3comentários

Na Sua Bolsa #25: Luiz Fellipe Carneiro

por em 29/12/2012
 

E o convidado de hoje mandou não uma, mas seis fotos pra ilustrar o seu “Na Sua Bolsa”. O Luiz, velho conhecido da galera daqui do QF, conta pra gente o que ele leva quando sai pra fotografar. Fala Luiz!

Fotografar com filme, pra mim, é lazer. Então evito sair sobrecarregado. Raramente uso a mochila grande. Normalmente é essa bolsa ai da foto. Nela costuma ir celular, MP3, caneta e bloquinho, lenço pra lente ou lens pen, color checker (pra digital) e uma toalha de rosto, no fundo, quando sobra um espacinho.

Não costumo levar mais de uma analógica, pra não ficar pesado. No caso da Canon EOS A2, pelo tamanho da criança, só cabe ela mesma, ou então levo uma mochila maior. No máximo da pra levar uma objetiva extra além dos filmes.

Ultimamente tenho usado mais a Canonet. Ela é facilmente a mais pesada de todas, mas é uma das mais me agrada usar, e não é por acaso, rangefinders são uma preciosidade, e rende, de vez em quando, fotos magníficas.

A Olympus Trip 35 dispensa apresentações, bem com a Pen, que raramente uso. Porém para usar o flash elas são mais práticas que a Canonet, que precisa de um cabo de disparo, ao contrário das Olympus, onde basta encaixar o flash e disparar.

A Aquapix só sai de casa em dias de chuva ou para ir a praia. Apesar de nunca ter feito nada que fosse apresentável com a câmera submersa, sempre arrisco. Fora da água ela já me rendeu algumas fotos interessantes. Já sua prima plástica, a Civica azul, mais nova de todas, ainda não debutou, está no aguardo de alguma ideia maluca. Provavelmente aproveitarei o contato de flash dela e tentarei fazer alguma gambiarra maluca e tentarei deixar MacGyver orgulhoso.

Os filmes eu dou preferencia a negativos C-41, pela facilidade de revelar em qualquer lugar. Ainda tenho alguns cromos e PBs aqui, mas evito usar, pela dificuldade na revelação. Raramente levo mais de um rolo, além do que já foi carregado na câmera.

Também gosto de levar uma digital, no caso a G11. Sempre pode surgir alguma situação em que o filme não de conta, então saco esta máquina, que é pau pra toda obra. Cartão e bateria sempre vai junto. Ainda tenho uma filmadorazinha da Kodak, essa magenta, que está parada faz um tempo, mas que com ela eu gravei vários videos enquanto dirigia, e pretendo voltar a usá-la também, se tiver espaço na bolsa.

É isso pessoal, nada de extra-terrestre, coisa bem simples para quando nas poucas vezes que abandono meu estilo eremita e saio da toca. Até mais!

Quanto vale esse post pra você?
Pense nisso e, se achar justo, colabore conosco! Você pode apoiar o Queimando Filme através de doações (faça a sua aqui!), divulgando esse post para seus amigos, ou até simplesmente clicando nos banners dos anunciantes! Tudo isso ajuda o Queimando Filme a continuar postando conteúdo de qualidade para todos os amantes da fotografia analógica ;-)

comentários
 
Deixe uma resposta »

 

Deixa aí seu comentário!