5comentários

Cafenol: retroceder nunca, render-se jamais

por em 05/11/2013
 

Hoje temos um convidado postando aqui. O texto abaixo é do Eden Barbosa, figurinha fácil no Grupo Queimando Filme do Facebook, que vem contar suas recentes experiências com revelação caseira com cafenol (técnica da qual já falamos aqui e aqui, e que parece estar bem na modinha ;-). Fala Eden! ;-)

Faz cerca de 1 ano que revelo PB em casa. Já tenho certa desenvoltura de me permitir a audácia de revelar seja em casa e até em oficinas de PB a céu aberto, como na feira da fotografia de Fortaleza com água de poço e oscilações de temperatura, falta de químicos e outras situações adversas que encaro como parte do aprendizado em fotografia expandida e suas experiências com revelação.

Agradeço o convite do André e a ajuda dos colaboradores do grupo do QF no facebook. A ultima semana foi de intenso aprendizado e troca de informações. Muita gente vêm fazendo o cafenol e garantindo uma evolução no processo em terras tupiniquins.

caffenol-ultrafine400-15Mas vamos ao café. Antes de começar esta experiência eu preparei uma boa jarra, aliás. Por sinal, adoro café. Tomo muitas xícaras por dia, bebo muito mesmo. Adoro ele forte e sem açúcar. E foi assim a minha experiência utilizando esse revelador: forte e sem menor doçura. Foi um saco achar o carbonato de sódio, o resto é simples.

O pontapé inicial desse processo foi sem dúvida o post super simples que o Marcos Nava fez aqui no QF. Ele teve a nobreza de pegar uma receita em gramas (e eu não tenho balança de precisão) e converter em colheres. Simplificando o processo e demonstrando um resultado que acho mais real do esperado numa primeira aventura.

Conheço o site e blog do cafenol há certo tempo, mas a grande variedade de receitas aumentava meu receio de errar um processo menos “cartesiano” além de não localizar um dos ingredientes, o carbonato de sódio. Outra falha comum é o entendimento das variações e denominações (C, C-L, C-L-M, standart, delta) acho uma viagem! Mas depois da experiência feita e de dicas de leitores do QF aprendi parte dessa “viagem”.

Depois de procurar (e muito), achei a Barrilha (carbonato de sódio) em uma loja de produtos de limpeza próximo de minha casa (produtos para piscina é a dica). 1kg é barato (R$ 3,80) comprei logo 2kg, a partir de então iniciei a experiência.

Separei garrafas, fixador e isopor com gelo e água já estabilizada a 20 º. Segui as instruções de ao menos 3 receitas e com a mistura feita e descansada por 30 minutos iniciei o processo num 135 Ultrafine xtreme 400, um Pb que uso com frequência pra estudos e revelo com rodinal a 1:50 com frequência, logo me permitiria uma comparação mais acurada dos resultados.

No final, deu tudo certo, mas existem ponderações importantes que gostaria de levantar neste post pra motivar aqueles que desejam também iniciar neste processo:

caffenol-ultrafine400-121. A mistura não fede tanto assim, utilizei garrafas de plástico de iorgute reaproveitadas e destinadas apenas para este fim, não fiquei cheirando tudo e a solução final descansou numa janela com vento;
2. É interessante aquecer um pouco a agua que diluirá o Carbonato de Sódio afim de não ter muito resíduo no fundo que diminuirá a proporção dele na solução;
3. Esta receita de cafenol é a C, destinada a filmes com ISO abaixo de 400. Como o filme que usei é 400 percebi uma granulação excessiva embora a cutância (grão) seja na mesma proporção do rodinal para com este filme;
4. Existe uma certa névoa nas fotos que diminui a nitidez, algumas receitas sugerem adicionar KBr ou sal de cozinha (1 colher de chá) pra amenizar esse fog, o que ainda vou testar e averiguar;
5. Na hora de medir as colheres sofri um pouco pois em casa tenho 3 tamanhos distintos pra colher de chá (hUAhUAhuAh), usei a maior nesta primeira e vou usar a menor na próxima afim de comparar o que fica numa melhor proporção:diluição, pois o café sobrou um pouco mesmo com rigorosa agitação;
6. Economia: eu já aplico isto nos meus processos de revelação, são conceitos de sustentabilidade e redução de poluentes assim como economizar água nas lavagens (evito deixar torneira com água corrente). Também reutilizo o fixador por cerca de 10 vezes e descarto ele geralmente em locais longe de aquíferos. Com o cafenol use um coador de café ao retornar o fixador para garrafa pois sempre vêm partículas de café;
7. Antes de interromper faço mais 2 lavagens com 30 inversões ou 1 min a cada lavagem, pois o cafenol deixa mais resíduo que qualquer outro revelador;
8. Meu negativo saiu muito escuro e denso, sem muitas variações nas luzes altas e baixas, isso eu corrigi no processo de escaneamento (com um plustek 7600) mas a intenção é melhorar o processo e fidelizar com um filme.
9. Os próximos processos serão com negativos c-41 (Pro Image 100) a ideia é utilizar um filme mais barato para estudos e pra facilitar o aprendizado de fotografia analógica que sempre venho ministrando na cidade.

