7comentários

Como funciona um Minilab – Parte 1: Básico do filme colorido

por em 29/03/2012
 

Como vocês já leram por aqui, o processo de revelar um filme preto e branco não tem nenhum mistério. Já o filme colorido é um pouquinho mais complicado, e acaba sendo muito mais prático fazer o processo em um Minilab, aquelas máquinas do tamanho de uma cômoda que ficam dentro das lojas de revelação em uma hora.

Para entender melhor como funciona o filme colorido, vamos dar uma olhadinha na sua estrutura:

Camadas do Filme

Camadas do Filme

A mágica do filme colorido está na prata, na verdade sais de prata, como nos filmes preto e branco. A prata, além de matar lobisomens, tem uma outra propriedade muito interessante: Ela é sensível à luz. Para fazer um filme preto e branco, só os sais de prata já bastam, mas para fazermos fotografias coloridas esses sais tem que estar misturados com um corante e com um acoplador.

Não tem muito mistério: o corante faz a prata reagir a uma determinada cor (azul, verde e vermelho, as cores primárias) e o acoplador vai se transformar num pigmento, num tipo de tinta que vai deixar o seu negativo todo colorido depois da revelação.

Curiosidade: O filme negativo é negativo porque o acoplador é da cor oposta a camada do filme. Na camada azul o acoplador é amarelo, na verde o acoplador é magenta e na vermelha o acoplador é ciano. É por isso que no negativo as cores ficam invertidas!

Ainda há duas camadinhas interessantes. Uma delas é o filtro amarelo, que não vai deixar a luz azul atrapalhar as camadas verde e vermelha do filme. Na revelação esse filtro acaba ficando transparente, e não atrapalha em nada. Por fim há uma camada anti-halo, que é uma camada escura, pra evitar que a luz entre pelo filme, atinga o fundo da câmera e seja refletida de volta, borrando a imagem.  É por causa disso que quando fazemos um redscale o filme fica menos sensível à luz.

Legal, e porque os negativos são meio alaranjados? Bem, isso é não é a cor da base do filme, mas sim por causa dos corantes usados para deixar a prata sensível as cores, e como cada filme tem uma receita diferente, o esse tom alaranjado também varia. Mas não se preocupe, na hora de ampliar a foto existe um filtro na máquina que compensa essa diferença!

Por hoje é só. Em breve mais um post continuando essa historinha…

Quanto vale esse post pra você?
Pense nisso e, se achar justo, colabore conosco! Você pode apoiar o Queimando Filme através de doações (faça a sua aqui!), divulgando esse post para seus amigos, ou até simplesmente clicando nos banners dos anunciantes! Tudo isso ajuda o Queimando Filme a continuar postando conteúdo de qualidade para todos os amantes da fotografia analógica ;-)

comentários
 
Deixe uma resposta »

 
  • 30/08/2012 em 10:28 am

    Na verdade, esse alaranjado do filme colorido nao serve para tornar a prata sensivel as cores. O filme colorido e’ alaranjado, diferente do P&B, por que ele contem uma mascara nas camadas sensiveis ao verde (amarelo) e vermelho (laranja) que protege o filme de aberracoes cromaticas na hora da revelacao dos corantes.

    Pouca mascara traz um filme colorido com aberracoes. O que seria isso? Um verde meio azulado, um amarelo meio queimado, etc.
    Mascara demais, traz um filme sem saturacao, com os tons mais fortes reduzidos consideravelmente.

    Responder

  • 29/03/2012 em 2:10 pm

    quero depois a explicação referente aos diapositivos! e sua revelação haushauhsuahs

    Responder

Deixa aí seu comentário!