5comentários

O filme é realmente superior ao digital?

por em 26/09/2012
 

Is Film Truly Superior to Digital?.

Na minha opinião, a resposta pra pergunta que da nome a esse post é sempre uma só: depende. Enquanto que conceitos como resolução, definição, contraste, nitidez, são tangíveis, mensuráveis e – portanto, – possíveis de serem definidos, “Superior, inferior, melhor, pior, mais qualidade, menos qualidade” são relativos, e variam dependendo da pessoa, da época, de onde ela vive, de com quem ela conversa e, principalmente, do uso que ela faz da fotografia. O único fato concreto que conheço é que são tecnologias que produzem resultados indiscutivelmente diferentes entre si.

Mas como opinião é que nem Olympus Trip: cada um tem a sua, resolvi trazer hoje a opinião de uma gringa chamada Rachel Towne, criadora do site Photoluminary, que escreveu esse artigo pro site Light Stalking, e nos autorizou a traduzir e publicar esse post.

Tudo bem que a grosso modo a opinião dela não é tão diferente da minha, mas de qualquer forma em vários pontos ela é muito feliz em descrever e comparar diferenças e semelhanças entre as tecnologias, e por isso quis trazer esse post.

Mas, sem mais enrolação, vamos ao post…Fala Rachel!

Film por lisbokt, no Flickr

Desde o surgimento das câmeras digitais populares e comercialmente viáveis em 1999, surgem diariamente discussões longas e acaloradas sobre se a qualidade de imagens digitais é igual a que é produzida por um filme. Então… o filme é realmente superior ao digital? A resposta é sim… e não.

Formas nas quais o filme é superior ao digital:

* Filme possui definitivamente mais resolução do que o digital. Logo, pra confecção de impressões muito grandes, atualmente o filme é imbatível. Isso é especialmente verdade com fotos que têm muitas texturas que precisam ser preservadas, como paisagens.
* Filmes produzem “imagens de primeira geração”que são representações diretas da luz que entrou pela câmera, diferente do digital.
* Nos dias de hoje, mesmo as câmeras de filme mais avançadas são geralmente mais baratas ou têm o mesmo custo que uma DSLR mediana, e não ficarão obsoletas em apenas alguns anos.
* O alcance dinâmico dos filmes, que é a capacidade de reter detalhes em areas claras e em sombras, é maior. Além disso, filmes são muito mais adaptáveis a superexposições, e não irão estourar as áreas claras nem de longe tanto quanto uma câmera digital estouraria.
* Filmes respondem melhor a problemas sutis de foco.
* Você pode fazer dupla exposição em um filme, o que é algo que a maioria das câmeras digitais simplesmente não consegue fazer.
* Câmeras de filme não precisam nem de longe da mesma quantidade de energia pra operar, então a vida útil das baterias é muito maior do que numa digital.
* O atraso do obturador em uma analógica é significativamente menor do que em uma digital. Porém essa questão costumava ser maior do que é hoje.
* Apesar de ser uma questão puramente subjetiva, alguns fotógrafos acreditam que fotografar com filme é uma forma mais “autêntica” de fotografia. Porém, a mesma linha de pensamento existia logo que a fotografia surgiu, quando pintores reclamavam que a fotografia carecia de criatividade.

Formas nas quais o filme é inferior ao digital:

* Com o filme é necessário muito mais esforço pra se criar uma imagem.

* Impressões feitas com base em negativos são o resultado da capacidade e gostos da pessoa que faz a cópia. A não se que você tenha a possibilidade de fazer as cópias você mesmo, você vai quase sempre acabar com um resultado diferente do que pretendia. Isso pode basicamente arruinar sua imagem e torná-la  imprestável pra você. A exceção é o filme cromo/slide que é o que os fotógrafos profissionais usavam.

* Armazenar negativos e cópias, que é sempre uma tarefa trabalhosa e manual, pode acabar ocupando muito tempo de um fotógrafo.

* Apesar de ser possível digitalizar negativos e editar as imagens digitalizadas em programas como o Photoshop, sempre haverá perda na qualidade da imagem. Isso é uma verdade mesmo se você usar o scanner profissional mais caro do mercado.

* Apesar do custo inicial de uma câmera de filme ser de fato baixo, o custo contínuo de se comprar e revelar filmes soma rápidamente uma dívida considerável.

* Nenhuma gratificação imediata. Você tem que esperat at;e que o filme seja revelado pra ver suas fotos.

Agora que já passamos por várias qualidades e deficiências inerentes da fotografia com filme, vamos fazer o mesmo com o digital.

Kodak slide 1 por M0les, no Flickr

* A fotografia digital, pra maioria das aplicações, é muito mais conveniente. Você pode fazer centenas, ou até milhares de images e fazer impressões na hora. Além disso, nos dias de hoje em que compartilhamos tudo na internet, a câmera digital é a ideal.

