10comentários

Nikon F-301: um Transformer no meu colo…

por em 15/11/2012
 

Opa! Dia de estréia de colaborador no QF! Pedro Moryama é um dos donos daquele site super legal do qual falamos outro dia, o Fotografe, que é um “pequeno museu de beldades”, lembram? ;-) Hoje ele estréia com um review que é uma historinha, ou uma historinha que é um review. Você decide. Fala Pedro! Bem-vindo! \o/

“I am Megatron”! ;-)

Certa vez encontrei uma amiga na augusta e, vai saber por qual motivo, ela tinha uma câmera quebrada na bolsa. Pedi pra ver na mesma hora… e foi amor a primeira vista.Era uma Nikon preta, parruda, meio brilhante no topo mas com uma parte emborrachada nas laterais e no grip, fundo de metal. Sem alavanca de avanço.

A câmera não ligava, e por ser totalmente eletrônica, também não disparava e nem ao menos rebatia o espelho (um pouco frustrante pra quem está não acostumado a ligar nada, porque nada de ligar minhas câmeras têm). Conversamos um pouco sobre essas coisas do acaso ,e ficou resolvido que, por motivos meio óbvios, eu levaria a máquina para o conserto.

Voei pra casa com a máquina na mochila e, antes de chegar, passei num supermercado pra comprar pilhas (a F-301 é alimentada por 4 pilhas AA, ou AAA na versão americana). Bizarro… não consegui nem subir, encostei em um boteco, pedi uma coca e lasquei pilha na bicha, que para minha surpresa, ligou de primeira. Três avanços da película é o que ela faz quando se abre e se fecha a tampa do compartimento de filme. Um transformer no meu colo. Vivo.

Eu já havia fotografado com algumas câmeras analógicas mais antigas e sempre fui do tipo que prefere agulha balanceada a indicações da fotometria iluminadas por led, mas confesso que me identifiquei instantaneamente a velocidade informada no finder e gostei quando, de acordo com a abertura que eu selecionava, acendia-se ou apagava-se determinada velocidade, muito visível e precisa.

Como toda SLR 35mm, a cobertura do campo de visão do finder é excelente e faz o finder de uma SLR digital semi profissional parecer um daqueles monóculos que eram moda nos anos 80. Por não ter foco automático, a F-301 é equipada com tela bi partida de foco, que torna este processo muito ágil (mais uma da série “não se fazem mais como antigamente”). O quadro amplo convida o olho a passear. Apenas enquadrei e disparei, já que não há alavanca para transportar o filme e armar o “shutter”, e ela novamente fez mais um barulho daqueles de Transformers.

Espelho sem folga e “shutter” forte. Essa é uma daquelas câmeras de fotografar modelos em estúdio, que grita quando você aperta o disparador e segura, queimando filme a impressionantes 2,5 frames por segundo. Um rolo de 36 exposições em 15 segundos. É um V8 da fotografia.

Muito impressionante mesmo, mas desde o início eu sabia que não se tratava de um modelo profissional. Profissional é F e unidade, F,F2,F3, F-301 tem muito numero. Fiquei encafifado nela e, depois de alguma pesquisa no Google descobri bastante coisa:

Esta é a Nikon que introduziu o corpo revestido em policarbonato, é a primeira a retirar a alavanca de avanço do filme e para isso foi a primeira a apresentar sistema de avanço do filme integrado ao corpo, foi a primeira também a identificar automaticamente o filme carregado, através do sistema DX. Ela também é equipada com janela para visualização do filme carregado além de possuir alguns modos automáticos. Seu design segue o padrão profissional Nikon, com suas linhas retas, o corpo completamente preto e a inconfundível linha vermelha completam o visual profissional deste modelo.

Foi lançada em 1985 e iria definir o setting básico das câmeras profissionais posteriores a ela. Além de tudo isso a F-301 possui modo de prioridade à abertura e é claro pode ser usada completamente manual. O mais curioso mesmo é que a F-301 é mencionada como “inexpensive model”, algo como “modelo sem valor”, e por isso pode ser encontrada no Japão e nos EUA (sob o nome N2000) à preços módicos.

Com todas essas características, a F-301 é câmera perfeita para quem gostaria de usar a ótica NIKKOR mais recente e não tem muita grana disponível. Também é muito utilizada como corpo analógico para quem já possui uma DSLR da marca, já que equipada com a baioneta Nikon F, a F-301 divide virtualmente todas as lentes Nikkor fabricadas à partir de 1972.

