele. Por isso o final desse post está cheio de links.

Mais uma da dupla McCurry e Kodachrome.

Durante quase 70 anos o Kodachrome reinou absoluto. Mas nos anos 90 começou a desaparecer, devido ao alto custo de revelação. Ele usava um processo único, complicado e bastante caro, que se tornou inviável com o tempo.

Em 2010 o fotógrafo Steve McCurry recebeu, a seu pedido, o último rolo fabricado de Kodachrome, pra fazer uma série memorável de fotos que entraram pra história como “O último rolo de Kodachrome”. Esse último rolo, por sua vez, foi revelado no último laboratório a manter o equipamento pra revelação no processo K-14, exclusivo pro Kodachrome. Durante o ano de 2010 muito foi falado sobre esse último rolo, muito foi escrito, e o adeus foi dado. Mas, pra alegria de todos, as fotos estão aí, pra todos verem, e assim estarão por muitos e muitos anos.

Aí embaixo você vai poder ver alguns videos e sites que mostram a beleza e a magia desse filme que, se antes era um ícone da fotografia, agora é uma lenda.

Não é Photoshop. As cores, contrastes e texturas dessa foto são mérito do Kodachrome.

1. The End of an Era: Página oficial do fotógrafo Steve McCurry onde ele mostra as fotos feitas com o último rolo, falando um pouco sobre a história de cada foto.

2. The Last Roll of Kodachrome: Matéria da revista Vanity Fair sobre o famoso último rolo. Excelente pra entender tudo que rolou por trás das fotos em questão.

3. Kodachrome 2010: Video que mostra o último laboratório do mundo a revelar Kodachrome. Mesmo que não tenha paciência pra ver o video intero, veja os primeiros minutos. A introdução conta a história do filme, e os primeiros minutos já deixam clara a incrível complexidade do processo de revelação comparada, por exemplo, ao processo de revelação de um filme pb, que pode ser feita em casa.

http://www.vimeo.com/22543258 w=500&h=281]

Se você gostou, e quer ver mais, basta procurar por “Kodachrome” no Google. Os fãs são muitos, as fotos são milhares, e o legado é eterno.

Quanto vale esse post pra você?
Pense nisso e, se achar justo, colabore conosco! Você pode apoiar o Queimando Filme através de doações (faça a sua aqui!), divulgando esse post para seus amigos, ou até simplesmente clicando nos banners dos anunciantes! Tudo isso ajuda o Queimando Filme a continuar postando conteúdo de qualidade para todos os amantes da fotografia analógica ;-)

comentários
 
Deixe uma resposta »

 
  • 02/08/2015 em 1:13 pm

    Existe algum lugar no Brasil que ainda revela K-14?

    Responder

  • Valéria Arm
    08/08/2014 em 6:25 am

    Esse filme é memorável! <3

    Responder

  • Dori Silva
    05/02/2012 em 11:48 pm

    1 – A Menina Afegã e Mona Lisa sempre foram minhas musas.
    Não tive oportunidade ver ver a esposição em SP. que pena.

    2 – Sebastiao Salgado e Steve McCurry sempre foram referencias pelas fotos de pessoas em seus ambientes.

    3 – Com 50 e pouquinho anos, tive oportunidade de aprender a fotografar com os bons filmes analogicos. Tive ate um laboratorio preto e branco para brincar com os magnificos Ilfords.
    Nunca tive a oportunidade de usar o Kodachrome por terem que ter tratamento refrigerado na guarda, processo demorado de revelação além de serem caríssimos. A grana era muito curta (era?). No entanto, sempre gostei mais do coloridos dos filmes da Fuji.

    4 – Não conhecia o site. Encontrei por estar na pagina de um amigo no Facebook. Vou voltar sempre.

