11comentários

Belair: a Lomography e a volta das câmeras de fole…

por em 19/10/2012
 

Ilustração de uma usuária de uma antiga câmera de fole…

Pois é. Podem falar o que quiserem, mas os caras têm seus méritos. Depois de “ressuscitar” o filme 110 (e consequentemente milhares de câmeras desse formato que estavam paradas em armários e gavetas), a Lomography agora desencava um formato de câmera famoso em feirinhas e brechós de todo o mundo: as câmeras de fole de médio formato.

Você certamente já viu esse fole, essa sanfona, por aí. Nas câmeras de grande formato, em câmeras de filmes antigos e, se você gosta de feirinhas de antiguidades, em câmeras de médio formato portáteis, como essa aí ao lado. E foi em câmeras como essa, aí do lado, que a Lomography se inspirou pro seu novo lançamento.

A Lomography lançou no último dia 18 (de outubro… de 2012…), causando muita repercussão, a Belair (nome que faz um trocadilho com a palavra “bellows” que é “fole” em inglês, e serve como forma de nominar esse tipo de câmera), ou Belair 6 x 12 (fazendo referência a um dos formatos de foto que a câmera faz, o 6×12).

Trata-se de uma câmera pra filme 120, com lentes de 90 e 58mm, com diferentes formatos de imagem, e três modelos. Mais infos sobre a Belair aqui.

Uma das três versões da Lomography Belair 6×12

“Tá… mas o que é que tem de mais essa sanfona aí?” Aí é que tá… ela é uma sanfona! :-D Ou seja, ela faz a câmera encolher, ou aumentar de tamanho. Ela permite que – com uma construção relativamente simples – uma câmera fotográfica possa ser, quando fechada, duas, quatro, trocentas vezes menor do que o seu tamanho quando aberta.

Essas câmeras têm como ponto frágil exatamente o que as diferencia das outras: o fole. Nas câmeras antigas ele é de couro ou de papel, e nos dois casos o tempo é cruel e acaba sempre com um furo, um rasgo, que deixa entrar luz dentro da câmera (nem precisa dizer o estrago que isso faz, né?). Na Belair o fole é de borracha, que pode ser menos romântico, mas é mais resistente (pelo menos na teoria).

Belair com o fole fechado.

Aliás, falando em polímeros, como as demais câmeras da Lomography, o plástico é a principal matéria prima em pelo menos um dos três modelos da Belair (a preta, chamada Cityslicker), enquanto as outras duas têm (bem) mais metal, tendo apenas algumas partes em plástico. Já as lentes, pelo que deu pra apurar, são de vidro plástico, com acabamento em plástico. Mas ano que vem vai sair uma lente de vidro. Aliás, isso é outro lance legal da Belair que nem todas as antigas de fole tinham (na verdade poucas tinham): lentes intercambiáveis. Ela já vem com duas lentes, e eles estão pra lançar mais.

Enfim, é uma câmera que parece ser bem interessante e rica. Até por isso, seu preço não vai ser preço de Holga ou de Supersampler. Ela deve ficar na faixa de preço de uma LC-A ou uma Lubitel 166+, variando de R$600,00 a R$900,00 dependendo do modelo, e dependendo da cotação do dólar no momento da importação ;-)

Não, não é barato. Mas nem é pra ser. É uma câmera mais complexa do que as outras da empresa. Se a qualidade é boa? Só pegando uma pra usar. Coisa que quero fazer o quanto antes. Confesso que euzinho aqui quero uma dessas ;-P

Qualquer semelhança com a Belair NÃO é mera coincidência…

Mas se você tá em dúvida se compra ou não, pode arriscar aquela empoeirada e abandonada câmera de fole da feirinha… quem sabe ela não se torna a sua Belair particular? ;-) Eu particularmente acredito que, assim como aconteceu com as câmeras 110, as câmeras de fole vão, merecidamente, ganhar uma atenção dos amadores como nós, e sair da poeira, nos próximos meses. E isso, por si só, já vale o lançamento da Lomography. Câmeras como estas foram as “top de linha” de sua época, e foram as responsáveis por fotos de famílias felizes em todo o mundo (sim, eram câmeras amadoras, pra donos e donas de casa!). Merecem nosso respeito e nosso carinho.

