19comentários

Entenda as temperaturas de cor da luz em suas fotos.

por em 29/05/2012
 
Sem Titulo / Untitled

Quentinho… tipo uns 4000k a 2000k…

Pode parecer complicado, mas não é. Na verdade, temperatura de cor é uma daquelas coisas que todo mundo deveria saber pra ter mais controle sobre suas fotos, como ISO, latitude, alcance dinâmico e se você já aprendeu esses lances, sabe que é tudo fácil, né? Então aprende mais essa.

Eu confesso que já tô pra escrever sobre isso a muuuito tempo. Mas sempre rolava uma dificuldade de ilustrar bem o assunto. Mas semana passada a revista Digital Camera World ouviu minhas preces e publicou um gráfico muito, mas muito legal, de graça, pra todo mundo ler, baixar, imprimir, colocar na parede ou comer com fritas e ketchup, se assim quiser. E é esse gráfico que vai guiar a gente nesse post.

Clique para ver em tamanho legível, e pra fazer o download.

Antes de tudo, #wtf é temperatura de cor? É a forma usada pra definir, e medir, a cor da luz ambiente em um determinado momento ou situacão. Toda luz tem uma cor… e se você nunca reparou nisso, preste atenção: luz de vela não é amarelada, assim como a do sol de manhã cedo e no pôr do sol? Luz florescente não é mais branca, mais azul? E a luz de um flash? Pois então, toda luz tem cor.

As luzes são chamadas de “quentes” ou “frias” de acordo com essa cor. Luzes mais vermelhas/amarelas/laranjas são mais quentes do que luzes brancas/azuladas, que são chamadas de frias.

ALERTA DE CONFUSÃO: Não confunda “cor fria” com “lâmpada fria” no sentido de temperatura real. Uma luz (de cor) fria pode estar vindo de uma fonte de luz quente em termos de temperatura Celsius, como uma lâmpada branca, ou como o sol. Assim como uma luz (de cor) quente pode estar vindo de uma fonte de luz fria ao toque, como uma lanterna LED, ou luzes de uma árvore de natal com lâmpadas vermelhas.

Ok? Ok. Voltando… a temperatura de cor das luzes é medida em Kelvin. E, na escala Kelvin, ao contrário da escala Celsius, que mede nossa temperatura do dia-a-dia, quanto maior a temperatura, mais fria ela é. [Update de 29/05, às 15:29: Ficou bem confuso… então vamos tentar de novo, com mais calma.

Tudo fica enrolado porque conhecemos como “cores quentes” as próximas do vermelho, amarelo, laranja… e como cores frias, as próximas do branco, azul, verde… mas acontece que no mundo das temperaturas de cor, a coisa é diferente.

Não sei se você já reparou, mas determinadas chamas são azuis, como do fogão, e outras são amarelas ou vermelhas, como de velas, certo? Pois bem. As chamas azuis ou brancas são mais quentes (sim, queimam mais o seu dedinho) do que as amarelas e vermelhas. Tanto que, como bem lembrou o leitor Fernando Cury, a cor da base da chama de uma vela é azul, e vai ficando mais vermelha enquanto vai se afastando do pavio (ou seja, vai se tornando mais vermelha a medida em que vai esfriando).

Logo, fontes de calor brancas e azuis são mais quentes do que fontes de calor amarelas ou vermelha, ok? Ok… quimica básica de colégio, né?

Acontece que aqui nossa amiga escala Kelvin mede a temperatura da cor da luz, e não a temperatura de um objeto. Por isso, uma lâmpada de cor fria, como conhecemos lâmpadas brancas, na verdade tem cor quente, por volta de 7000K (sete mil Kelvin) enquanto uma lâmpada de cor quente, como as amareladas, tem temperatura de cor mais fria, como uns 2000K (dois mil Kelvin) ]. Essa coisa de cores frias serem mais quentes e cores quentes terem temperatura mais fria pode parecer meio confusa, mas é só lembrar da chama de uma vela.

