3comentários

Conhecendo e entendendo o tal do fotômetro

por em 24/08/2012
 

Esse é um daqueles posts que eu tô pra escrever a meses, mas nunca paro pra escrever, porque acho que ele vai sair tão, mais tão chato, que não vale à pena. Isso porque, por ser tão importante, é complicado falar de forma resumida sobre como funciona um fotômetro. Ou você entende só como faz as setinhas irem pra um lado e pro outro, sem se preocupar com os detalhes, ou tem que se dedicar um pouco pra entender as características básicas da coisa.

Pra posts assim, só uma coisa salva: videos. Vários videos. E é isso que vamos ter hoje. Uma seleção de videos sobre fotometria e fotômetros. Como o assunto é muito técnico, organizei eles em uma ordem que fique mais legal de assistir e aprender.

O primeiro, uma video-aula de Sit Kong Sang  é o mais longo, e foca no fotômetro interno das câmeras. Vou resumir pra você o que ele fala em que parte, pra te mostrar que não é tão tedioso quanto pode parecer (apesar da voz do cara ser meio sonífera. Portanto, pegue um café. Pelo menos é em português…

Em negrito as partes que acho mais legais de você ver.

  • 0:00 a 5:15 – a evolução do fotômetro
  • 5:15 a 6:15 – como se relacionar com a fotometria
  • 6:15 a 10:40 – a fotometria dentro da câmera. Ele usa uma DSLR, mas é bom ver pra aprender como funciona nas câmeras modernas. Isso vai ajudar a entender como funciona nas antigas.
  • 10:40 a 20:20- como o fotômetro é calibrado de fábrica, e o que ele vê e o que ele não vê, superexposição e subexposição. Importantíssimo entender, pra sacar como o fotômetro funciona de fato. Mas nem tanto assim se você fotografar só como hobby…
  • 20:20 a 28:00 – exemplos práticos do uso do fotômetro, com imagens da câmera por dentro. Bem legal! Pode ser necessário ver mais de uma vez pra “pegar no tranco” tudo que é falado :-)
  • 28:00 a 37:30 – fotômetro, ISO, abertura e diafragma. Uma aula de compensação de pontos/stops/EV.
  • 35:30 até o fim – Explicação sobre EV, que define os pontos de equivalência. Legal ver pra entender, mas desnecessário “decorar”

 

E ai? Legal, né? Agora vamos então pra algumas outras coisinhas. O próximo video é do Ted Forbes, e fala um pouco do porque, e quando, usar um fotômetro de mão.

Beleza? Já deu pra entender, né? Então agora eu vou só soltar aqui mais uns videos com exemplos, ok? Praticamente todos falam a mesma coisa, mas cada um tem sempre uma coisinha diferente pra ensinar ;-)

Video do Zona da Fotografia… muito doido :-)

Quanto vale esse post pra você?
Pense nisso e, se achar justo, colabore conosco! Você pode apoiar o Queimando Filme através de doações (faça a sua aqui!), divulgando esse post para seus amigos, ou até simplesmente clicando nos banners dos anunciantes! Tudo isso ajuda o Queimando Filme a continuar postando conteúdo de qualidade para todos os amantes da fotografia analógica ;-)

comentários
 
Deixe uma resposta »

 
  • Ansel Adams
    07/06/2015 em 7:48 pm

    cara amei de mais este seu post!!!! muito bom mesmo wallew :)

    Responder

  • Nana
    12/02/2013 em 11:17 pm

    André Corrêa, primeiramente parabéns pelo site, magnífico. Conteúdo simples, bem humorado e muito bem desenvolvido.
    Sou iniciante na fotografia analógica, acabei de ver os vídeos sobre fotometria e fiquei com uma dúvida… o fotômetro que vem nas máquinas analógicas (no caso tenho uma Pentax K1000) é matricial ou pontual? Como posso verificar isto nas máquinas analógicas? Desde já, obrigada! ^^

    Responder

    • 13/02/2013 em 12:34 am

      Oi Nana! Primeiramente obrigado, em meu nome e em nome dos colaboradores do QF! ;-)

      Sobre os fotômetros, a forma de fotometria vai variar bastante de câmera pra câmera, viu… você pode descobrir lendo os manuais e/ou reviews em sites especializados como o Camerapedia e o Ken Rockwell. A K1000, pelo que vi na Wikipedia, usa uma fotometria da área toda (acho que é isso que você chamou de Matricial, que aliás me leva a crer que você usa Nikon digital, acertei? :-)

      http://en.wikipedia.org/wiki/Pentax_K1000

      Mas é importante entender que câmeras antigas como a K1000 não usam sistemas modernos como o Matricial da Nikon. Eles usavam sensores físicos de luminosidade que tiravam a média da luz refletida do objeto para a câmera, ou pontual, no caso de uma com o recurso de spot mettering.

      Responder

Deixa aí seu comentário!