Mas nem por isso são molezinha, ainda mais se comparadas a câmeras mais “modernas”, desenvolvidas nos últimos, digamos, 40 anos :-)

O leitor Sérgio Marreiro tem uma original, dessas de feirinha, e contou pra gente como é usar ela. Basicamente, é como uma TLR no que diz respeito aos comandos. É pra quem gosta de desafios…

Sérgio Marreiro e sua Zeiss Ikon…

Ela é pesada, e os controles são pequenos, daí fica dificil compor e mexer na configuração. O melhor mesmo é já ter uma configuração prevista. Mas eu comprei uma porque acho isso divertido, é como corrida com obstáculos, só que parado, enquanto tá todo mundo se divertindo e correndo, o boboca aqui tá sentando olhando pra aparentemente pro nada tentando configurar a exposição e fazer a composição.

O formato da minha é de 9×6, o maior formato que já usei. É muito legal pra quem quer se aventurar em laborátório pois permite muita manipulação.

Portanto, taí uma nova opção pra sua próxima compra de câmera: uma de fole. Seja uma Belair, mais simplificada e moderna, seja uma antiga com seus comandos clássicos e estrutura pesada, as opções são muitas. Curta essa belezinha, e boas fotos! :-)

Quanto vale esse post pra você?
Pense nisso e, se achar justo, colabore conosco! Você pode apoiar o Queimando Filme através de doações (faça a sua aqui!), divulgando esse post para seus amigos, ou até simplesmente clicando nos banners dos anunciantes! Tudo isso ajuda o Queimando Filme a continuar postando conteúdo de qualidade para todos os amantes da fotografia analógica ;-)

comentários
 
Deixe uma resposta »

 
  • Luiz Henrique
    14/09/2014 em 9:46 pm

    As Retinas são câmeras de fole, com lentes intercambiáveis…

    Responder

  • Daniel
    25/12/2012 em 3:17 am

    Oi pessoal! Cheguei a encomendar a Belair, mas desisti da compra justamente ao saber que as lentes que vem com a câmera são de plástico. As lentes de vidro foram lançadas na Europa essa semana e custam no pré-lançamento em torno de €170,00, sendo que o preço normal será de €200,00 cada! Acho que eles estão procurando atingir muito mais o público hipster do que o pessoal que curte fotografia analógica. Somando o valor da câmera (R$650,00 com frete) e de uma lente (que no Brasil deve sair em torno de R$450,00) fica mais caro do que a Lubitel. Bom, fiquei tão indignado que acabai comprando uma Mamiya 645 pro TL no eBay. Só preciso achar uma maneira de passar pela alfândega sem pagar imposto e sairá o mesmo valor de uma Belair.

    Responder

  • Thais
    26/10/2012 em 3:50 pm

    acho que eu também quero uma…
    o que mais me interessou foi a possibilidade de trocar de lente. Por outro lado eu nunca usei uma lomo, toda vez que vou comprar uma, surge uma oferta de outra câmera, antiga bem bonitona. Fico com medo de comprar e arrepender (o preço é meio salgado né)
    Nada contra, eu gosto de câmera de todo tipo, sou do tipo que não tem critério, vejo uma e quero usar…hauhauhahuauh.
    só to com medinho do resultado.

    Responder

  • Fernando
    24/10/2012 em 7:14 am

    City Slicker por R$ 479, preço promocional. Achei o acabamento em plástico meio esquisito. Na Diana F+ a gente até entende, mas poderiam ter caprichado nessa.

    Responder

  • Yago Moreira
    19/10/2012 em 1:56 pm

    Nada contra a Lomography e seus produtos, mas com o preço da Belair, dá pra comprar uma Agfa Billy em ótimo estado no ebay e ainda sobra grana.

    Responder

    • Claudia
      19/10/2012 em 2:47 pm

      Concordo com o Yago. Com essa grana dá para comprar uma Agfa Isolette igual a minha na feira da Praça XV (Rio) ou na do Bixiga (SP) e ainda sobra grana para almoçar. E o espírito doe sua câmera antiga?

      Responder

  • Nelma
    19/10/2012 em 1:52 pm

    *ressuscitar

    Responder

Deixe uma resposta para Yago Moreira Cancelar resposta