13comentários

Dois amigos, uma água mágica, e nasce o Revolog!

por em 24/07/2012
 

Michael, no filme 600nm

Se você for uma pessoa “antenada nas parada”, já deve ter ouvido falar de um filme “caseiro” que está começando a conquistar fãs pelo mundo. É o tal do Revolog. Na verdade, trata-se de uma família de filmes 135 (35mm) que são manipulados antes de serem usados pra produzirem, depois de revelados, efeitos bem legais (no final do post tem uma galeria com uma foto feita com cada tipo de filme).

São, atualmente, dez tipos de filmes diferentes, todos eles filmes “coloridos comuns” que trazem como diferencial algum efeito meio doido depois de revelado. Tem um com rabiscos, outro com bolinhas, outro com raios… enfim, pra todos os gostos analógicos. Eles não são tão baratos (7 euros, ou 17 reais, por um rolo de 12 poses, ou mais caro por rolos de 36 poses), mas, convenhamos, é uma parada artesanal… é claro que não ia custar o preço de um Fuji… ;-)

A Revolog foi criada por dois amigos de Viena (Sim! O mesmo lugar onde nasceram a Lomography e o Impossible Project!) e, apesar de não ter comprado nenhum deles ainda, resolvi escrever pros responsáveis pra bater um papo sobre eles, a história do filme, e o mistério que mais me assombra nos dias de hoje: porque sempre Viena?!

Michael, em uma foto feita em uma placa de vidro.

1. Quem são vocês, e porque resolveram criar e vender filmes?

Nós somos Hanna e Michael, e nos conhecemos na escola de fotografia que frequentávamos. Nós (é óbvio) sempre amamos fotografia, especialmente a analógica. O Revolog foi parte do nosso projeto final de curso. Nós queríamos tentar descobrir quais diferentes métodos de manipulação de filme existiam. Depois de experimentar um pouco percebemos que estávamos tendo ótimos resultados, e um monte de gente veio procurar a gente pra perguntar se a gente ia vender filmes. Foi aí que decidimos fundar a empresa e vender nossos filmes pela internet.

2. Qual é o mistério da água de Viena? Quero dizer, a Lomography nasceu em Viena, o Impossible Project também, e agora vocês e o Revolog. Vocês devem ter alguma poção mágica da fotografia analógica nessa terra, e eu aposto que ela está na água! Viena afinal é um paraíso da fotografia analógica, ou é tudo simples coincidência?

Hanna, também numa “chapa” feita em vidro…

Provavelmente é só coincidência, mas nós temos uma boa quantidade de boas escolas de fotografia (uma delas é a “Die Graphische” onde nós estudamos), e esse é possivelmente um dos motivos de termos tantos projetos analógicos por aqui. Mas, quem sabe… talvez seja realmente a água ;)

3. O que faz seus filmes serem tão diferentes. Quero dizer… a gente consegue ver os efeitos. Mas, sem contar seus segredos de fabricação, vocês podem nos dizer o que os fazem ser como são, e como vocês fazem isso?

Bom… a gente realmente não pode sair contando nossos segredos, mas todas essas manipulações são feitas através de processos não químicos. Existem centenas de formas de se manipular filmes, mas nós queríamos ter certeza de que nossos filmes poderiam ser revelados em qualquer laboratório do mundo, e por isso tinhamos que nos concentrar em não mexer com os químicos do processo de revelação. Os efeitos não são assim tão difíceis de se alcançar. Mas a gente levou mais de um ano pra aperfeiçoar um processo que nos permitisse uma “produção em massa” (cada efeito ainda é feito à mão).

Michael, no 460nm

Isso varia. Nós começamos bem devagar (nossa empresa existe a apenas dois anos), mas já que agora temos parceiros revendedores espalhados pelo mundo, produzimos muito mais do que antes. A média é de  uns 500 rolos por mês.

5. Vocês estão conseguindo ganhar dinheiro? Estão ficando ricos? Vocês são os responsáveis pela falência da Kodak?

Nós conseguimos sim fazer dinheiro, mas estamos longe de ficar ricos. Pra falar a verdade, sem nossos outros empregos nós não conseguiríamos manter o Revolog. A empresa consegue se sustentar e pagar suas contas, mas vai ser um longo caminho até conseguirmos ficar ricos.

Hanna, no 600nm

Nós enviamos pro mundo todo através da nossa loja online (infelizmente o correio Austríaco cobra bem caro por esses envios…) e já temos alguns clientes do Brasil. Um deles, Vitor Vieira, fez umas imagens lindas com nosso filme Kolor. Se vocês souberem de alguma loja brasileira que tenha interesse em revender nossos filmes, fiquem à vontade pra colocar eles em contato conosco ;)

7. Se eu encomendar alguns filmes, vocês me mandam um pouco da água mágica de Viena junto?

Nós adoraríamos! Mas eu desconfio que a alfândega ficaria com a água toda pra eles (e então passaríamos a ter um monte de agentes da alfândega com idéias criativas relacionadas a fotografia analógica ;))

8. Agora contem sobre outros projetos que vocês estejam desenvolvendo.

Hummm… essa é difícil. Além do Revolog, nós trabalhamos em projetos fotográficos próprios. Hanna se concentra mais em séries com filme que focam em paisagem e arquitetura, enquanto Michael está trabalhando principalmente com grandes formatos em digital com um forte foco de crítica social.

Bom, é isso, gente…eu vou comprar uns assim que conseguir uma graninha. E vocês.? E se quiserem ver mais uns exemplos de fotos feitas com esses filmes, é só colocar a palavra revolog na busca de imagens do Google e dar “enter”. Tá cheio de coisa legal com esses filmes por aí!

Quanto vale esse post pra você?
Pense nisso e, se achar justo, colabore conosco! Você pode apoiar o Queimando Filme através de doações (faça a sua aqui!), divulgando esse post para seus amigos, ou até simplesmente clicando nos banners dos anunciantes! Tudo isso ajuda o Queimando Filme a continuar postando conteúdo de qualidade para todos os amantes da fotografia analógica ;-)

comentários
 
Deixe uma resposta »

 

Deixa aí seu comentário!