3comentários

Opinião: LPs….e porque ainda teremos filmes por muito tempo.

por em 03/12/2013
 

Hein???? Vitrola!!!!

Se você lembra dessa propaganda, você também deve estar presente em muitos negativos (e nas fotos ampliadas a partir deles). Se você não lembra, dá uma olhada e volta aqui.

O banco dessa propaganda já não existe faz tempo, vitrola mesmo (ou Victrola, a original da Victor RCA) já não existe a muito, muito tempo, mas tem uma coisa dessa época que ainda existe e além de existir tem vendido cada dia mais. Se você acha que eu vou falar de filmes, ainda não, o que tem vendido mais e mais são LPs, aquele disco de vinil que tocava na vitrola que não é mais fabricada faz tempo, tem vendido bem, obrigado.

Sério, como assim? É, tem gente que tinha um monte de LPs, trocou tudo por CDs, ouviu muito MP3 e agora achou que é uma boa idéia ouvir LPs, de novo. Mas quando os CDs surgiram, qualquer um apostaria que os discos de Vinil seriam riscados, das prateleiras, então o que aconteceu?

Alguns voltaram a ouvir LPs por saudosismo, ou porque o som analógico é melhor (quando seu aparelho de som custa o mesmo que um carro zero) ou gente que nem viu a propaganda do banco citada acima, viu aquelas “pizzas” pretas (porque chamavam de bolacha se parece mais uma pizza?) e achou legal ouvir música com aquele chiado da agulha. Mas minha teoria é que por trás de tudo isso, ouvir LPs tem a ver com bem estar, me explico:

A TV, os livros, as fotos, os seus amigos, e a música, desde que ficaram digitais se multiplicaram de forma gigantesca, você tem muito mais canais, pode armazenar toneladas de livros no tablet, tem “amigos” pra caramba e muita música, milhares de músicas pra você ouvir. Mas tanta quantidade traz complexidade, sim, é ótimo tem muita opção, mas tem hora que esse excesso estressa, assim como qualquer excesso. Nessas horas quem gosta de boa música viu que ouvir um LP pode ser uma boa opção.

Primeiro porque você não pode ouvir um LP no carro, na rua, você só consegue ouvir um LP quando chega em casa, quando está tranquilo, quando o estresse ficou lá fora no transito, no trabalho. Outra coisa é que quando você coloca um LP na agulha você está limitado só a poucas músicas (no lado A e no lado B) mas geralmente música de qualidade, só sai em LPs hoje em dia, artistas consagrados no seu gênero, gente boa de verdade, alguém aí já viu um LP tocando Ah lelek lek lek lek?

Não, ninguém em sã consciência vai trocar sua coleção de MP3 por LPs, não tem como, sai caro, em muitos casos é impossível e muito artista bom e novo, não tem como lançar um vinil, e começa em MP3 mesmo. E o que essa pessoa vai ouvir no carro, no metrô, caminhando na rua, LP não dá? Mas para aquelas horas que são só suas e de mais ninguém, quando é pra parar e se dedicar simplesmente a ficar numa boa, aí ouvir LP pode ser bem legal.

Mas e os filmes o que tem a ver com isso? Tenho certeza que uma galera apostou no fim do filme quando as DSLRs ficaram baratas, mas assim como os LPs, parece que os filmes estão vendendo cada vez mais. Tá certo, hoje você não consegue comprar mais uma Yashica nova para tirar suas fotos de filme, assim como você não vai mais achar uma Victrola nova.

Mas se já entrou numa Urban Outfitters (rede de lojas na gringolândia, que definitivamente não tem no seu público alvo pessoas saudosistas, nem de muita idade) vai ver um monte de toca-discos (coloridos) Crosley bem do lado de cameras (coloridas) Lomography, além de filmes e LPs novos, de cantores e bandas que ainda não existiam no auge do vinil, assim como umas marcas de filme que nem existiam na época aurea do filme. Mas se tem lá pra vender (e no ebay, e em um monte de sites na internet e lojas descoladas) é porque tem muita gente comprando ainda. Aliás tem um mercado novo pra isso.

