0comentários

Companhia Rapadura: Fotografia analógica made in Brazil

por em 17/10/2013
 
Muito se fala sobre zines/revistas/sites que reunem material ou proposta sobre fotografia analógica por aí, mas e no Brasil, tem ou não tem? Claro que sim! É só buscar com carinho que a gente acha coisas bem legais, como o Companhia Rapadura. O Companhia é um coletivo formado por 13 jovens brasileiros que se uniram devido a afinidade dentro da fotografia, “que acontece de forma despretensiosa e livre, evitando os padrões tradicionais do ambiente profissional” como eles mesmos descrevem no site oficial. A ideia do coletivo é compartilhar os olhares dos fotógrafos, que optaram pela estética do analógico para produzir suas imagens.

site2

Usando o Flickr como ferramenta social, os integrantes que já fotografavam com filme antes, começaram a conversar sobre a ideia, e como todos possuíam referências e senso de estética semelhantes, os passos a partir daí foram fáceis de se desenvolver. Nem todos são do mesmo estado, além de encontros frequentes com aqueles que moram próximos, a maior aliada para a comunicação entre eles é a internet, então distância não é desculpa pra ninguém, viu? ;)
A produção final resulta em zines e a venda/divulgação acontece mais “analogicamente” possível, o que eles curtem mesmo é ir em feiras e eventos onde entram em contato direto com o pessoal interessado nessa mídia mais independente, desde quem também produz, como quem compra. Mas como ninguém é bobo nem nada pra não saber quão poderosa é a tecnologia hoje em dia, eles estão, ainda que devagarinho e aprendendo a se adaptar, divulgando material e disponibilizando para venda as edições na própria página online deles e no Facebook, então se você não conhece ou vai em feirinhas de zines e mesmo assim quer conferir o trabalho, dá pra dar um alô e conversar com eles pela internet.
coletivo-rapadura-bibliotecPara elaborar esse post, conversei um pouco com o coletivo, e, assemelhando-se ao questionamento do Três Motivos, quis saber melhor a razão pela qual os participantes escolheram a fotografia analógica como meio para a realização das fotos. A resposta veio bonita que vale lê-la na íntegra:

Por que a escolha do processo analógico?

O analógico veio de antes. Todos já fotografavam em analógico antes de o coletivo surgir, e foi um ponto de encontro, a princípio. O analógico é uma ferramenta que agrega uma etapa ao processo, um mistério, uma estética também, é um caminho oposto, mas que permite mais consciência na fotografia, no sentindo em que não somos fotógrafos, não temos formação, mas escolher qual filme usar, qual câmera, com ou sem flash, tudo isso vai somando escolhas e levando a um resultado mais autoral. Também tem a ver com uma tendência e uma tradição, acho que a fotografia analógica não é nem melhor, nem pior que a digital, é só um outro método de trabalho.

380684_427700193948887_504691114_n

É ou não é uma iniciativa legal? Eu gostei bastante da ideia quando me deparei com os projetos, e confesso que sinto muita falta de mais disso aqui no Brasil. Compartilhar e interagir com pessoas de mesmo interesse e produzir algo a partir dessas experiências é, no mínimo, enriquecedor. E envolvendo fotografia analógica então, quer coisa melhor?

Quanto vale esse post pra você?
Pense nisso e, se achar justo, colabore conosco! Você pode apoiar o Queimando Filme através de doações (faça a sua aqui!), divulgando esse post para seus amigos, ou até simplesmente clicando nos banners dos anunciantes! Tudo isso ajuda o Queimando Filme a continuar postando conteúdo de qualidade para todos os amantes da fotografia analógica ;-)

Seja o primeiro a comentar!
 
Deixe uma resposta »

 

Deixa aí seu comentário!