“Mas pra quê é que eu vou usar isso?” Na verdade, você já usa, mas não sabe, ou não percebeu. Sempre que tira uma foto, a temperatura de cor da luz dominante naquele momento é a responsável por todo o clima, todo o “mood”, todo o “tchan”, ou não, daquela foto. Talvez você nunca tenha entendido porque uma foto na praia ao meio dia fica tão… branca, enquanto que uma foto no fim da tarde, ou apenas poucas horas depois do meio-dia, fica tão fofinha alaranjada romântica… pois bem, é por causa da temperatura de cor que a luz do sol assume a cada hora do dia. Entendendo esse assunto, você vai poder entender melhor a luz daquele momento, e compor, construir melhor a sua foto.

Pois bem, entendeu? Beleza. Vamos ao infográfico. Se quiser pode clicar nele agora. Ele vai abrir em outra janela do seu navegador, então você pode continuar lendo aqui.

Sem Título / Untitled

Fria… tipo uns 8000k a 10000k

O gráfico tem três colunas. A que mais nos interessa é a primeira (da sua esquerda pra direita, com desenhinhos de sol, flash, lâmpadas), porque as outras duas são relevantes praticamente só pra fotografia digital (pra onde o gráfico foi criado, afinal de contas). A primeira coluna começa, lá embaixo com 10.000k, que é a cor de um céu perfeitamente azul. Daí o gráfico vai subindo, e a gente entende, por exemplo, que a luz do sol em pleno meio-dia tem a mesma temperatura de cor que um flash, e que lâmpadas mais fortes têm temperaturas de cor mais quentes. Até que, no final, lá no topo, a gente chega nas luzes mais amadas e mais queridas dos fotógrafos. A luz do fim de tarde, a luz de velas, enfim, as luzes amareladas, alaranjadas, suaves, que criam aquele clima acalentador e cuti-cuti que todo mundo ama.

Bom, é isso. Não falei que era simples? Agora pegue isso tudo e pense na temperatura de cor da luz como tinta pra um quadro, um desenho. Deixe esse conhecimento alí no cantinho da sua cabeça pra usar quando quiser, pra lembrar que fotos românticas ficam mais românticas no fim de tarde, e que fotos mais frias, mais mecânicas, mais urbanas, ficam legais com luzes mais frias. Use, abuse das cores, e divirta-se!

 

Quanto vale esse post pra você?
Pense nisso e, se achar justo, colabore conosco! Você pode apoiar o Queimando Filme através de doações (faça a sua aqui!), divulgando esse post para seus amigos, ou até simplesmente clicando nos banners dos anunciantes! Tudo isso ajuda o Queimando Filme a continuar postando conteúdo de qualidade para todos os amantes da fotografia analógica ;-)

comentários
 
Deixe uma resposta »

 
  • 17/11/2015 em 9:53 pm

    Interessante, mas exponho um problema antigo:
    TCC equivalente de luzes próximas, como uma lâmpada LED que remontei com LEDs de 3000K e de 5500K. Qual seria a TCC equivalente? É média simples dos respectivos fluxos? Ou seja, TCCeq = (flux1 x TCC1 + flux2 x TCC2) / (flux1 + flux2).
    De “alguns” sáites e outras fontes nunca achei “luz com TCC equivalente na combinações de diversas luzes de TCC diferentes”.
    Complementando do “branco”, muita tabela divergente de banco ser 4000K, 5500K, até absurdos 3500K ou pouco menos!
    Wikipedia (https://pt.wikipedia.org/wiki/Classifica%C3%A7%C3%A3o_estelar): “O Sol não é de fato uma estrela amarela, mas tem essencialmente a cor de um Corpo negro a 5780 K, isto é, uma cor branca sem nenhum traço de amarelo, e é utilizado algumas vezes como a definição da cor branca.”
    Obs para quem não sabe: geralmente se diz “temperatura de cor”, mas o completo é acrescido o “correlata” (sigla total TCC) pois é “comparado ao Corpo Negro” pois em termos práticos não haveria um “corpo negro à 4000K, 5000K… muito menos 10000K…”
    Não é de meu interesse de fotografia em particular e sim iluminação geral. Luminotécnica fez parte do curso de Eletrotécnica (nem haviam as fluo compactas na época!). Bani lâmpadas INcanDEsCENTES em 1995 !
    Grato por exclarecimentos!

