2comentários

Levando seus filmes além da linha do Raio-X

por em 29/11/2013
 

Hoje é dia de estréia oficial no QF. Digo “estréia oficial” porque o Marcello outro dia mesmo postou aqui um belo texto sobre Cafenol (lembra?). Pois bem, a partir de hoje ele deixa de ser convidado e passa a ser anfitrião ;-)

Fala Marcello!

Já houve uma época em que viajar com câmera era algo muito, muito complicado. Imagine como deveria ser carregar seu daguerreótipo, placas de metal, produtos químicos e um quarto escuro, tudo junto com você, apenas para ter fotos da sua ultima viagem. Pode ter certeza que se já existissem na época, as companhias aéreas não iriam gostar muito da ideia de levar seu daguerreótipo como bagagem de mão, e provavelmente seus companheiros de viagem odiariam esperar você fumegar as placas de metal, antes de ir para o próximo ponto turístico.

Silhueta em Zurique

Zurique, Suíça

Mas as coisas foram ficando mais simples e, apenas décadas mais tarde, carregar uma câmera fotográfica analógica era a coisa mais normal do mundo. Uns cem anos depois você chegava em qualquer banca de jornal, padaria, farmácia, camelô ou supermercado em qualquer canto do planeta e comprava uns filmes para registrar suas férias, podia revelar e ampliar por lá mesmo e já trazia um belo álbum de fotos para relembrar todos os bons momentos, já durante o vôo de volta pra casa.

Isso não faz tanto tempo assim. Mas então o mundo mudou, o medo de terrorismo aumentou a potência dos raios-x em aeroportos e atrações turísticas (sim, aqueles malévolos raios que acabam com nossos filmes, veja este post e seus comentários) e logo em seguida todo mundo trocou seus filmes por cartões de memória e começou a tirar fotos digitais (para depois aplicar filtros para que elas parecessem tiradas por filmes).

Mas e se você ainda curte “the real thing”? Se você ainda gosta de tirar fotos com filme, (nem que seja para não precisar aplicar filtros depois, para que elas pareçam ter sido tiradas por filmes), como, nos anos 10 do século 21 pode se fazer isso em viagens sem “velar” suas recordações das férias?

Aqui no QF já tivemos relatos de viagens analógicas aqui, aqui,ali e acolá, e eu já levei meus filmes por aí nos últimos 2 anos (desde de que redescobri o filme), então somando aos posts anteriores aqui vão algumas dicas de como levar seus filmes além da linha raio-x e voltar com ótimas recordações (e porque não, umas câmeras, filmes e equipamento analógico novo?).

  • Leve uma câmera que você conhece e confia. Férias não são o melhor lugar para experimentar novas câmeras, técnicas ou filmes. Afinal se as fotos não saírem boas, vai saber quando você vai voltar naquele lugar novamente. Conheça bem sua câmera e queime um rolo de filme antes de viajar, só para ter certeza que as fotos estão saindo boas e shutter, abertura e foco estão ok.
  • Sua viagem não precisa durar apenas o período das suas férias. Comece a viajar bem antes, pesquise na internet fotos do lugar que pretende visitar, elas podem te ajudar a ter boas ideias para novas fotos. Além de pesquisar atrações turísticas, hotéis, passeios, inclua na sua pesquisa se a cidade para onde vai tem lojas que vendem filmes, labs para revelar, lojas de câmeras usadas, mercados de pulgas. Se você puder comprar seu filme favorito por lá, além de não ter que passar eles pelo raio-x no meio do caminho, talvez ainda consiga preços melhores que aqui (mas sempre é bom levar uns filmes de casa, just in case).
  • Se o lugar para onde vai está completamente digitalizado, já leve seus filmes de casa. Não é coisa do outro mundo, minha experiência é que o raio-x de países não “perfeitamente revelados” (sub desenvolvidos, brics e seus amigos), tem aparelhos de raio-x meia boca antigos e que de fato podem bagunçar seus filmes (já aconteceu comigo), o melhor é você (como um sorriso no rosto e um simpático “please”) pedir para verificarem os filmes fora do raio-x, normalmente a segurança de aeroportos e estações de trem fazem isso sem reclamar, mas é bom já levar os filmes fora da caixinha e num zipbag transparente para facilitar (alguns também levam junto um filme de iso 3200, mesmo que não usem, apenas para ter uma boa desculpa para não passar os filmes pelo raio-x). Nunca tive problemas de filmes danificados em raio-x de aeroportos de países desenvolvidos (Europa e EUA), geralmente se o agente da segurança falar que pode passar no raio-x, pode passar tranquilo, mas é sempre bom avisar que tem filmes na bagagem de mão e ver o que eles falam.
    Jardim de Versailles

