3comentários

Quero clicar em Grande Formato. E agora? – Parte 2

por em 02/01/2013
 

Foto acima: Quando você compra uma lente para grande formato, ela vem assim: esta é uma 90mm

Antes de tudo, fica o lembrete: se você não leu a parte 1 dessa série de posts, vale dar uma olhada (aqui) pra entender do que estamos falando, ok? ;-)

Leu, então ok, vamos em frente.

Grande formato é sempre muito diferente de todo o resto do mundo fotográfico, e depois que a gente escolheu uma câmera, os problemas não acabam: para quem está acostumado a fotografar com 35mm ou médio formato, muita coisa muda em relação às lentes também.

Adoraria ter ouvido (ou lido) um guia simples para escolher lentes quando estava começando no grande formato. Então lá vai um com as principais diferenças, em posts diversos: este será sobre as placas.

Lens mount, ou baioneta, é o soquete onde a lente encaixa – cada marca de câmera possui um ou mais tipos de baioneta (Canon, por exemplo, tem duas, a FD e a EOS), e tem padrões mais abrangentes como o M42, que serve em um monte de câmeras, mas não em todas. Lente de GF felizmente não tem padrão, então você pode ter lentes Rodenstock, Schneider, Nikon…enfim, a lente que você quiser pode ser colocada na sua câmera sem frescuras, visto que o que muda é a base (placa) onde a lente é rosqueada.

Diferentes câmeras, diferentes placas: a da esquerda é de Sinar, com o furo COPAL 0; a da direita é de Linhof Kardan, com o furo COPAL 3.

Diferentes câmeras, diferentes placas: a da esquerda é de Sinar, com o furo COPAL 0; a da direita é de Linhof Kardan, com furo COPAL 3

Se você tem uma Linhof Technika, pode usar qualquer lente GF, rosqueada numa placa compatível com Technikas. Já a Linhof Kardan, a Arca-Swiss, a Sinar, cada uma dessas marcas possui uma placa de dimensões padrão, que só serve nela.

Tem mais uma variável: como existem lentes maiores e menores, o tamanho do furo na placa por onde passa a lente obedece a um padrão chamado COPAL. Há os tamanhos COPAL 0, 1 e 3.

Desmontar a lente para colocar a menina na placa é ridiculamente fácil, mas precisa de uma ferramenta especializada; se chama lens mounting wrench, embora eu chame de chavinha chuchu do Ebay – paguei 9 dólares na minha lá, o que dá mais ou menos 900 reais com os impostos (brincadeirinha).
São cinco passos para montar uma lente recém-adquirida:

passoapasso

Passo a passo. Clique pra ver grandão.

1 – Desrosqueie a parte de trás da lente; ela vai se dividir em duas partes;

2 – Tire o anel de retenção (aparece pendurado no meu dedo nas fotos);

3 – Coloque a parte da frente da lente (aquela que tem o obturador e os controles de abertura e velocidade) na parte da frente da placa e prenda a lente na placa com o anel de retenção;

4 – Aperte o anel com a chavinha chuchu lá do Ebay. MUITA CALMA NESSA HORA, porque se você apertar demais ou sem prestar atenção, a chave escorrega e pode fazer um mega risco na lente que você não usou ainda;

5 – Rosqueie a parte de trás da lente, com cuidado para não meter o dedão em nenhuma das partes de cristal. Aperte com as mãos, com firmeza mas sem força demais;

6 – Tchans!

Então, agora que você sabe que pode comprar praticamente qualquer lente e usar em qualquer câmera, desde que tenha a placa apropriada, AVISO: algumas lentes muito antigas fogem desse padrão – nesse caso, vai ter de rolar uma placa personalizada: recomendo comprar uma sem furo, ou com furo pequeno, e mandar furar/alargar em um bom serralheiro.

No próximo post o assunto será distância focal, ou “por que raios uma 90mm é grande angular?” Até lá!

Quanto vale esse post pra você?
Pense nisso e, se achar justo, colabore conosco! Você pode apoiar o Queimando Filme através de doações (faça a sua aqui!), divulgando esse post para seus amigos, ou até simplesmente clicando nos banners dos anunciantes! Tudo isso ajuda o Queimando Filme a continuar postando conteúdo de qualidade para todos os amantes da fotografia analógica ;-)

comentários
 
Deixe uma resposta »

 
  • retratismopodcast
    06/01/2014 em 10:01 pm

    Olá Alex, muito legal o teu post!
    Eu curto fotografia analógica desde o tempo em que usava uma Pentax K-1000, acabei adotando o sistema Nikon quando passei para digital. Mas recentemente resolvi voltar para o mundo analógico e mergulhando de cabeça no GF… acabei comprando algumas das máquinas que você mencionou anteriormente, o que me levaram a gastar ainda mais do que estava planejando… agora estou esperando chegar a Chamonix 45n-1. Foi bom encontrar o teu trabalho aqui, espero que possamos trocar algumas figurinhas.
    Grande abraço,
    Marcos Barbosa.

    Responder

  • Lila
    02/01/2013 em 12:44 pm

    Ei Alex Villegas, não foi você que eu vi alargando um furo desses com uma lixa redonda? rs.

    E Andrea Xavier, revelar filmes em casa é muito mais fácil do que parece ;)

    Responder

  • Andrea Xavier
    02/01/2013 em 12:21 pm

    São duas as coisas que estou bem tentada em fazer em breve. Uma é começar a revelar negativos em casa a outra é começar a brincar neste universo do grande formato. Muito bacana mesmo!

    Responder

Deixa aí seu comentário!