11comentários

Opinião: o que está nas entrelinhas do lançamento do LomoChrome Purple?

por em 31/01/2013
 

Pra quem tá “antenado nas parada”, a chegada anteontem (dia 29. De janeiro. Sim, de 2013) de um novo filme da Lomography não é novidade. O LomoChrome Purple chegou trazendo muita curiosidade, expectativa, e opiniões controversas. Mas esse post não é sobre o filme em si, mas sobre o que a chegada dele representa, ou significa, na minha opinião (por isso é que tem “Opinião” lá no título do post ;-).

Mas antes de continuar, uns links pros desavisados se inteirarem e entenderem do que estamos falando:

Página de Lançamento do LomoChrome Purple 400
Galeria de fotos do Kodak Aerochrome, o filme infravermelho que inspirou o Purple
FAQ sobre o Purple

Pronto? Já tá inteirado da novidade? Então vamos nessa, seguir meus devaneios de hoje.

Captura de Tela 2013-01-31 às 11.11.52

Clique pra ver grandão…

Pois então, o que mais chamou minha atenção nesse lançamento não foi o email que todos (os inscritos na Lomograohy) receberam no dia 30, e sim o que todos receberam na véspera. Pra maioria das pessoas, era apenas um email de “Aguarde! Amanhã tem lançamento!”, algumas partes do texto (veja o email na integra clicando na imagem ao lado) me soaram não apenas como blablablá de lançamento, mas como uma mensagem – pra quem quisesse ver – de que as coias na Lomography estão se tornando mais profissionais e menos “vai fazendo e vê no que vai dar”. Vejam:

“(…) estamos numa missão de manter a fotografia de filme viva, e recentemente descobrimos uma nova forma de fazer isso. (…) Nós temos acesso a uma nova unidade de produção que vai garantir que possamos produzir com facilidade filmes incríveis e com os melhores valores (…). “

Pra quem fica próximo à Lomography, conversando com eles, analisando sua história e seus produtos, e tem algum background de marketing, administração ou coisa parecida, é muito claro que os caras têm tido problemas em passar de uma empresa pequena, local, focada em criatividade, pra uma indústria global, focada em projetos, processos e distribuição. O resultado está na contínua falta de produtos nas lojas (não é só no Brasil… é no mundo todo!), em um site honesto, e rico, mas que deixou de ser inovador a anos, e – durante muito tempo – em produtos pouco inovadores (e muitas, muitas, muitas releituras das mesmas câmeras, com eternas “edições especiais”.

Mas parece que isso vem mudando. É a profissionalização da fotografia amadora chegando na Lomography. Ou assim espero.

Captura de Tela 2013-01-31 às 11.34.23

Belair. Uma câmera Lomo que agradou aos anti-lomos…

Na verdade, o primeiro indício disso pra mim veio com a Belair. Nunca havia visto uma câmera da Lomography chamar tanto a atenção de fotógrafos avessos a toycameras. Amigos, colegas e leitores profissionais, conservadores e até anti-lomo ficaram curiosos, e alguns  até compraram a câmera. Mérito do marketing? Mérito do design “cool”? Não. Pela primeira vez em muitos anos a Lomography lançou uma câmera “fotograficamente interessante”. Algo que não era mais do mesmo. E agora, uns seis meses depois, filmes… fotograficamente interessantes. E uma fábrica. Uma fábrica! De filmes! Da Lomography!

Pausa pra alinhamento de conhecimento: a Lomography nunca fabricou seus filmes (pelo menos até agora). Ela sempre comprou filmes já existentes de outros fabricantes, e os embalou com a sua marca. Aparentemente – desde o lançamento do Sunset Strip, na verdade – eles estão tentando mudar isso, criando, de fato, novos filmes.

E, repetindo… uma fábrica! Só (aparentemente) pra filmes da Lomography! Como diriam os americanos, “this is a huuuuuge step!”. Mesmo que a fábrica não seja DA Lomography, é (pelo que o texto diz) exclusiva dos caras. O que dá no mesmo.

E tem mais. Uma fábrica de cromos! Os mesmos cromos (slides) que a Kodak parou de fabricar a anos e a Fuji vêm parando lentamente. [Update de  31/01/13  às 16:30 – #megafail meu. Assim como outras pessoas, assumi que era um filme cromo pelo nome. Mas é um negativo colorido. É claro que não é tão bom como ter os cromos ressurgindo das cinzas, mas não deixa de ser bom também ;-) Obrigado aos camaradas que me chamaram a atenção pro erro… ]

 

“Tá… mas e dai?”, E daí que continuamos sendo “poucos, e bons”, como afirmei nesse outro post, mas agora cada vez mais profissionais. Sim, porque os fornecedores, educadores, informadores desse meio TEM QUE ser profissionais pra oferecerem boa qualidade. Isso vale pra Lomography, pra ToyCamera, pra Impossible, e até pro Queimando Filme! Quem oferece um serviço, mesmo que pra amadores, tem que ser profissional.