Para saber mais sobre a Nikon F-301, recomendo esse site aqui.

Quanto vale esse post pra você?
Pense nisso e, se achar justo, colabore conosco! Você pode apoiar o Queimando Filme através de doações (faça a sua aqui!), divulgando esse post para seus amigos, ou até simplesmente clicando nos banners dos anunciantes! Tudo isso ajuda o Queimando Filme a continuar postando conteúdo de qualidade para todos os amantes da fotografia analógica ;-)

comentários
 
Deixe uma resposta »

 
  • Luan
    21/05/2014 em 6:20 pm

    Ola, acabei de comprar uma em um ´´mercado Velho´´ aqui na Alemanha, paguei em media 100 reais…mas para minha surpresa hoje quando fui tentar usar…! coloquei o filme, mas quando coloquei as pilhas nada de ligar…e continua ali sem ligar…qual o problema será?alguem pode me ajudar?#
    altus Post, Parabens…
    Abracooooooo

    Responder

    • 22/05/2014 em 6:38 am

      Fala Luan, uma amiga teve uma F301 que precisou de revisão pois houve vazamento das pilhas. Tenta limpar os contatos com água e suco de limão, mas dependendo do grau do vazamento só mesmo um técnico pra conseguir recuperar. câmera eletrônica é interessante mas tem os seus poréns…

      Responder

      • Luan
        30/05/2014 em 3:07 pm

        Mano Mano, fiz a tal limpeza que voce aconselhou, mas nada!…por sorte tem uma lojinha de fotografia aqui perto da onde eu moro e que a Garota que trabalha la me conhece, falei do problema pra ela…e ela faz uma boa limpeza mais digamos assim, profissa. não é que funcionou…agora to feliz né…hehehe! tal câmera não poderia ficar ali parada sem uso algum…Massa! Obrigado ai pela dica….Abracaoooo

        Responder

  • NORACYL
    17/08/2013 em 11:03 pm

    Tenho uma Nikon F301 funcionando perfeitamente. E duas lentes Nikon uma Macro 2,5 de 100mm e uma Af Nikor 1:1,18 50mm. Um anel de aproximação, um Flash Nikon. Estou querendo vender.

    Responder

  • Gerson
    02/08/2013 em 5:56 pm

    A N2000 é uma câmera excelente em quase qualquer ocasião. Eu a usava com uma lente Nikkor 35/2.5 e, pasmem, uma zoom 43-86/3.5 (isso mesmo 2x de zoom) que foi parcialmente modificada para passar a ter um corte no anel de abertura e poder comandar aquela pequena “lingueta” que informa a abertura para a câmera. Com esse conjunto e um cromo Provia 100 fiz excelentes fotos de paisagens e até mesmo as imagens de um LP de uma discoteca na cidade de Belo Horizonte (Brasil). Ela ainda funciona e está em estado de nova… Hoje possuo uma D3200…

    Responder

  • 19/11/2012 em 4:56 pm

    Linda, simplesmente linda.

    Olha, nunca tive nenhuma Nikon. Não por escolha, mas pelas oportunidades.
    Estava com uma grana sobrando, ia pesquisar para comprar, fazia uma lista de marcas. Ex: Pentax, Canon, Nikon, Zenit, Olympus, até R$250, ou, até R$400.
    Aí nas ultimas 3 vezes que estava com uma graninha sobrando, aparecia sempre Canon. Daí tenho 3 Canon, 1 Yashica, 1 Polaroid, 1 Makica(desconheço), ai fico meio assim com as Nikon.

    Responder

  • Diogo G
    15/11/2012 em 8:30 pm

    Assim que vi a primeira foto, pensei: ‘é igual à N2000!’, quando cheguei ao final do post percebi porquê, né ;-)

    Gostei!

    Responder

  • 15/11/2012 em 1:01 pm

    E a equipe tá ficando cada vez maior \o/ Parabéns Pedro! Muito linda essa Nikon!

    Responder

  • Orum Nathan
    15/11/2012 em 12:52 pm

    Parabéns ao Pedro Moriyama pela estréia, e ao Queimando Filme por sua existência! SUCESSO a todos!!!!

    Responder

Deixa aí seu comentário!