3comentários

Light leak é o pai do filme redscale, você sabia?

por em 20/09/2013
 

Vazamento de luz numa câmera fotográfica é tudo que alguém em sã consciência deve querer evitar, mas nem todos pensam assim. Aqui, aliás, vos escreve um destes loucos. Dãnnnh :)

Câmeras de plástico como a Holga e Diana trazem naturalmente em sua tosquice este recurso. Alguns modelos da Holga, quando adquiridas, precisam receber reforço de fita adesiva em torno da tampa para conseguir fotografar, ou irão velar todos os filmes.

6796496794_2cbd1718bc_b

Pois bem, velar filme ninguém quer, ninguém mesmo, mas uma foto com um vazamento de luz na medida é um charme perseguido por muitos. Light leak (vazamento de luz) de uns tempos para cá virou o defeito mais cool que pode acontecer num filme, aliás passou de defeito para puro hype. Existe até mesmo famigerados tutoriais de Photoshop para forçar o efeitos em fotos digitais, veja só.

Pois bem, alguém notou que light leaks produzem áreas avermelhadas nas fotos. Notaram também que os incidentes ocorrem devido à entrada acidental de luz por trás da câmera, daí concluíram: filme exposto de trás para frente (a luz entrando por trás – eu hein!?) resulta em fotos avermelhadas. Estava criada assim a teoria do redscale Filme.

Fabricar um filme redscale é muito fácil.  Consiste basicamente em retirar a película fotográfica de dentro do canister (rolo de metal que protege o filme) e recolocar de forma invertida, ou seja, colocar a face que estava para frente para o lado oposto. O passo seguinte é colocar o filme normalmente dentro da câmera. Esta inversão da posição do filme vai fazer com que a luz atravesse a película em sentido inverso ao que foi projetado. Teremos assim fotos avermelhadas à vontade, para todos.

Mas por que as fotos ficam avermelhadas quando o filme é exposto em sentido contrário?

Há quem diga que é porque o acetato, base na qual o filme é montado tem coloração vermelha e funciona assim como um filtro “tingindo” as fotos de vermelho. Muita, mas muita gente acredita nisso. Mas eu tenho motivos para desconfiar que isso não tem nada a ver.

Após exaustiva pesquisa, (arf, arf, arf…) a explicação que colhi é bastante técnica e envolve ótica e química, mas não vamos entrar nessa armadilha de tentar explicar isso cientificamente. Não queremos nossos leitores bocejando e tampouco tenho cacife para tal. Vamos tentar simplificar na medida do possível.

O real motivo que faz com que as fotos ganhem tons avermelhados quando expostas em processo redscale está relacionado à maneira que o filme colorido é constituído: antes de fabricar os filmes, os cientistas já sabiam que a luz na natureza podia ser decomposta em três canais de cores que são vermelho, verde e azul. A combinação destes três espectros resulta na infinidade de cores que são percebidas pelos nossos olhos. Logo, para capturar a imagem coloridas os cientistas sabiam por onde começar. E desenvolver emulsões sensíveis a estes três canais luminosos foi o caminho.

758px-Photographic_Film_135.svgOs filmes coloridos (os preto e branco tem constituição diferente) são constituídos por uma base de acetato (1) e algumas camadas de materiais fotosensíveis (2,3,4,5,6,7) e mais vernizes de proteção da emulsão (8). Chamamos de emulsão o conjunto fotossensível responsável pela captação da cor luz, síntese aditiva, ou seja, cores RGB (vermelho, verde e azul). Isso é teoria das cores, lembra-se? (Beba um pouco disso que faz bem para a memória).

A parte da emulsão, no negativo colorido, é montada sobre o acetato seguindo a ordem, de baixo pra cima: vermelho, verde e o azul (na superfície). Cada camada desta funciona como um canal e é sensível a sua determinada faixa de cor. Imagine um hidrante vermelho pousado numa grama verde. Teoricamente o hidrante ficaria “impresso” num canal e a grama num outro. Tudo seria perfeito (não necesariamente) se a teoria fosse obedecida à risca na prática, mas observou-se que o espectro azul que deveria expor apenas na primeira camada também causa efeito nas camadas de verde e do vermelho. Daí o dilema foi resolvido com um filtro (barreira) de azul logo após a esta camada, deixando as camadas verde e vermelho livres da ação desta luz teimosa. Este é o cerne da questão RedScale film. Vamos adiante…

Não podemos esquecer que durante o processo de redscale a luz é encaminhada a atravessar o filme em sentido oposto ao previsto pelos inventores do filme. Ou seja, eles montaram as camadas de modo que a luz, e seus três canais, encontrassem primeiro a camada azul, depois o verde e por último o vermelho. Só que ao invertemos o filme a luz faz o caminho oposto, ficando a camada azul por último. O RedScale é causado justamente pela existência do filtro azul que separa esta cor do verde+vermelho. É como se o azul não servisse para nada já que fica isolado pelo filtro. Portanto quem compõe a imagem no redscale film é a combinação da emulsão do verde com a vermelha. Isso resulta no avermelhamento da imagem.

ZZZZZZ… acordem! Ainda temos mais informações.

Experimento foram realizados e foi comprovado que o tempo de exposição age diretamente na intensidade do vermelho. Veja os testes nestes links:

http://www.flickr.com/photos/fionao/3245679048/

http://www.flickr.com/photos/xabl/3460022608/

Quanto vale esse post pra você?
Pense nisso e, se achar justo, colabore conosco! Você pode apoiar o Queimando Filme através de doações (faça a sua aqui!), divulgando esse post para seus amigos, ou até simplesmente clicando nos banners dos anunciantes! Tudo isso ajuda o Queimando Filme a continuar postando conteúdo de qualidade para todos os amantes da fotografia analógica ;-)

comentários
 
Deixe uma resposta »

 
  • Dayvid
    13/10/2013 em 2:26 pm

    O pessoal que pratica o Redscale diz que o ideal é
    fotometrar em 1/4 do ISO original, no caso do Colorplus 200
    deve fotometrar em ISO 50.

    Responder

  • Aiesca
    21/09/2013 em 12:57 pm

    Ótimo post,! andei experimentando com um colorplus 200 mas acho que ficou muito escuro. Os dias que fotografei eram de muito sol, daqueles que um iso 100 já dá conta perfeitamente. Deduzo que o iso do filme tenha um impacto direto no resultado final. Ou não? Vou experimentar com filmes de diferentes isso, para ver no que dá. Ah, os dois links remetem a mesma página, a da fiona.

    Responder

Deixa aí seu comentário!