12comentários

Alguns (poucos) motivos do porque Leicas serem tão caras…

por em 18/05/2012
 

A Leica mais cara...DO MUNDO... (imagine essa frase com a voz do narrador dos comerciais da Hyundai...)

Na semana passada uma câmera Leica O-Series, que foi produzida em 1923 e tem apenas doze exemplares restantes no mundo, foi vendida por pouco mais de dois milhões e meio de dólares. Essa venda trouxe de volta um veeeeelho debate: porque as Leicas são tão caras.

Bom primeiro vamos separar as bananas das laranjas. ESSA Leica não foi vendida como uma câmera, pra ser usada como uma câmera. Foi vendida como peça de colecionador, como raridade… como arte. Então o valor dela não tem nada a ver* com o valor atual das Leicas, do que vamos falar agora, ok?

Tá. Mas aí, dias depois, bombou na internet o video (abaixo) da confecção da edição especial Hermès da M9-P, sempre com um título que dizia algo do tipo “é por isso que as Leicas são caras”. Não viu o video ainda? Então veja antes de continuar:

Mas véi, mano, dude, rapá, camarada… essa é só uma amostra do cuidado que eles tomam com as câmeras mais caras deles. E é a mais pura verdade. Mas e as outras? E as point and shoot que nem é a Leica que fabrica (ela só encomenda pra Panasonic e revende com a marca dela)? Todas são a mesma coisa?

Vamos aqui falar sobre porque as Leicas “modernas” (dos últimos 30 anos, digamos) são caras, porque só me sinto capacitado pra julgar e falar de coisas que entendo um pouco. Mas vamos apenas dar alguns exemplos, ok? Nem de longe tenho a pretensão de julgar ou estabelecer os parâmetros que definem o preço de uma Leica. Duvido inclusive que o Vice Presidente de Marketing da Leica saiba… mas vamos em frente:

  • Qualidade e tradicionalismo: pros ligados nos motivos racionais, taí o que vocês queriam: As Leicas top de linha custam caro porque tem uma qualidade absurdamente alta em sua construção. Têm a melhor ótica, uma qualidade de engenharia única (e patenteada), e usa só materiais muito, muito caros. Mas a coisa vai além. Existe uma piada que diz que pras Leicas custarem tão caras, deve, se feitas por monges cegos em um mosteiro no alto do Himalaia com ferramentas rústicas e tal… bom. Não chega a tanto, mas a fabricação é bem, BEM artesanal… e isso aumenta a qualidade, assim como acontece com outros produtos caros e artesanais, como carros de luxo.Um video que mostra bem isso é o da fabricação das lentes. Não tem monges, mas tem uns velhinhos siniiistros na arte de fazer lentes…:-) E repara o quanto do processo é manual!

    [vimeo http://vimeo.com/26251829]

  •  Experiência do usuário:As Leicas mais famosas são todas rangefinders (já falamos sobre elas aqui e aqui). E, pra muitos, esse é o melhor tipo de câmera que existe. E pra falar sobre isso, encontrei esse excelente video do pessoal da DigitalRev, que fala exatamente porque uma Leica é uma Leica…http://www.youtube.com/watch?v=Ykuy4qYip1U]
  •  Fetiche da marca: Bom. E se você acha que, com tudo isso, uma Leica ainda não vale o quanto custa… você está CERTOOOOO! :-D O valor de marca é algo que está no DNA da cultura em que vivemos, e não dá pra fingir que conseguimos viver sem ela. Então nem vamos entrar nesse mérito, ok? Mas esse é o motivo menos justo mas mais real pra câmeras da Leica custarem tanto. Em câmeras top de linha eu diria que o valor da marca não afeta nem 15% do valor final. Mas em câmeras simples, fabricadas pela Panasonic para a Leica, como as point and shoot da marca, eu chutaria que a marca é responsável por até 50% do valor que se paga. Mas é assim mesmo. Sabe quando você comprou aquela câmera da Lomography e passou a se sentir parte de um grupo? Então… é a mesmíssima coisa!Só que, digamos, com mais custos e mais benefícios. E se for uma Leica Hermès então! Você não está fazendo parte de um, mas sim de dois clubes, duas tribos, exclusivíssimas!Bom… a essa hora você já está se coçando pra discordar, concordar, acrescentar e dizer “quero a minha também”, né? Então eu paro por aqui, e a gente continua o papo (furadíssimo) nos comentários desse post, combinado? Espero vocês, e suas opiniões, por lá! :-)

