0comentários

Como funciona um Minilab – Parte 3: A Máquina

por em 04/04/2012
 

Agora que você já sabe como um filme colorido funciona e como é que os químicos agem na revelação, vamos ver como isso funciona na máquina.

No laboratório existem duas máquinas: Uma grande, normalmente com um monitor ou uma tela, alguns botões para ajuste, e o que normalmente ficamos olhando: Uma abertura na parte de cima que “cospe” as fotos prontas. Essa máquina é a impressora, que transforma os negativos (ou fotos digitais) em papel.

A outra máquina, que vamos falar hoje, é menorzinha, normalmente fica num cantinho e ninguém liga muito pra ela: A processadora de filmes.

Essa máquina faz automaticamente todo o processo de revelação. O técnico coloca o filme num guia na parte da frente, e a máquina vai puxando a película por uma espécie de esteira, passando por dentro de vários tanques contendo os produtos químicos.

Mas não é só isso! Para a revelação ser perfeita, várias coisas precisam estar exatamente de acordo com os parâmetros. Quem já viu o post sobre a revelação de preto e branco já deve estar desconfiado do que são esses parâmetros:

  • Temperatura: Para funcionar bem, cada produto químico precisa estar a uma temperatura pré determinada. A máquina conta com termômetros e aquecedores e ventoinhas que elevam ou abaixam a temperatura dos líquidos até o ponto exato. Esquentar não é problema, mas como a máquina só tem ventoinhas para resfriar, as salas onde essas máquinas ficam precisam de um ar condicionado ligado até o talo!
  • Tempo: O tempo em que o negativo fica em contato com cada químico é regulado de uma forma bem simples: O tamanho de cada volta dentro da máquina. Quanto maior a volta que o filme mais, mais tempo ele passa no banho químico. Na primeira ilustração dá pra ver bem essa diferença.
  • Concentração dos produtos: Cada vez que revelamos um filme, os produtos “gastam” um pouco, precisando ser repostos. A processadora de filmes calcula esse gasto de acordo com o tipo de filme e a quantidade que foi revelada e repõe o produto a partir de um reservatório. Também existe uma bomba que força esses líquidos a circular constantemente, para que estejam sempre bem misturados.

E como a máquina sabe que tipo de filme foi carregado, para calcular esses parâmetros todos? Fácil! Já reparou que todo rolinho de filme tem um código de barras perto da abertura de onde o filme sai? Esse código de barras serve para a processadora de filmes identificar o que está sendo colocado nela. Na falta desse código, o operador pode digitar manualmente também, no painel da máquina.

Depois que o filme passa por todos esse banhos, a última etapa sopra um jato de ar quente, parecido com um secador de cabelos, e solta o filme do lado de fora da máquina, pronto para entregar para o você, escanear, ou imprimir.

Quanto vale esse post pra você?
Pense nisso e, se achar justo, colabore conosco! Você pode apoiar o Queimando Filme através de doações (faça a sua aqui!), divulgando esse post para seus amigos, ou até simplesmente clicando nos banners dos anunciantes! Tudo isso ajuda o Queimando Filme a continuar postando conteúdo de qualidade para todos os amantes da fotografia analógica ;-)

Seja o primeiro a comentar!
 
Deixe uma resposta »

 

Deixa aí seu comentário!