    Jardim de Versalles, França

  • Existem ainda umas bolsas forradas com chumbo, próprias para proteger filmes (film bags), que você pode comprar na Amazon (eles entregam aqui no Brasil) e não custam tão caro, nunca usei mas quem já usou disse que pode ajudar (e não fazer seu coração disparar, na hora de passar filmes no raio-x).
  • Filmes e câmeras vão SEMPRE na bagagem de mão, o raio-x das bagagens despachadas geralmente é mais forte e possivelmente vai danificar seus filmes.
  • Leve suas câmeras analógicas para passear (veja este post), tantas câmeras, quantas você achar interessante (a alfandega aqui, na volta, geralmente não está interessada em câmeras visivelmente velhas e que eles não tem como taxar porque não existem novas para comparar o preço), mas pense bem em como vai carregar elas e se o peso da bagagem não vai te desanimar e fazer você deixar tudo no hotel porque não aguenta mais carregar tanto peso.
  • Escolha bem onde vai carregar sua câmera durante a viagem, se ela estiver escondida no fundo de uma mochila é possível que você perca muitas fotos pela dificuldade de alcançar a câmera (e se seus companheiros de viagem que não curtem fotografia tanto assim também não vão gostar de te esperar enquanto você procura a câmera). Bolsas de ombro e slings não minha opinião são as mais fáceis de acessar, para pegar e guardar a câmera bem rápido.
    Regents Park Londres

    Regents Park, Londres

  • Se vai para um país que não é famoso por uma boa segurança pública, evite bolsas ou mochilas que gritem “estou carregando equipamento fotográfico que pode ser caro!!!”, arrume algo macio para proteger a câmera (tem umas capas de neoprene ótimas pra isso) e carregue numa mochila normal ou bolsa que não tenha cara de bolsa de câmera e não chame a atenção.
  • Procure os mercados de pulgas locais e lojas de antiguidades, talvez você encontre aquela câmera sensacional por um preço razoável (ou como eu, uma guilhotina para fatiar seus filmes revelados, com backlight, da década de 60 por apenas 20 reais), mesmo se não achar nada, esse locais podem render ótimas fotos.
  • Já tirou muitas fotos? Se tiver onde revelar os filmes antes de embarcar, melhor. Você já garante na hora que um raio-x não vai acabar com suas fotos.
  • Se estiver em cidades como Nova York, Berlin e Londres aproveite a visita para montar seu lab caseiro por uma fração do que pagaria aqui, comprar mais filmes, scanner de negativos (vai te economizar uma grana) ou aquela câmera usada dos sonhos, que aqui custaria muito caro. Se vai ficar por uns dias nos países da B&H, Adorama, KeH, Macodirect, Fotoimpex…compre pela internet e faça a feira!!! Vale muito a pena.
  • Dos lugares que conheço, Nova York, Berlim e Londres são paraísos para quem ainda curte fotografia analógica. Você acha filmes muito fácil, ainda acha lugares para revelar por bons preços, e se quiser uma câmera nova (antiga) tem ótimos preços e muita variedade e em Berlim até mesmo revelação de filmes P&B em 1 hora eu encontrei!!
    Chinatown NYC

    Chinatown, Nova Iorque

  • E a ultima dica (ufa, achei que esse post não acabava mais) LEVE sua câmera digital, sua DSLR e celular sem peso na consciência, afinal elas também tiram fotos incríveis (graças ao fotografo por trás delas ;-) e você sempre pode aplicar um filtro para imitar filme depois :-DVocê não vai usar sua analógica para fotografar aquele prato gostoso ou o preço do BigMac lá fora, (só se for sócio de uma fábrica de filmes) mas as digitais são perfeitas pra isso, além de ser seu backup das fotos das férias (aquelas fotos imperdíveis) e possivelmente a melhor opção (por causa do iso alto) após o pôr do sol.

Fiquei surpreso quando na volta das ultimas férias notei que boa parte das minhas fotos eram analógicas (12 rolos de 36 muito bem aproveitados), mesmo carregando 2 DSLRs comigo, fazer a olho-fotometria, carregar o filme, fazer foco manual e no meu caso ter muitas fotos P&B com aquele film-look foi muito bom, após as férias terem acabado ainda continuo viajando nas fotos, valeu a pena.

E você, por onde já levou seus filmes passear e qual foi sua experiência? compartilhe conosco nos comentários!

 

Quanto vale esse post pra você?
Pense nisso e, se achar justo, colabore conosco! Você pode apoiar o Queimando Filme através de doações (faça a sua aqui!), divulgando esse post para seus amigos, ou até simplesmente clicando nos banners dos anunciantes! Tudo isso ajuda o Queimando Filme a continuar postando conteúdo de qualidade para todos os amantes da fotografia analógica ;-)

comentários
 
Deixe uma resposta »

 
  • lannaemilli
    29/05/2014 em 6:47 pm

    Está nos planos! <3

    Responder

  • Vaneska
    29/11/2013 em 4:43 pm

    Marcello, não tive a oportunidade de conhecer pessoalmente os lugares por onde passou, mas a cada viagem que vc e a Gleice fazem por esse mundo fora, realizo um pouquinho da minha vontade de conhecer outros lugares, culturas e pessoas. A cada click, a cada foto que compartilho com vcs…a vida se transforma e tudo está mais próximo de nós por meio das fotografias!!! Adorei as dicas!!!

    Responder

Deixa aí seu comentário!