* A gratificação imediata de se ver a foto na hora em que ela é feita é muito prazerosa pra maioria dos fotógrafos. Combinar esse aspecto da fotografia digital com a habilidade de se tirar quantas fotos quiser, já que cada foto custa nada, pode acelerar enormemente a curva de aprendizado de novos fotógrafos.

* Câmeras digitas são geralmente mais leves, e um único cartão de memória pode guardar mais fotos do que dezenas de rolos de filme.

* É muito fácil importar suas fotos pra dentro de um computador e um programa de edição como o Photoshop, e você não terá qualquer perda na qualidade como teria usando um scanner. Isso te permite ainda imprimir somente as fotos que te interessam, ao invés de ter que imprimir um rolo inteiro de fotos ruins.

* Os dados EXIF são gravados para cada foto tirada, eliminando a necessidade de se anotar tudo manualmente.

* Câmeras digitais são capazes de velocidades mais altas do que as dos filmes fotográficos (ISO), e portanto têm melhor desempenho em situações de pouca luz. Além disso, é muito fácil mudar a velocidade (ISO) em uma câmera digital, enquanto que em uma câmera de filme você tem que trocar o rolo do filme.

Nikon Buttons por foreverdigital, no Flickr

Formas nas quais o digital é inferior ao filme:

* Câmeras digitais muitas vezes fazem um péssimo trabalho ao lidar com áreas claras, podendo causar  bruscas, ao invés de suaves, fusões de áreas mais escuras pra áreas brancas.

* Enquanto são simples para filmes, longas exposições são um problema sério pras digitais. Os sensores digitais têm pequenos vazamentos que podem acabar acrescentando pequenos pontos brancos aleatórios em suas fotos de longa exposição. Além disso, longas exposições digitais podem resultar em imagens com bem mais ruido do que as com filme. Isso pode ser combatido até certo ponto usando-se a câmera em baixa temperatora. Mas isso não é bem um fator que possa ser controlado.

* Você pode perder anos de trabalho fotográfico em um computador que pife se não tiver feito backups. Muitos fotógrafos de filme perderam toda a sua obra em incêndios caseiros. mas incêndios são muito mais raros do que computadores pifados. A maioria das pessoas já teve a experiência de um computador pifando.

* Câmeras digitais são em geral mais caras do que câmeras de filme.

* A maioria das DSLRs salva imagens em formato RAW. Já que cada fabricante e cada modelo tem seu formato próprio de RAW, guardar suas fotos nesse formato provavelmente não é uma boa idéia, já que elas possivelmente não poderão ser mais lidas em algum momento. O formato JPEG, porém, é universal, e provavelmente poderá ser lido ainda por muitos anos.

Concluindo, nem filme nem digital são definitivamente “melhores”. Cada fotógrafo deve escolher qual o formato fotográfico que melhor atende às suas necessidades, seu orçamento e preferências pessoais. É, com certeza, o fotógrafo, e não o meio (filme ou digital) quem define o que é qualidade. Enquanto o filme teve seu uso reduzido de maneira significativa com a explosão da fotografia digital, ele certamente ainda tem seus usos, e não vai embora tão cedo.

 

Quanto vale esse post pra você?
Pense nisso e, se achar justo, colabore conosco! Você pode apoiar o Queimando Filme através de doações (faça a sua aqui!), divulgando esse post para seus amigos, ou até simplesmente clicando nos banners dos anunciantes! Tudo isso ajuda o Queimando Filme a continuar postando conteúdo de qualidade para todos os amantes da fotografia analógica ;-)

comentários
 
Deixe uma resposta »

 
  • Ed
    12/04/2013 em 9:20 am

    Eu estou ainda engatinhando neste universo da fotografia. Sempre me pergunto se vale a pena investir em câmeras analógicas ou digitais. Gostei do artigo, me fez perceber que posso aproveitar o melhor dos dois meios (filme ou digital). Valeu muito este post.

    Responder

  • Lucas
    03/10/2012 em 10:38 pm

    Mesmo que as extensões sumam é bem provável que continuem a existir os conversores…

    Responder

  • Fabio
    26/09/2012 em 5:46 pm

    Gostei do texto. Bem sincero, sem tender pra nenhum lado.

    Só não concordo ao que se refere a RAW e Jpg. Ambos os formatos correm o risco de desaparecer. O formato do arquivo raw por escolha da empresa (quase como as extensões .doc e .docx da ms) e o jpg por pura evolução, já que se trata de um arquivo comprimido e com perdas. Não duvido uma evolução do png, propiciando arquivos sem perdas, em tamanhos menores.

    Se for pra guardar um arquivo, prefiro que seja raw. Pelo menos posso fazer outras versões da foto, se me der vontade.

    Responder

  • Larice Barbosa
    26/09/2012 em 2:35 pm

    Boa!

    Responder

Deixa aí seu comentário!