    Responder

  • Sidney.
    06/07/2015 em 3:29 pm

    Fácil,
    Quando vc diz para tua câmera que a luz está a 10.000K. ela vai vai compensar o branco, ou seja, ela vai “remover” parte do azul, para deixar a cena a 5.000, e se você já estava a 5.000, o resultado será semelhante a fotografar algo a 1.800 k dizendo para a máquina não fazer correção nenhuma, ou pense assim, vc não está dizendo para a câmera corrigir a temperatura de cor para 10.000, e sim que a luz está a 10.000 entendeu?

    Responder

  • Antonio Castro
    31/03/2015 em 8:36 pm

    Temperatura de cor que eu conheço tambem se percebe ao bater Exemplo duas chapas de ferro quanto mais bater uma contra a outra elas vão se aquecendo e mudando de cor até pegar fogo….

    Responder

  • Júlio César
    27/02/2015 em 6:55 pm

    Correto, não é química. É física.

    Responder

  • Alexandre
    04/06/2013 em 1:01 pm

    O que eu tinha entendido das temperaturas de cor é o seguinte: imagine uma barra de ferro sendo aquecida. A partir de certa temperatura, ela passa a emitir uma cor avermelhada, rubro. Conforme você vai aquecendo esta barra, esta luz vai ficando mais forte e mais “clara”, indo para o laranja, do laranja pro amarelo, até chegar num azul.

    Acho que desta forma fica mais fácil de compreender.

    Abraço!

    Responder

  • 04/06/2013 em 7:20 am

    Tive essa confusão no começo da minha faculdade de cinema, sempre ouvi falar para deixar a cor mais quente (alaranjado) ou mais fria (azulado), ai tive aula de fotografia onde dizia que o azul era o quente e o laranja era o frio… Literalmente me deu um nó na cabeça. Ai entra o uso de CTO e CTB e invente tudo do que eu sabia em questão de cor quente e fria, e percebi que nessa área todos nós sabemos isso que acabou de explicar, mas TODOS falam o inverso na prática, como “preciso da luz mais fria” (azulado)… Enfim, ainda lá no fundo, me causa revertérios este assunto haha! Mas parabéns pelo post, muito bom mesmo!

    Responder

    • 04/06/2013 em 7:22 am

      Opa Pedro! Pois é… Eu tava discutindo isso com outros professores ontem a noite, por coincidência. É de enlouquecer, mas no final da tudo certo :-)))

      Responder

      • 04/06/2013 em 12:38 pm

        Mas tem uma coisa, por exemplo, agora são exatamente 12:33, creio que a luz estaria a +- 5000K. Ok. Agora eu pego aqui uma 7D coloco la fora para fotografar alguma coisa qualquer, vou até a configuração de K no modo manual e coloco em 10000k, a luz não deveria ficar “azul” ? Porque diabos ela fica laranja? Se laranja seria fria?

        Responder

        • 04/06/2013 em 8:50 pm

          Olha eu me confundindo outra vez, isso acontece porque eu falo para camera que o branco ta azul correto? Por isso eu subo e vai pro laranja. OMG da um nó na cabeça!

          Responder

  • Miller
    03/10/2012 em 3:55 pm

    Apenas complementando o comentário do Fábio, deve-se abreviar o Kelvin com “K” maiúsculo e não minúsculo. “k” minúsculo reserva-se para o multiplicador 10³ (quilo).
    Muito bom o site!
    Miller

    Responder

  • Bianca Carvalho
    30/05/2012 em 12:04 pm

    Oi André!
    Ótima matéria. Alias, como sempre! =)
    Eu vi ontem, e acho que a vi fresquinha, assim que você carregou no site, porque estava um pouco lento. Ou era por isso, ou porque o site estava todo bonitão assim, de cara nova, recém chegado. Até tentei comentar, mas não carregou.

    Parabéns mesmo, ficou lindo!

    Sempre rio com os seus posts, eles são claros, esclarecedores, e os acho muito engraçados, você escreve como se estivesse falando com a gente e eu rio muito! =)

    Responder

  • fabio
    30/05/2012 em 1:25 am

    Vale lembrar que Kelvin não usa grau. Não se usa grau Kelvin, mas somente Kelvin.

    Responder

Deixa aí seu comentário!