5comentários

Entenda o que são os filmes de grande formato que a Impossible voltou a fabricar…

por em 28/08/2012
 

Se você é uma pessoa “antenada nas parada”, viu que na semana passada a Impossible Project anunciou que vai começar a fabricar os, até então extintos, filmes instantâneos de grande formato. Na verdade eles já estão sendo fabricados nesse momento, e estarão disponíveis para venda em 30 de agosto. Olha o que eles falam sobre o lançamento.

“Com base nos sucessos anteriores no desenvolvimento de filmes instantâneos analógicos, a Impossible conseguiu com sucesso criar um novo material para filmes usados em câmeras 8×10.”

Legal, né? Os caras não voltaram a fabricar… eles INVENTARAM uma parada nova, pra usar nas câmeras antigas! É de se admirar esse povo… eu já falei que tem alguma coisa na água de Viena

O filme Polaroid 8×10 foi lançado pela empresa em 1973, como o primeiro filme instantâneo de alta resolução já visto. Suas caracteristicas inéditas chamaram a atenção de vários fotógrafos, principalmente nos anos 1980, quando ele foi muito usado pra paisagens, fotos científicas e, é claro, publicidade. Ele reinou até a época em que ele e seus irmãos foram assassinados descontinuados por uma gestão incompetente da Polaroid, uns quatro anos atrás.

E eis que, alguns anos depois, fotos com esse novo filme da Impossible, feito com máquinas sucateadas de antigas fábricas da Polaroid, mas com químicas novas, já podem ser vistas expostas na loja da Impossible em Nova Iorque. Quando chegar às lojas, ele vai se chamar “PQ 8×10 Silver Shade”.

Pois bem. Pra entender melhor (porque eu também não tenho uma câmera de grande formato), fui perguntar pro cara que eu conheço que mais entende do assunto, o Alex Villegas. Olha o que ele disse:

Isso coloca de volta no jogo praticamente qualquer câmera 8×10… Linhof, Sinar, Calumet, Deardorff, por exemplo. O back (parte da câmera onde se coloca a “chapa” de filme instantâneo) é o mesmo do filme, o que muda é um chassi específico, que se parece muito a um chassi de filme convencional, mas a emulsão e o papel vêm separados e precisam ser “casados” com uma processadora. Existem vários tipos, de gigantonas e elétricas às manuais pequenas. Você coloca o negativo no chassi, depois coloca o chassi e o papel na processadora e ela aplica a emulsão no papel e faz a revelação e fixagem. O negativo fica imprestável depois de aplicado no papel, então é uma foto única como toda Polaroid.

Um cara que usava muito a Polaroid em 8×10 é o Paolo Roversi: nessa seleção aqui as fotos PB são praticamente todas Polaroids.

Ficou curioso sobre o tal do processo de montar o filme? Dá uma olhada nesse video aqui. Dá pra entender o que é o tal do chassis e como é que se “monta” a “chapa”…


Quanto vale esse post pra você?
Pense nisso e, se achar justo, colabore conosco! Você pode apoiar o Queimando Filme através de doações (faça a sua aqui!), divulgando esse post para seus amigos, ou até simplesmente clicando nos banners dos anunciantes! Tudo isso ajuda o Queimando Filme a continuar postando conteúdo de qualidade para todos os amantes da fotografia analógica ;-)

comentários
 
Deixe uma resposta »

 

Deixa aí seu comentário!