3comentários

Opinião: Não tente agradar. Fotografe, e seja feliz.

por em 30/09/2013
 

A foto que chamou atenção do menino e iniciou todo o questionamento. Dinka Man With a Bull, de Sebastião Salgado.

Semana passada fui visitar a exposição de lançamento do novo livro do Sebastião Salgado (Genesis) lá no Sesc Belenzinho (em SP). Além das belas fotografias, fiquei entusiasmado com uma cena que presenciei: Um menino (devia ter uns 10 anos) estava parado olhando fixamente para a fotografia de um boi com um adorno pendurado no chifre. Ficou lá durante uns 30 segundos, olhando para a imagem com uma cara de impressionado. Infelizmente os 30 segundos não foram o suficiente para eu tirar a minha câmera e bater uma foto, mas foi o bastante para levantar uma questão na minha cabeça:

Aquele menino provavelmente não entende muita coisa de fotografia. E digo mais, acho meio difícil ele ter acumulado uma grande bagagem cultural com apenas 10 anos de idade.

Então, mesmo sem conhecimento fotográfico nem bagagem cultural um menino de só 10 anos estava conseguindo apreciar a beleza das fotos.

Couple_D_amoureux_Dans_un_Petit_Caf_Quartier_Italie_circa_1932_by_George_Brassai_www.metmusuem.org_

Imagem do fotógrafo Húngaro Brassaï.

Será que a fotografia é uma forma de arte mais acessível? Ou será que as fotos do Sebastião Salgado são de alguma forma “menos artísticas”?

Muita sacanagem falar isso da fotografia do pobre Bastião, o cara é bom! Além das fotos serem lindas, a exposição é muito inspiradora. Você sai de lá com vontade de pegar a câmera e sair fotografando.

Porém, da mesma forma consigo pensar em alguns fotógrafos de calibre que possuem tanta qualidade artística quanto Sebastião Salgado que dificilmente chamariam a atenção do garotinho. Como por exemplo o Húngaro Brassaï, que manjava muito de fotografia noturna diga-se de passagem ou mesmo o próprio Cartier-Bresson. Bom, fiquei intrigado.

Surpreendentemente a resposta veio enquanto escutava The Beatles. Veja bem, qualquer ser humano (e imagino que até alguns animais mais evoluídos hehehe) conseguem apreciar a musica dos Beatles, mesmo elas possuindo arranjos complexos, progressividades e algumas muitas pirações psicodélicas. Muito diferente de outras bandas muito boas que necessariamente precisam de maior dedicação para serem entendidas.

Minha conclusão é a seguinte. Se você não costuma gostar da suas fotografias… se mesmo sua mãe acha elas meio esquisitas, não se preocupe… isso não interfere em nada em quão bom fotógrafo você é.

Apenas uma foto que chamaria atenção do menino, William Eggleston pioneiro da fotografia em cores.

Apenas uma foto que chamaria atenção do menino, William Eggleston pioneiro da fotografia em cores.

Quando terminei de ver a exposição do Sebastião Salgado, perguntei para uma amiga que me acompanhava (Liza, excelente fotógrafa e artista plástica que mora em São Petesburgo na Russia) se ela havia gostado. A resposta foi: “Great photographer, great pictures! but not for my taste”.

Então, se nem o Sebastião Salgado não consegue agradar a todos, relaxe!

Quanto vale esse post pra você?
Pense nisso e, se achar justo, colabore conosco! Você pode apoiar o Queimando Filme através de doações (faça a sua aqui!), divulgando esse post para seus amigos, ou até simplesmente clicando nos banners dos anunciantes! Tudo isso ajuda o Queimando Filme a continuar postando conteúdo de qualidade para todos os amantes da fotografia analógica ;-)

comentários
 
Deixe uma resposta »

 
  • 26/05/2014 em 2:35 am

    Arrasou a sua amiga. Também tem alguns consagrados que não me chamam a atenção. Aliás, teve uma série do próprio SS que não me agradou muito, apesar de eu gostar muito dele. A arte é isso mesmo. Ou toca ou não toca. Não acredito que o menino tenha sido movido por facilidade ou dificuldade de absorver a mensagem do SS. Até porque ele não é o cara mais figurativo do mundo e essa foto que o menino gostou é cheia de layers, sutilezas, luzes e sombras… Não é necessariamente a foto mais simples do mundo de fruir. Foi sentimento mesmo.

    Responder

  • Bruno
    08/10/2013 em 1:25 pm

    Minha primeira fotografia analogica foi feita em casa, fotografei a janela, contra luz com as plantas crescendo entre as grades. Quando revelei achei tao bonita. O ceu nublado ao fundo, as grades e as plantas em silhueta.
    Quando meus amigos viram minhas fotos elogiaram as que apareciam avioes e planadores (outra paixao minha) mas ao ver a foto da janela desdenharam.
    – Po, Bruno! foto da janela?
    Minha madrasta, ao contrario, disse depois que aquela era a foto que ela mais tinha gostado. Fiquei feliz pois foi ela que me deu a minha primeira camera SLR.

    Responder

  • aiesca
    30/09/2013 em 12:58 pm

    Mais importante que tudo é contar uma história, seja ela qual for. E passar na fotografia uma emoção,seja ela qual for. A sua emoção é cristalizada naquele retângulo impresso chamado fotografia. E ela pode estar ou não em sintonia com o Outro, aquele que olha seu trabalho. Nem todos gostam de comédia, ou de tragédia ou de documentários. Vi um artigo no Dicas de Fotografia que a autora, Claudia Regina diz que a pergunta correta é Porque você fotografou isso e não como você fotografou isso. Isso serve para tudo na vida. Então, fica para mim o seguinte: registre naquele retângulo suas emoções e a fotografia poderá não ter significar algo para mais ninguém mas terá um grande significado para você mesmo.
    As fotos de Sebastião Salgado são perturbadoras porque expoem feridas que as vezes o mundo não gosta de lembrar que existem.

    Responder

Deixa aí seu comentário!