1comentário

[Opinião] Três formas de ver a Lomografia

por em 28/10/2013
 

O post abaixo foi escrito para, e publicado originalmente no site PhotoChannel (http://www.photochannel.com.br) a convite dos editores daquele site. Tendo passado quase um ano de sua publicação (que aconteceu em novembro de 2012), me sinto à vontade para republicar o texto aqui, já que  costumo usá-lo, com sucesso, para explicar minha visão da lomografia em cursos e palestras.

Vocês vão reparar que o texto está numa linguagem mais chata menos informal do que a que usamos aqui no QF. Isso, porque, esse texto não foi escrito pro QF ;-)

Espero que gostem, e aguardo os comentários ;-)

Lomografia. Alguns amam, outros odeiam. Muitos sequer amam ou odeiam, sem se dar ao trabalho de tentar entender o que é isso, e com isso perdem oportunidades.

Existem pelo menos três formas de se ver lomografia: como a Lomography vê, como a maioria dos praticantes dessa técnica veem, e como um acadêmico veria. Convido você a passear comigo por essas três visões e, com isso, ampliar um pouquinho seu ponto de vista.

A lomografia pela Lomography – Acredito que você, que está lendo este texto, já conheça ou tenha ouvido falar da Lomography, a empresa austríaca que, inspirada em uma experiência de seus fundadores com uma câmera fabricada na antiga União Soviética, criou uma empresa de fabricação de câmeras, ou melhor, de experiências fotográficas.

Contar a história da Lomography rende, por si só, um artigo inteiro, ou até mais de um. Aliás, o que não falta por aí é gente escrevendo sobre ela. O problema é que a maioria delas está errada. Por isso, se você ainda não os conhece, visite esta página, da própria empresa, e entenda como ela surgiu.

Fundadores-da-Lomography-em-1991

Fundadores da Lomography em 1991

Mas vamos ao que interessa. Para a Lomography, lomografia – ou Lomografia, com inicial maiúscula – é a estética criada e difundida pela empresa através do uso das câmeras e acessórios produzidos por eles. É uma marca registrada, mas ao mesmo tempo um estilo de vida vendido pela empresa. Algo libertador, mas que conecta todos os seus usuários à empresa. Existem regras, existem tutoriais, existem dicas, existe uma comunidade, hábitos, fãs. Tudo ligado à Lomography. E, não se enganem. Eles exercem pulso firme em quem tenta usar a palavra “lomografia” para fins lucrativos sem a devida autorização. Escolas e publicações já tiveram que se entender com seus advogados.

A lomografia pelos seus praticantes – Pergunte a um jovem que se diz lomógrafo se todas as câmeras dele são da Lomography e provavelmente receberá uma negativa como resposta. Por mais que todos, ou a maioria dos ditos lomógrafos, admirem e desejem câmeras da empresa austríaca, muitos deles praticam a lomografia usando poucos ou até nenhum dos equipamentos, filmes e acessórios vendidos pela empresa. Para eles, lomografia é uma estética, uma forma de pensar fotografia, de se comunicar com amigos, de pertencer a um grupo. Lomografia, para o lomógrafo, é uma tribo, uma forma de se expressar pouco ortodoxa e libertadora, onde erros são acertos, e acertos são caretas. Você não faz lomografia. Você cria lomografia com sua câmera, seja ela qual for, desde que ela te entregue os “efeitos” que são a marca registrada da estética (um quê de vintage com fotografia experimental low-fi).

1a-exposicao-em-Moscou-1994

Primeira exposição de lomografias em Moscou, em 1994

A lomografia por um acadêmico – Eu não sou acadêmico, mas vou fingir que sou, porque conheço muitos. E o que esses muitos têm em comum é a capacidade de olhar a coisa de fora, de cima. E olhando a lomografia de fora, de cima, eu diria que esse acadêmico hipotético que inventei diria que a lomografia é uma febre – não no sentido de “modinha”, mas no sentido de marca de uma geração, o reflexo de uma sociedade.

Daqui a uns cinquenta anos, acredito que um acadêmico – falando sobre os movimentos fotográficos de nossa era – dirá que a lomografia foi um movimento anárquico – lançado, ou compilado e catalizado, por uma empresa, mas não gerido ou controlado por ela – que encontrou abrigo em uma parcela de uma geração digital, que nasceu sem conhecer a fotografia com filme, mas que – inquieta – buscava ferramentas artesanais para se expressar.

Em uma época em que tudo era eletrônico, digital, virtual, a produção de uma imagem através de um processo primordialmente tátil e físico, mecânico e artesanal, a fotografia analógica como hobby, tendo como porta de entrada a lomografia, mas não se limitando a ela, encontrou seu lugar, e marcou uma geração. Esse mesmo acadêmico dirá que muitos foram os críticos desse movimento, e que muitos, devido ao preconceito, perderam uma excelente oportunidade de se conectar a essa nova geração de futuros fotógrafos, clientes, contratantes e, com isso, em um processo de anacronismo estético, se entregaram a um ostracismo criativo onde cada coisa “nova” era vista pelo novo público como “velha”.

Bom. Tendo falado, não por um, mas por três, deixo aqui este artigo como forma de provocar quem quiser ser provocado a dar alguns minutos de sua atenção para esse tópico, empresa, movimento, ou tudo isso junto. Conhecer e ter opinião é um excelente negócio. Não conhecer, negligenciar e menosprezar,  nem sempre.

Quanto vale esse post pra você?
Pense nisso e, se achar justo, colabore conosco! Você pode apoiar o Queimando Filme através de doações (faça a sua aqui!), divulgando esse post para seus amigos, ou até simplesmente clicando nos banners dos anunciantes! Tudo isso ajuda o Queimando Filme a continuar postando conteúdo de qualidade para todos os amantes da fotografia analógica ;-)

comentários
 
Deixe uma resposta »

 
  • 28/10/2013 em 1:23 pm

    “…uma parcela de uma geração digital, que nasceu sem conhecer a fotografia com filme, mas que – inquieta – buscava ferramentas artesanais para se expressar.”
    Perfeito.

    E digo mais: também há aquela parcela que nasceu “no final” da era analógica. Eu vivi muito isso de mandar revelar filme, quando comecei a fotografar, inclusive, tínhamos apenas as Mavicas e sua péssima qualidade de imagem… Então o processo de revelação de fotos fez parte da minha formação como fotógrafa, mas atualmente trabalhar com uma câmera analógica é algo que realmente não se encaixa nos meus custos. Busquei a fotografia analógica e, por consequencia, a lomografia, justamente pelo saudosismo da infância, por se tratar de um hobby, uma brincadeira, algo que me faz deixar a câmera digital de lado muitas vezes.

    Outro dia um amigo criticou o fato de eu pagar caro em uma “maquininha de plástico feita na china” em oposição às câmeras russas que seria “verdadeiras lomos”, mas (além de gostar muitos das “maquininhas de plástico”) eu vejo um lado MUITO positivo nessa ascenção da Lomography e é justamente o de colocar a fotografia analógica em voga novamente, de não deixar morrer algo que a gente gosta tanto, com filmes ainda sendo produzidos, novas câmeras e o fato que ainda temos laboratórios de revelação.

    Tá aí um levantamento interessante a se fazer: qual o impacto dessa moda da Lomography?

    Responder

Deixa aí seu comentário!