2comentários

Filmes incomuns: filmes no formato 220

por em 03/09/2012
 

Embalagem de um 220: indêntica a de um 120.

Tenho reparado que muita gente tem tido duvidas sobre formatos de filme diferentes dos tradicionais 135 (35mm) e 120. Então, a partir de hoje, vamos falar um pouco de formatos incomuns de filme. Eu ia chamar de formatos extintos, mas alguns não estão de fato extintos, só são raros. E os que estão extintos… bom… vai que esses filmes voltam, como o 11o voltou, né? ;-)

“Tá… mas porque eu quero saber isso?” Bom, basicamente pra tirar onda com os amigos conseguir entender um pouco mais sobre câmeras antigas na hora de comprar uma. Mas pode ser útil também pra gambiarras, projetos especiais, e principalmente pra entender a história da fotografia. Nós já falamos aqui no sobre como os filmes ganham seus nomes, sobre o filme 120, sobre o filme 110, e hoje vamos falar do 220.

[Update de 03/09/2012, às 22:15 –  Comi uma mosca fenomenal nesse post, por nunca ter usado um 220. Eu havia entendido pelas minhas pesquisas que ele não tinha nenhum papel protetor e que, por isso, tinha que ser carregado no escuro. Mas o amigo Danilo Russo, do IIF, me chamou a atenção pro erro de entendimento e cá está o texto corrigido ;-) ]

Antes de tudo, vamos nos lembrar do que aprendemos no post sobre nomes de filmes: os numeros que dão nomes aos filmes (110, 135, 120, 220…) não têm nada a ver com as dimensões (altura, largura, área útil etc) dos filmes (confuso? Leia isso). Ok? Então segue o barco.

Embalagem com 5 rolos de 220.

O filme 220  foi inventado em 1965, em uma época em que o filme 120 que conhecemos até hoje já existia a mais de 60 anos. Ele é bem parecido com o filme 120, com a única diferença que ele não tem aquele papel protetor atrás do filme. Só tem papel no começo e no final. É um rolinho igual ao de 120, só que só com filme virgem enrolado. E, como não tem o papel pra ocupar espaço, a quantidade de filme em um rolo 220 é o dobro da de um rolo 120. Ou seja, um filme 220 é um filme 120 com o dobro do tamanho, e sem papel atrás (a não ser pelos papeizinhos no começo e no fim). Simples assim.

Quer dizer… nem tão simples, né? Apesar dele poder ser carregado igual a um filme 120, ele não pode ser usado em câmeras que tenham aquela janelinha transparente (geralmente vermelha) onde se vê a numeração das poses do filme. Na verdade até dá, mas você tem que tampar aquela janelinha com uma fita ou papel escuro…

Câmera TLR (estilo Rolleyflex) com a tal janelinha vermelha pra filmes 120…

“Tá… mas aí como vou saber quantas fotos tirei, e se avancei muito, pouco ou a quantidade certa de filme pra tirar a próxima foto?” Pois é. Quando esse filme foi lançado, as câmeras pra filme 120 já estavam a mais de 60 anos no mercado, e todo mundo se fez essa pergunta. A resposta era a mesma pra pergunta feita hoje: é preciso adaptar a câmera, ou usar uma câmera preparada pra filme 220. Essas, por sua vez, são idênticas as de filme 120, mas não têm a janelinha atrás. Ao invés disso, têm um contador, igual o das câmeras 135 que você conhece bem.

Já se for adaptar uma câmera que usa filmes 120, você vai ter que procurar na internet, ou calcular você mesmo, a quantidade de voltas que vai ter que dar na alavanca/engenhoca de passar o filme, porque não vai ter como saber exatamente o quanto tem que rodar pra chegar na próxima pose. Ou então liga o foda-se relaxa e sai tirando, no chute mesmo, arriscando fazer multiplas exposições e/ou a passar demais o filme…

…e aqui uma outra SEM a janelinha, e já com contadores de poses.

Outra pequena diferença entre os filmes, mas que pouca gente dá atenção (pouca gente amadora, quero dizer… porque os profissionais têm que dar atenção a isso sim) é que, como não tem o papel por trás, o filme acaba ficando mais fino, e a placa de pressão (aquela plaquinha que firma o filme na posição certa atrás da lente” tem que ter um ajuste diferente, mais firme, pro filme não ficar frouxo.

Até onde sei, não se fabrica mais filmes em formato 220, apesar de dar pra achar alguns ainda no Ebay e em outras lojas que vendem filmes vencidos, como a FourCornerStore. E é um ótimo custo-benefício se você tiver uma câmera que seja feita pra usar filme 220, ou estiver disposto a adaptar a sua câmera 120 pra usar esse filme. Mas se você for fazer isso, preste atenção a alguns detalhes: além de ter que colocar e tirar o filme no escuro completo, o pessoal do laboratório onde você vai revelar ele precisa saber disso também, pra poderem fazer todo o processo no escuro.

No mais, é aproveitar ;-)

 

Quanto vale esse post pra você?
Pense nisso e, se achar justo, colabore conosco! Você pode apoiar o Queimando Filme através de doações (faça a sua aqui!), divulgando esse post para seus amigos, ou até simplesmente clicando nos banners dos anunciantes! Tudo isso ajuda o Queimando Filme a continuar postando conteúdo de qualidade para todos os amantes da fotografia analógica ;-)

comentários
 
Deixe uma resposta »

 
  • 03/10/2012 em 1:06 pm

    Você comentou sobre usar filmes 220 em câmeras preparadas para 120…

    E a reciproca?
    É possível utilizar filmes 120 em câmeras 220?

    Sempre quis uma câmera de fole, mas as várias vezes que encontrei um modelo em bom estado era para filmes 220 e eu acabei desistindo…

    Responder

    • 03/10/2012 em 1:15 pm

      Oi Jenifer! Que dá, dá… mas acho que, se a câmera não tiver “modos” diferenciados pra 120 e 220, a contagem da passada das fotos pode ficar pouca, ou muita… acho que vai depender da camera… :-)

      Responder

Deixa aí seu comentário!