13comentários

Color Run (ou como arruinar a sua lente em 5 minutos)

por em 15/05/2013
 

*Artigo livremente inspirado no texto do Roger Cicala e no artigo do meu xará Bruno Massao.

Lembro-me da primeira vez que eu ouvi falar do HOLI ou Festival das Cores na Índia. A namorada do meu pai tinha feito uma viagem espiritual e passou meses deslumbrando-se no misticismo (e sobrevivendo às condições sanitárias) da terra de Gandhi. A princípio a ideia me pareceu bem interessante – fotograficamente falando. Centenas de pessoas sendo coloridas numa mistura infinita de tons em comemoração à chegada da primavera.

É claro que alguém iria aproveitar isso um dia – e assim nasceu a Color Run. Uma corrida de 5/10 km onde os participantes são cobertos com todo tipo de cores me pó. O evento normalmente termina com um enorme festival de cores e música (hipster galore). A corrida não tem vencedores ou tempos oficiais. Para que, né?

Mas algo muito mais sério me leva até você, meninos e meninas. Um artigo do Roger Cicala no blog do Lensrentals.com conta o resultado de todo aquele pigmento em pó nas lentes/câmeras alugadas para fotografar o evento. Ele mesmo é um defensor de que um pouco de poeira não faria mal algum ao seu equipamento, mas as color bombs – sem água – se provaram algo bem diferente…

Roger Cicala, 2013

O horror! O horror!!! As fotos mostram uma lente novinha em folha depois de ter sido limpa externamente. O pó dos infernos penetrou em TODO o equipamento, ignorando inclusive as famosas proteções contra poeira e umidade que as lentes “profissionais” tem.

Roger Cicala, 2013

Tem até dentro do corpo, entre os elementos óticos! A única maneira de se (tentar) livrar disso é desmontando e limpando tudo cuidadosamente.

Roger Cicala, 2013

Para algumas, nem isso foi uma opção e tiveram que ser mandadas para a assistência técnica – onde pelo menos uma foi classificada como “financeiramente não viável para reparo”. Esse tipo de dano foi considerado “uso negligente”, e como tal não foi coberto pela seguradora.

Minha esperança com esse texto foi alertar todos nós dos riscos que corremos quando vamos dar nossos cliques. Eu NUNCA iria para uma Color Run por causa da minha própria propensão alérgica à poeira. Some-se a isso o meu apego aos meus equipamentos para expor eles a tanto abuso.

Mas para quem gosta e não tem as mesmas limitações que eu pode ter uma experiência única. Uma das minhas alunas foi numa festa “inspirada” no festival hindu aqui em Brasília e levou a câmera, selada dentro de uma proteção para mergulho. As fotos ficaram BEM legais, mas esse é um ensaio que eu deixo para os mais curiosos. Para quem quiser se arriscar, aqui tem os locais para as próximas Color Run:

 

Quanto vale esse post pra você?
Pense nisso e, se achar justo, colabore conosco! Você pode apoiar o Queimando Filme através de doações (faça a sua aqui!), divulgando esse post para seus amigos, ou até simplesmente clicando nos banners dos anunciantes! Tudo isso ajuda o Queimando Filme a continuar postando conteúdo de qualidade para todos os amantes da fotografia analógica ;-)

comentários
 
Deixe uma resposta »

 
  • Debora Atuy
    01/12/2013 em 5:37 pm

    Tudo besteira! Fui ao Holi SP 2013 comemorar a chegada da primavera com muito pó colorido no Parque Villa Lobos. Nem eu, nem meus mais ou menos 20 amigos, todos com câmeras reflex teve nenhum único problema de entrada de pó. Tudo isso é uma grande besteira. Antes do Holi teve quem nos assustasse tanto que alguns não foram. Absurdo, o pó não entrou nem no corpo nem da lente de nenhuma de nossas reflex.

    Responder

  • 23/05/2013 em 1:10 am

    Que medo! Sinto arrepio em pensar nessa poeira grudada em tudo. Seria bom uma cápsula protetora, só entrar para proteger-se e proteger o equipamento. O problema seria o preço, 1 milhão de dólares, carésima como tudo relativo a fotografia.

    Responder

  • Thiago
    15/05/2013 em 3:10 pm

    Muito medo…

    Responder

  • Victor
    15/05/2013 em 1:50 pm

    Poxa, deve ser incrivel fotografar um evento desse tipo, imagens totalmente surreais e unicas! Algo parecido aconteceu comigo uma vez quando eu tava numa praia e entrou areia em muitas partes da minha lente e foi altamente hard de sair, ate hoje tem um pouco de areia na minha 28-105 ;( Eh um preco a se pagar pela foto que se tem em vista.

    Responder

  • 15/05/2013 em 1:22 pm

    O negócio é ensacar bem a câmera, saco estanque, capa da outex… ou tudo junto!

    Responder

  • 15/05/2013 em 12:09 pm

    Será que um filtro não diminuiria os riscos ou o pó também passa? E no caso da sua aluna que usou uma case pra mergulho – o equipamento dela sobreviveu bem?
    O Festival das Cores é uma das coisas na vida que está na minha lista de experiências a serem provadas e poxa, queria muito poder fotografar algo assim também.

    Responder

    • 15/05/2013 em 3:28 pm

      Mariana, pelo que eu entendi ali o pó entrou por todos os cantos da lente, não só pela frente. Ali onde tem os switches af/mf, no anel de foco, no de zoom, até onde encaixa a baioneta pode entrar, mesmo sendo uma lente topo de linha, com proteção contra chuva e poeira.

      Responder

    • 15/05/2013 em 6:10 pm

      Mariana,

      Ela levou o equipamento para a aula na aula seguinte e me pareceu estar em bom estado. Ela também me mostrou umas fotos do “case” dela – antes e depois de lavar. Ela me disse que comprou por uns US$50 + frete. Não posso chamar de a solução mais “sólida”, mas funcionou. É claro que as imagens não ficaram tão boas quando ficariam sem o plástico vidro que ficou na frente da lente, mas considerando o preço de uma embalagem estanque séria…

      Aparentemente vão ter várias edições da Color Run no Brasil – quem sabe você não se empolga e vai ganhar as suas fotos bem coloridas?

      Responder

Deixa aí seu comentário!