[Update de 31/01/12 às 12:31: Esqueci de um parágrafo importantíssimo aqui na postagem original…]

E esse lançamento, com essa fábrica à reboque, insinua duas coisas: 1) que a Lomography percebeu (finalmente!) suas câmeras só são compradas por quem curte Lomo, mas que filmes podem ser comprados por qualquer fotógrafo analógico (o que representa um mercado muito maior) e, 2) que a Lomography percebeu que existe espaço pra filmes dedicados a amadores. Filmes “diferentes”, que sigam a linha oposta da Kodak e da Fuji de “realismo”. Já são dois assim: o Sunset Strip e o Purple. Sabe-se lá o que mais vem por aí.

mainblog

Sunset: ensaio…

Enfim, na minha opinião, em resumo, o lançamento do Purple marca uma virada. O lançamento do Sunset Strip foi um ensaio, o lançamento da Belair deu coragem, e agora os caras estão vendo que é por aí mesmo. Que bom.

Enfim, que venham os bons ventos profissionais pra fornecer bons produtos e serviços pra fotografia amadora. Eles (os fornecedores) têm que acertar sempre, pra que a gente (os fotógrafos amadores analógicos) possamos acertar, ou errar, ou experimentar, quando, como quisermos, do jeito que quisermos. O amadorismo está (ou tem que estar) em nós, e no que fazemos, e não nos produtos e serviços.

#prontofalei.

P.S: Pra quem sentiu falta do scanner da Lomography nessa lista, é de propósito. Eu considero – dentro da minha análise da Lomography – que eles lançariam esse scanner mesmo na antiga gestão. Ele não tem nada de novo (vários leitores apontaram produtos parecidos de marcas obscuras em todo o mundo). Eles só tornaram a idéia mais disponível.

Quanto vale esse post pra você?
Pense nisso e, se achar justo, colabore conosco! Você pode apoiar o Queimando Filme através de doações (faça a sua aqui!), divulgando esse post para seus amigos, ou até simplesmente clicando nos banners dos anunciantes! Tudo isso ajuda o Queimando Filme a continuar postando conteúdo de qualidade para todos os amantes da fotografia analógica ;-)

comentários
 
Deixe uma resposta »

 
  • 27/02/2013 em 10:32 am

    Eu comprei o último rolo de Kodak 400 que tinha pra vender na Drogaria São Paulo dum shopping aqui perto… Olhei pra ele pendurado e esquecido e falei: “É esse mesmo!” haha

    É, filme virou algo específico, ou, como a Lomography quer, “exclusivo”. Lomography é uma grife, na verdade. As câmeras são bastante caras, é meio absurdo. Transformaram fotografia analógica em algo chique.

    Fico feliz que estejam pensando em desenvolver filmes. Logo mais vão ter que entrar no mercado de químicos de revelação, não tem jeito. Porque se a gente não tiver como revelar, acabou o mercado para as câmeras e filmes deles.

    Última vez em que fui levar meus filmes pra revelar, conversei com o laboratorista sobre a possibilidade de revelar cromo no C-41. Ele disse que não fazia porque “contamina” os químicos, e esses já são raros. Imagina, químicos de revelação C-41 raros? É um verdadeiro pesadelo. E afinal, a Lomography comprou o setor de filmes da Kodak ou não?

    Responder

  • gabiel
    24/02/2013 em 10:23 am

    curti muito o filme purple e o sunset… tenho uma zenit 12xp, não conheco muito de filme, recentemente comprei um kodak colorfilm só pra teste… e tenho uma dúvida, se comprar esses filmes da lomography, cosigo revelá-los como um filme “normal”? Ou o processo é diferente?

    Responder

  • 01/02/2013 em 10:35 am

    Lindo, lindo e lindo! A explosão de cores que sempre quis nas minhas fotos! acho que finalmente vou virar fã da Lomography! Acho que vai valer a pena gastar um pouquinho a mais para ter um rolinho desse Purple! e que venham mais filmes! to amando e quero pra mim!

    Responder

  • 31/01/2013 em 5:38 pm

    Uma pena não entregarem para o Brasil, nesse primeiro lote de venda. Uma pena mesmo mas… Valeu pela publicação, André.

    Responder

    • 31/01/2013 em 5:40 pm

      Pelo que entendi eles entregam sim! Só não garantem pra julho. Isso está acontecendo muito, e é “culpa” da nossa alfândega/aduana/policia federal. Eles tem (sim) que fiscalizar tudo que chega. Mas como não têm estrutura nem processos adequados pra isso, e ainda tem muita corrupção, o que não atrasa, some. O que não some, atrasa…

      Outros fornecedores, como a Impossible estão dando o mesmo alerta.

      Responder

  • 31/01/2013 em 12:39 pm

    Enquanto empresas estão deixando de produzir filmes e deixando de aceitar fotos analógicas em concursos, a Lomography e a Impossible estão contribuindo para que a fotografia analógica não morra de vez. Eu acho que não vai demorar muito pra surgir um concorrente, porque eu acredito que a Lomography sacudiu o mercado fotográfico.
    O ruim é que os preços aumentam, mas pelo menos sabemos que teremos filmes por muito tempo.
    E que venham concorrentes mesmo! Nós agradecemos.

    Responder

    • 31/01/2013 em 12:59 pm

      Concorrentes já existem (muitos chineses), mas conhecemos poucos aqui, porque os produtos não chegam.

      O fato é que, dentro da filosofia “somos poucos”, Kodaks e Fujis não surgirão… mas “fabriquetas” estarão por aí pra quem quiser procurar. É só não ficar esperando que o mundo volte a ver filmes sendo vendidos em padarias, bancas de jornais e farmácias. isso, meu amigo, não volta mais :-)

      Responder

  • Marcos
    31/01/2013 em 12:18 pm

    Que Venham os filmes novos!

    Responder

Deixa aí seu comentário!