A única diferença é que filme fotográfico assim como LPs não é e nem nunca mais vai ser mainstream,  você não vai achar câmeras de filmes e nem toca discos na loja de eletro-domésticos da esquina. Mesmo em cidades grandes, você só acha discos de vinil novos e filmes fotográficos  em poucas e selecionadas lojas. Mas assim como só restaram músicas de qualidade (seja ela clássica, rock, jazz, eletrônica ou pop) em LP, da uma olhada nas fotos tiradas atualmente em filme (busca no filckr), tem muita foto muito boa. Quem tira fotos com filme hoje, só faz isso porque gosta de verdade, sabe que tem um limite de 36 poses ou menos, e geralmente só faz isso naquele momento próprio, na hora que pode relaxar, parar, pensar, sem estresse.

Para alguns pode ser saudosismo, para outros a qualidade do analógico (se você tem um belo de um scanner ou ampliador em casa), para outros porque é novo e diferente, mas eu acho que no fundo mesmo, é só porque esse meio complicado (de fotografar ou ouvir música) simplesmente é mais simples.

Se duvida, da uma olhada na opinião dos lomografos aqui.

A tecnologia do século 21 é ótima, mas se estiver estressado, tente andar com suas pernas, ouvir música que não tem como sair de casa, tente fazer sua comida, ler um livro sem pop ups ou fotografar pra ver o que saiu na foto só mais tarde. Isso relaxa.

O Filme está morto. Vida longa ao Filme.

Quanto vale esse post pra você?
Pense nisso e, se achar justo, colabore conosco! Você pode apoiar o Queimando Filme através de doações (faça a sua aqui!), divulgando esse post para seus amigos, ou até simplesmente clicando nos banners dos anunciantes! Tudo isso ajuda o Queimando Filme a continuar postando conteúdo de qualidade para todos os amantes da fotografia analógica ;-)

comentários
 
Deixe uma resposta »

 
  • Bruno
    31/12/2013 em 8:36 pm

    Toca discos eu ainda não comprei mas confesso tenho muita vontade. Por varios motivos pretendo comprar um mas principalmente pela facilidade de comprar os LPs. Na minha cidade tem varioas loginhas de discos usados e os preços sao bem convidativos. Segundo, acho o som do MP3 bem ruinzinho. E nao precisa gastar muito em um aparelho de som pra aproveitar nao. Com uns R$600 da pra comprar um bom integrado mais uns R$300 pra umas caixas razoaveis e claro mais uns trocados pelo toca discos ( varia de R$100 a R$12.000). No meu caso só falta o toca discos.
    E hoje tive uma boa surpresa. Estou de ferias em uma cidadezinha no litoral e quando fui ao mercadinho na esquina encontrei filme a venda e pela metade do preço que eu vejo por ai, só R$8. Não vi a validade mas acho que já arrumei estoque pras próximas semanas.

    Responder

  • 03/12/2013 em 8:26 pm

    “O Filme está morto. Vida longa ao Filme.”

    Excelente texto!

    Responder

  • Lonez
    03/12/2013 em 8:17 pm

    Bom texto!
    Há +- um mês atrás, minha irmã colocou pra funcionar um toca discos que era dos meus pais! Esta funcionando perfeitamente… Ah, aquele disco do Raul Seixas, Tim Maia, Rock in Rio, Kraftwerk… Infelizmente ela escolheu pra tocar justo um disco da dupla Sandy & Junior… Hahahaha!
    “ABRE A PORTA MARIQUINHA!”

    Infelizmente esta bastante complicado comprar material fotografico analogico por aqui, como filmes 120 e químicos. Felizmente somos um povo criativo que está passando por cima dessas dificuldades, criando os próprios químicos por exemplo (só falta alguma boa alma começar a vender filmes num preço bacana)!

    Acredito que no futuro essas coisas vão ser cada vez mais caras, mas pra quem gosta, vale cada centavo!

    Responder

Deixa aí seu comentário!