30comentários

Campanha Update! Veja o que já rolou na campanha “Quero Sua Câmera Velha”…

por em 19/03/2012
 

A lindíssima Canonet QL 17, com lente f/1.7 (UAU!) que a Carol conseguiu através da campanha...

E lá se vão mais de duas semanas desde que me deu a louca de lançar a campanha “Eu quero a câmera que está pegando poeira no fundo do seu armário!”, também conhecida, pra economizar caracteres, de “Quero Sua Câmera Velha”. A campanha foi lançada no dia 4 de março, nesse post, e logo depois ganhou uma página especial aqui no site.

Mas o que já aconteceu de legal com quem participou da campanha? Vamos ver algumas historinhas… ;-)

Vamos começar com uma felizarda que ganhou a câmera que é meu sonho de consumo. A Carol Rodrigues fez o básico, e se deu bem.

Compartilhei um dos posters da campanha no meu facebook e uma amiga me perguntou se era sério, se eu queria mesmo, pq ela tinha uma câmera velha em casa e poderia me dar. No dia seguinte veio ela com essa Canonzinha linda (nada mais perfeito, pq eu sou canonzeira de carteirinha) e ficou surpresa com o escândalo que eu fiz em minha euforia.”

Escândalo mais do que justificado. Acontece que a “câmera velha” era uma Canonet QL 17.

Anúncio de revista da QL 17...

Ok, uma pausa aqui pra um pouco de história, porque vale à pena. As Canonet, pra quem não sabe, foram lançadas pela Canon na década de 1960 como a primeira tentativa de entrar no mercado de câmeras intermediarias “rangefinder”. São câmeras conhecidas por sua alta qualidade e valor histórico, já que ela foi inovadora em sua época. Nenhuma concorrente da Canon achava que havia mercado pra uma câmera que não era nem profissional, nem pras “pessoas comuns”, mas sim um meio termo. E quebraram a cara. Os estoques iniciais foram esgotados apenas DUAS HORAS depois das vendas começarem (parece até iPhone novo, né? ;-), e mais de um milhão de Canonets foram vendidas nos dois anos seguintes. Elas foram fabricadas até os anos 1970, e até hoje são desejadas por doentes como eu fãs de câmeras analógicas.

Zenit 122 igual a que o Fabrício conseguiu...

Ok, voltando. Se a Carol conseguiu essa jóia (se quiser vender, tô aqui, hein?), o Fabrício Britto, que também não fez mais do que divulgar os nossos cartazes pelo Facebookconseguiu uma quantidade assustadora de doações.

Foram aparecendo as câmeras: uma Zenit 122 toda conservadinha, uma de marca Olympia (nunca tinha visto). Uma Yashica YK-35, uma Yashica YK (antigona com flash e maletinha). Uma yashica MG-Moto azulzinha (filé).”

Mas as aventuras do Fabrício não param por aí. Até máquinas com alto valor afetivo ele tá recebendo. “Vou receber uma Olympus Trip que foi comprada com o primeiro salário de uma colega de trabalho. Ela disse que está novinha com flash e etc…estou aguardando ansioso essa camera.”

Falando em valor afetivo, recebemos também sugestões bem legais, como a do Max Barroso:

“Poderia haver um retorno para as pessoas que doaram as cameras. Todas as fotos tiradas com as cameras seriam enviadas para o antigo dono da máquina. Assim ele saberia que a máquina está em boas mãos e sendo usada.”

E teve ainda a Daisy, que foi além, e criou um projeto:

“Quando vi a campanha tive a seguinte sacada: Mandei um milhão de emails para amigos e agregados, com o slogan da campanha adicionando um pequeno detalhe.Que cada um que fizesse sua doação mandasse pra mim uma cartinha contando a história da maquina doada, e qual melhor foto foi tirada com ela e porque. Enfim peço que a pessoa “puxe da memória qual a lasanha de que ela se lembra!!” usando aquela analógica que está parada no armário empoeirando.”

Será que ela vai conseguir muitas histórias legais? Vamos acompanhar, é claaaro…

Esse cartaz, de Alexandre Borges, foi o mais compartilhado "likado" e comentado no Facebook...

Mas e os já famosos cartazes criados voluntáriamente e carinhosamente pra campanha pelos designers amigos? Recebemos até agora (“agora” é quando estou escrevendo esse post. E não quando você tá lendo ele, ok?) vinte e um cartazes, dos mais diversos cantos do país. Alguns, é claro, fizeram mais sucesso que os outros. Mas um, esse aí do lado, sabe-se lá porquê,  gerou, no Facebook, uns duzentos compartilhamentos, mais de 120 likes e uma tripa gigante de comentários. E mais! Nessa tripa de comentários rolaram até trocas de câmeras! Tudo isso por causa de UM gesto… quem diria, hein? :-D

Mas o projeto não acabou, não parou, na verdade mal começou. Os cartazes continuam chegando, novas pessoas começam a participar todos os dias, e sei que ainda tem muita gente pra mandar sua história pra cá, porque ainda não recebeu aquela câmera que a tia da outra cidade mandou, ou ainda tá pra começar a campanha as a preguiça tá atrapalhando.

Por isso, keep on going! Desistir nunca, render-se jamais! Sou brasileiro e não desisto nunca! E todos os slogans e frases de persistência que você pensar. Ainda existem milhares de câmeras perdidas, presas, prisioneiras de armários escuros e poeirentos. Quem vai me ajudar a libertá-las?

Espalhem a palavra, amigos e amigas! Vai que dá certo? :-D

Quanto vale esse post pra você?
Pense nisso e, se achar justo, colabore conosco! Você pode apoiar o Queimando Filme através de doações (faça a sua aqui!), divulgando esse post para seus amigos, ou até simplesmente clicando nos banners dos anunciantes! Tudo isso ajuda o Queimando Filme a continuar postando conteúdo de qualidade para todos os amantes da fotografia analógica ;-)

comentários
 
Deixe uma resposta »

 

Deixa aí seu comentário!