Quanto vale esse post pra você?
Pense nisso e, se achar justo, colabore conosco! Você pode apoiar o Queimando Filme através de doações (faça a sua aqui!), divulgando esse post para seus amigos, ou até simplesmente clicando nos banners dos anunciantes! Tudo isso ajuda o Queimando Filme a continuar postando conteúdo de qualidade para todos os amantes da fotografia analógica ;-)

comentários
 
Deixe uma resposta »

 
  • lannaemilli
    28/05/2014 em 5:39 pm

    Só eu que achei o Eden UM LINDO por tomar cuidado ao jogar fora os químicos da revelação e economizar tanto químicos como água? <3
    Obs.: esse título está hilário, já estava rindo antes mesmo de abrir a newsletter.

    Responder

  • 06/11/2013 em 10:27 am

    Minha primeira tentativa com cafenol (e revelação em casa) foi com o post do Marcos Nava, com a receita em colheres de chá e o tempo de 1,6x o tempo do D-76. Achei simples, fácil e quis tentar na hora, mas o dia estava chuvoso e não queria ir atrás de barrilha ou nescafé, e também não tinha experiência anterior nenhuma com revelação de filmes, apenas já tinha feito ampliações pb, mas revelação nunca, então fiz com o que tinha e do jeito que achava que devia, e por coincidência deu super certo. 10 revelações, alguns testes e muita leitura na internet depois acredito que o segredo Cafenol C-I (I de Improviso) está nos ingredientes um pouco fora do comum e na maneira de agitar, segue a receita:
    – 12 colheres de chá de Nescafé Duo Grao diluido em 200ml de água (era o que eu tinha no dia, é pó, não é granulado e por ser parte pó de café normal e parte café soluvel a concentração de ácido cafeico provavelmente é diferente do Nescafé normal, só sei que deu certo e só uso ele agora).
    – 6 colheres de bicarbonato de sódio diluido em 200ml de água (outro improviso, o sábio Google me disse que aquecendo ele espalhado numa frigideira em poucos minutos ele vira carbonato de sódio, porem o pózinho já é bem fino e dilui muito bem na água, ela fica quase transparente de tudo)
    – Comprimido de 1g de Redoxon diluido em 100ml de água.

    Após diluir todos ingredientes bem, separadamente, junto tudo numa garrafa pet, agito um pouco, espero a espuma sumir e já esta pronto para usar, a água da torneira que uso por aqui fica por volta de 21-23 graus.

    Agora a parte do agito, na primeira tentativa (sem experiencia prévia) agitei o primeiro minuto e depois por 10 segundos a cada minuto seguinte, agitei fazendo um movimento de “swirl” (aquele movimento circular que o pessoal faz com taça vinho) assim o cafenol libera o seu “agradável bouquet” :-)
    Interruptor por 1 minuto e fixador normal por 5 minutos. Simples assim.
    Após pesquisar mais sobre o cafenol tentei agitar com inversões (o negativo saiu lavado, só o scaner pra salvar) e o stand develop ficou denso e manchado. Da forma que deu certo o negativo tem ótimo contraste, funcionou muito bem em ampliador pb e consigo escanear sem precisar de qualquer ajuste de contraste, tanto em granulação quanto em contraste não deve nada para meus filmes revaldos no lab da região com D-76. Resultados no meu Flickr.

    Responder

  • Luiz Henrique Carneiro
    06/11/2013 em 7:52 am

    Eu fiz, mas ficou com pouco contraste, acho que a água estava muito fria, então o tempo foi pouco, mas vou refazer controlando a temperatura com mais precisão, quanto ao carbonato, eu comprei bicarbonato na farmácia e levei ao fogo até que parasse de soltar “bolhas”.

    Responder

Deixa aí seu comentário!