    Obrigado pela oportunidade e sucesso na empreitada

    Dori

    Responder

  • Pedro
    04/02/2012 em 3:08 pm

    Poxa cara, obrigado por isso.. que post lindo (:

    Responder

  • Nirvana.
    03/02/2012 em 12:00 pm

    Excelente matéria André!!
    É triste ler um post assim, principalmente após a notícia do declínio do império Kodak.
    Infelizmente não tive a oportunidade de conhecer esse filme, que cores lindas, não apenas do filme fotográfico mas o para Super 8 também!!!
    Eu vi um pouco do vídeo, realmente o processo de revelação desse filme era bem
    complexo!
    Também adoreiiii o trabalho do McCurry, apenas conhecia a sua foto mais famoso(que sempre me encantou), e não sabia quem era o grande autor!!
    Enfim, o blog está maravilhoso como, como sempre ;)
    Abraços.
    P.S: Adorei a música “Kodachrome”

    Responder

  • Renato Urbanick
    02/02/2012 em 10:06 pm

    Chega a ser emocionante a história desse filme, o que me deixa mais triste é que nunca tive e acho que nunca terei a oportunidade de fotografar com ele. Tem até uma musiquinha :P http://www.youtube.com/watch?v=QXZTBu_3ioI

    Responder

    • 02/02/2012 em 10:52 pm

      Que barato, Renato! Não conhecia essa musica não, apesar de conhecer bem Simon & Garfunkel! :-) Achei a letra… ela retrata bem a importância do filme em uma geração inteira…

      Kodachrome
      Simon And Garfunkel

      When I think back on all the crap I’ve learned in high school
      It’s a wonder I can think at all
      Though my lack of education hasn’t hurt me much
      I can read the writings on the walls

      Chorus:

      Kodachrome, they give us those nice bright colours
      They give us the greens of summers
      Makes you think all the world’s a sunny day, oh yeah
      I got a Nikon camera, I love to take a photograph
      So mama don’t take my Kodachrome away
      If you took all the girls I knew when I was single
      Brought ‘em all together for one night
      I know they’d never match my sweet imagination
      Everything looks worse in black and white

      Chorus

      Mama don’t take my Kodachrome away, mama don’t take my Kodachrome away
      Mama don’t take my Kodachrome away
      Mama don’t take my Kodachrome, mama don’t take my Kodachrome
      Mama don’t take my Kodachrome away
      Mama don’t take my Kodachrome and leave your boy so far from home
      Mama don’t take my Kodachrome away
      Mama don’t take my Kodachrome, whew whew, mama don’t take my Kodachrome away

      Responder

    • 03/02/2012 em 12:01 am

      Caraca….de onde vc tirou isso???

      Adoro as músicas deles, mas, assim como o André, nunca tinha ouvido essa.

      Bem legal

      Responder

  • 02/02/2012 em 3:59 pm

    mano da até vontade de chorar…

    Responder

  • 02/02/2012 em 2:47 pm

    Consegui ver de perto esse “O último rolo de Kodachrome” fantastico o cara é d+!

    Responder

  • 02/02/2012 em 1:11 pm

    Sobre o filme, só posso dizer que sinto muito por não ter conhecido pessoalmente. Uma professora da faculdade disse ter uns 30 guardados na geladeira desde os anos 90, mas não usa, nem vende, nem empresta, nem nada…sei lá o que ela tem na cabeça.

    Já a respeito do Steve McCurry, o que falar? Bem, sou fã dele antes mesmo de saber que ele existia (Hã?). Um dos meus hobbies de infância era colecionar revistas National Geografic, muito mais pelas imagens que pelas reportagens.

    Acontece que várias das fotos daquela época (80-90’s) eram de McCurry, inclusive a famosa garota afegã, que é só 1 ano mais nova que eu (a foto), mas mesmo assim é republicada na National até hoje.

    Depois de velho (mas nem tanto), assisti a uma edição do Dossiê Globo News cujo entrevistado era esse carequinha aí de cima. Foi assim que descobri que ele era aquele cara que me encantava quando criança.

    Pra quem não viu, seguem os links do Dossiê:

    Parte 1: http://www.youtube.com/watch?v=tV7gLwdWI1E
    Parte 2: http://www.youtube.com/watch?v=GOCcEr3XxEw&feature=related
    Parte 3: http://www.youtube.com/watch?v=AK8-hKeNZUs&feature=related

    André, esse cara merece um post heim.

    Responder

    • Julio Chrisostomo
      02/02/2012 em 9:13 pm

      Quando comecei a estudar fotografia, Steve McCurry foi uns dos primeiros fotografos que me chamou a atenção e até hoje é um dos meus favoritos. E quando vi que foi aberta a exposição no Tomie Otake fui logo na primeira semana e pude conhecer algumas fotos que não conhecia.

      Samuel, obrigado pelos links do dossiê, já estou assistindo! ;)

      Responder

Deixa aí seu comentário!