4comentários

Entrevista com Cartier-Bresson na Revista O Cruzeiro

por em 30/01/2013
 

Provavelmente você não sabe, mas o Brasil teve no passado uma revista chamada O Cruzeiro que era, em termos de qualidade e tamanho, uma LIFE brasileira. Tinha os melhores repórteres, e foi pioneira no Brasil no fotojornalismo. Tanto que o Instituto Moreira Salles, promoveu a exposição “As origens do fotojornalismo no Brasil: um olhar sobre “O Cruzeiro””, que eu fui conferir no IMS daqui de SP. A exposição é excelente, e dá uma aula sobre o fotojornalismo no Brasil e no mundo.

Mas enfim, não é pra isso que estou escrevendo esse post.

Acontece que, durante a exposição, me deparei, numa vitrine, com uma O Cruzeiro de 1954 aberta em uma entrevista de página dupla que o repórter Luciano Carneiro fez com Henri Cartier-Bresson naquele mesmo ano, em Paris, na sede da Magnum.

A entrevista é curta, mas achei legal fotografar e colocar aqui no QF pra vocês, já que ela é (ou me pareceu ser) rara e tem um valor histórico, pelo menos pra gente, por ser uma entrevista com o Tio Bresson feita por um repórter brasileiro, para uma revista Brasileira.

O papo é, aliás, bem leve. Fiquei com pena só de não podermos ver tudo que rolou na entrevista. Logo no começo dela, o repórter dá uma cutucada na revista deixando claro que o espaço que deixaram pra entrevista foi pouco comparado com o tanto que o papo rendeu… uma pena.

Bom, abaixo segue a entrevista, em cinco imagens ordenadas (Visão geral, Partes 1, 2, 3 e 4) que você pode ler clicando na primeira e navegando pelas imagens,

 

Nota de rodapé pra quem, como eu, gosta de estudar a turma da Magnum: a entrevista foi feita no começo de 54, e foi publicada em abril do mesmo ano. Um mês depois, em maio, Robert Capa (idealizador e fundador da Magnum, e amigo de Cartier-Bresson) morreria na guerra da Indochina. Fico imaginando como seria essa entrevista se acontecesse alguns dias depois…

Quanto vale esse post pra você?
Pense nisso e, se achar justo, colabore conosco! Você pode apoiar o Queimando Filme através de doações (faça a sua aqui!), divulgando esse post para seus amigos, ou até simplesmente clicando nos banners dos anunciantes! Tudo isso ajuda o Queimando Filme a continuar postando conteúdo de qualidade para todos os amantes da fotografia analógica ;-)

comentários
 
Deixe uma resposta »

 
  • Pedro
    31/01/2013 em 9:16 pm

    Muito boa a entrevista. En rit Ca-Bré foi e sempre será um gênio. Eu estou lendo a biografia dele, que considero, provavelmente, a melhor bio que eu já li.

    Responder

  • 30/01/2013 em 6:51 pm

    Muito bom o post. Cartier Bresson diz tudo em poucas palavras. Na verdade, reflete seu conceito de fotografia: simplicidade, sensibilidade, geometria e naturalidade.

    Responder

  • Thiago
    30/01/2013 em 2:35 pm

    Excelente a entrevista! Valeu André!
    E a propósito, concordo muito com o HCB, quanto menos manipulada, melhor! E o que distingue no final das contas, é o que cada um consegue ver, e retratar.

    Responder

Deixa aí seu comentário!