1comentário

Fotografando com analógicas em viagens – Parte 2 de 3: Retratos

por em 07/06/2012
 

Este post é continuação de outro onde eu falei sobre fotografar em viagem. Pois bem, nesse outro post eu disse que iria escrever um pouco mais sobre retratos e fotos de paisagens. Hoje vamos falar dos retratos.

tá, tem efeito iPhonico sim, larga meu pé!

Tá enganado se acha que eu vou dizer que para fazer um bom retrato a luz deve vir do ângulo X, ou que a cabeça deve estar na posição Y. Fotografar em viagem está longe de ser fotografia de estúdio. Tudo acontece rápido, e você tem de trabalhar com as condições existentes no ambiente. Acima de tudo, você tem de ter noção que uma pessoa não é um poste de iluminação, nem uma cadeira. Uma pessoa tem emoções e você vai captar a emoção quando bater a foto, mesmo que aquilo que você capte seja uma emoção neutra.

Então, para evitar que o sujeito retratado fique um buraco negro desinteressante, você tem de saber bater a foto no momento certo. Isso exige observação do sujeito, ter alguma noção de previsibilidade (sabe quando uma andorinha pousa em algum lado e você fica esperando que ela volte a levantar voo para tirar a foto?) e o principal: interagir com o sujeito. Misturar-se no ambiente e deixar de ser um elementro estranho é um bom passo para que os outros coloquem a apreensão de lado e ajam naturalmente. Se soltem. Lembre-se sempre, um bom retrato é aquele que captura a essência da pessoa.

“Tá, mas então e se você quiser fotografar o sujeito desprevenido?” Não é muito diferente do que falei anteriormente. Ou você tem uma teleobjetiva e pode ficar de longe, ou então você se mistura no meio, o tempo suficiente para deixar de ser uma novidade para os outros, e aproveita o momento de distração para tirar a foto.

E agora, algumas coisas que eu, pessoalmente, acho legais de captar numa foto: os olhos.

close-up

Não é à toa que dizem que os olhos são o espelho da alma. Por exemplo nessa foto aqui, eu acho que o ponto forte é o olhar e nada mais. Sempre gosto de fotografar as pessoas dos vários locais e observar os diferentes resultados! Utilizando este mesmo exemplo, outra das coisas que gosto de fazer são close-ups. Fechar o campo o mais possível, para que a pessoa seja o único foco de atenção. E por falar em foco, o fundo desfocado é uma boa forma de garantir que nada mais tira a atenção do rosto.

Mas também gosto do oposto. Outro tipo de retratos que faço incluem o ambiente circundante. É uma boa forma de incluir na foto as tradições e cultura do local, a história da pessoa, o sítio onde vive, o que gosta, o que faz, os seus hobbies, etc.

Para terminar essa parte, além dos olhos, os nossos gestos e postura também falam por nós e podem introduzir na foto uma mensagem ou um pouco da personalidade… como na do rapazinho aí embaixo.

E agora um pouco de papo técnico: quais os melhores filmes e lentes para fazer retrato? Antes de eu responder, deixa sublinhar que é apenas a minha opinião, baseada na minha experiência e gosto pessoal, e não reflete nenhum padrão de excelência, nem é regra. Como falei ali em cima, uma coisa que gosto é o fundo desfocado, também conhecido por bokeh. Resumindo o papo sobre bokeh, ele pode depender de uma coisa (entre outras): do f-stop. Quanto menor o número, maior a abertura e melhor o bokeh. Isso faz com que as minhas lentes preferidas para os retratos sejam as chamadas lentes prime, de profundidade focal fixa, que são claras e rápidas (lembra que para fotografar na rua precisa ser rápido?). Além desse tipo de lentes permitir um bom bokeh, também vai permitir fotografar numa maior variedade de ambientes, incluindo de noite.

Quanto ao filme… curiosamente, neste post, todas as fotos são a cores, mas eu gosto mais de PB. Aliás, o primeiro post desta série tinha apenas retratos em PB. Dizem por aí que o PB destaca as pessoas… penso que existe uma maior noção de luz/sombra e podemos “brincar” mais com isso. Mas não existe nenhuma cábula de quais os melhores… tudo depende daquilo que você pretende. Se prefere filme com mais grão, menos grão, maior contraste, menor contraste. Mas tendo em conta que você tá em viagem e vai se deparar com as mais variadas situações, o melhor é levar um filme mais versátil, de ISO 400, ou 200.

E vocês? O que gostam de captar num retrato? E como?

Quanto vale esse post pra você?
Pense nisso e, se achar justo, colabore conosco! Você pode apoiar o Queimando Filme através de doações (faça a sua aqui!), divulgando esse post para seus amigos, ou até simplesmente clicando nos banners dos anunciantes! Tudo isso ajuda o Queimando Filme a continuar postando conteúdo de qualidade para todos os amantes da fotografia analógica ;-)

comentários
 
Deixe uma resposta »

 
  • flávia basssalo
    13/06/2012 em 12:51 pm

    TOTALMENTE INCRÍVEL, COMO SEMPRE ME APAIXONANDO COM O QUE EU LEIO AQUI!
    FIZ ISSO ESSE FINDS, FUI PRA PRAIA E LEVEI UM AMOR, 3 CÂMERAS E 3 ROLOS QUEIMADOS!

    Responder

Deixa aí seu comentário!