* na verdade tem um pouco a ver. Se fosse uma Yashica produzida em 1923 e com apenas 12 unidades existentes hoje, dificilmente alcançaria essa quantia :-) Mas você entendeu o que eu quis dizer, né? :-)

Quanto vale esse post pra você?
Pense nisso e, se achar justo, colabore conosco! Você pode apoiar o Queimando Filme através de doações (faça a sua aqui!), divulgando esse post para seus amigos, ou até simplesmente clicando nos banners dos anunciantes! Tudo isso ajuda o Queimando Filme a continuar postando conteúdo de qualidade para todos os amantes da fotografia analógica ;-)

comentários
 
Deixe uma resposta »

 
  • 25/07/2012 em 7:06 pm

    Eu tenho uma M3 (com uma elmar 5cm e uma elmar 9cm) e depois que comecei a usar, sinceramente, não consigo mais fotografar com outra camera.
    A experiência, a sensação, isso é o que vale na hora de fotografar – uma experiência bastante egoista.
    Lembro ainda que uma M3 comprada nos dias de hoje (ou uma lente elmar) provavelmente viveu mais que o seu comprador original e ainda é capaz de produzir imagens como esta: http://500px.com/photo/9118720

    Responder

  • 31/05/2012 em 7:11 pm

    Eu nem cogito comprar uma Leica por um simples motivo: ISO. Poderia vender meu equipo todo e comprar uma M8 + uma fixa e um flash básico, mas…..

    Tudo bem que a Leica tem até uma 50mmm f/0.95, mas de que adianta, se ela custa horrores dos horrores (pra ficar numa comparação com “equivalente”, bem mais que uma 25 0.95 Nocton pra micro quatro-terços) e eu não poderia usar essa abertura toda em muitas situações, por risco de ter algo desfocado por movimento ou erro de foco em apenas meio centímetro?
    Acho exemplar como uma Leica é feita e etc, mas quem compra uma ou compra por luxo mesmo ou porque não é muito de fotografar assuntos em movimento à noite, eu acho… eu mesmo preferiria pegar uma Fuji X100, que tem o mesmo estilo retrô, mas manda bem melhor em ISO alto.

    Responder

    • 01/06/2012 em 12:47 pm

      Estou com uma X100 a pouco tempo e confirmei o que já tinha lido de vários reviews – é uma delicia de câmera, principalmente depois que se consegue superar as “peculiaridades” dela. Uma das melhores compras que fiz nos últimos tempos.

      Sem sombra de dúvida, uma ótima parceira digital para a Minister III.

      Responder

  • 28/05/2012 em 12:40 am

    Esse tipo de equipamento e, sobretudo, esse tipo de tratamento técnico dado ao equipamento em si, deveria instigar a curiosidade científica e laborativa dos fotógrafos. Todavia, na maioria dos casos, leva o fotógrafo a uma “fetichilização” da câmera (inclusive eu). Porque será tá difícil fugir disso?

    Responder

  • Estevão
    18/05/2012 em 4:49 pm

    É, meus amigos… vale sim o quanto pesa…
    Qualidade, lenda, marca, encanto, seja o que for; os resultados e o processo de fabricação falam por si.
    Resta saber se no digital tem a mesma diferença que no analógico.

    Responder

  • Flávia
    18/05/2012 em 1:25 pm

    Mas o que é esse video da fabricação da edição Hermès??? Que coisa mais linda. Eu quero, além de tudo, a bolsa!

    Responder

  • 18/05/2012 em 1:16 pm

    a eu admiro muito em especial essa lente tem abertura f/0.95, fora que tem a relojoaria dentro de uma camera dessas… assim como gosto da montblanc mas uso bic xD tem uma coisa nela toda que é especial, mas o que conta muito é a marca (pra minha mãe nome de cachorro) linda, pode ser o social que me influencio mas eu adquiri uma paixão por elas! enfim, comprar eu não vou até porque sem dinheiro num rola,mas vou ama-la(platonicamente)

    Responder

  • Joao Pedro
    18/05/2012 em 1:09 pm

    pois é… ainda sonho em ter a minha Leica, fora que as lentes são de uns misticos cristais que esses sim acredito serem fabricados pelos tais monges e o visual delas que é lindo.

    Responder

Deixa aí seu comentário!