5comentários

Semana Polaroid #4: “…e se não for impossível?”

por em 05/07/2012
 

Durante a festa de fechamento da última fábrica de filmes instantâneos da Polaroid, rolou o seguinte diálogo entre um dos maiores revendedores de produtos da empresa, e um alto executivo da Polaroid:

Alto executivo da Polaroid: “Pois é… agora já era. Nem negativo existe mais. Sem negativo, nem que a gente queira, dá pra fazer as caixas de filme Polaroid. É meio que impossível.”

Revendedor: “Mas e se a gente desse um jeito…? E se não fosse impossível?”

 Alto executivo da Polaroid: “É… até existem algumas idéias, mas eu trabalho pra Polaroid. Sou pago pra fazer produtos novos, e não experiências!”

Revendedor: “E se eu contratasse você pra fazer experiências?””

Alto Executivo da Polaroid: “o_O”

E foi assim – segundo o entrevistado desse video, um dos funcionários da Impossible nos Estados Unidos – que o Impossible Project nasceu. De um papo de fim de festa entre dois experientes executivos, provavelmente cheios de cana nas idéias.

A entrevista foi dada a equipe do Projeto THIS visits, e conta ainda, com um prazer vingativo delicioso, como o cara que acabou, “porque quis”, com os filmes instantâneos que fizeram a fama da Polaroid, foi preso por corrupção anos depois.

Ele conta ainda como eles ainda tentam salvar equipamentos sucateados pela Polaroid pra fazer  formatos de filmes que ainda não fazem, e como acredita que esse projeto só deu certo porque os envolvidos estavam na Europa, e não nos Estados Unidos.

Confira essas e outras histórias nesses esclarecedores dez minutos de video, e me diga se esses caras não merecem nosso respeito…

[youtube http://www.youtube.com/watch?v=ys26c5Euyck]

Quanto vale esse post pra você?
Pense nisso e, se achar justo, colabore conosco! Você pode apoiar o Queimando Filme através de doações (faça a sua aqui!), divulgando esse post para seus amigos, ou até simplesmente clicando nos banners dos anunciantes! Tudo isso ajuda o Queimando Filme a continuar postando conteúdo de qualidade para todos os amantes da fotografia analógica ;-)

comentários
 
Deixe uma resposta »

 
  • 05/07/2012 em 2:00 pm

    A pergunta é: como a fuji faz quase a mesma coisa por 1/3 do preço com as instax?

    Responder

    • 05/07/2012 em 3:05 pm

      EXCELENTE PERGUNTA! ;-) Eu diria que existem três questões:
      1) Não é a mesma quimica. A Fuji “inventou” seu filme instantâneo bem depois da Polaroid e da Kodak, e certamente se beneficiou ao usar os concorrentes como base pra desenvolver algo mais barato.

      2) A Fuji tem seu produto e suas fórmulas patenteadas, e por isso jamais deixaria a Polaroid, ou a Impossible, produzir o mesmo produto.

      3) Um motivo que por si sí já explicaria boa parte da questão do preço: as imagens da Fuji Instax Mini, que são as que custam metade (e não 1/3, pelo que tenho visto) do preço dos impossibles, também têm metade (ou menos) do tamanho fisico… ou seja, em termos de material, 10 fotos Instax Mini equivaleriam a 4 ou 5 fotos Impossible…

      É claro que isso tudo é conclusão minha. Nunca falei com o pessoal da Fuji nem com o pessoal da Impossible sobre isso… mas parece fazer sentido, concorda? :-)

      Responder

      • 05/07/2012 em 7:32 pm

        acho que a questão do preço é mais pelo charme e hype das polaroids. Eu chutei o valor de 1/3 mas não fiz a conta completa, já que um pack da instax wide com 20 fotos sai $14.50 na BH e um com 8 fotos da impossible sai por volta de $23.

        eu comprei uma fuji justamente pelo preço, mas percebo que a camera é bem limitadinha. Creio que com uma SX-70 a brincadeira deva ser mais legal.

        Responder

        • 07/07/2012 em 6:18 pm

          Olha, eu acho que as câmeras estão sim supervalorizadas. Mas os filmes, historicamente, nunca foram (muito) baratos. Eu to procurando, mas não acho, um artigo que li falando que as caixas de filmes Polaroid nunca custaram pouco… sempre foram populares, mas sempre bem mais caras do que os filmes 135, por exemplo…

          Responder

Deixa aí seu comentário!