12comentários

“My Leica Year”: 1 ano de fotografia analógica preto e branco

por em 07/01/2014
 

Navegando por blogs sobre fotografia analógica, pouco tempo atrás, me deparei com esse cara aqui que, de maio de 2010 até maio de 2011 fotografou a maior parte de suas fotos apenas usando uma câmera analógica mecânica, uma única objetiva, e apenas usando o Kodak Tri-X, e criou um Tumblr sobre seu projeto pessoal. Mas a idéia original não foi dele, ele dava crédito a esse artigo aqui em que o autor propõe uma câmera Leica como seu professor de fotografia. Não vou traduzir o artigo mas apenas fazer um resumão, mas se quiserem vale a pena ler o original.

Ele recomenda comprar um Leica analógica e totalmente mecânica, uma única lente de sua preferência, e apenas um tipo de filme preto e branco. Durante 1 ano ele recomenda que você tente queimar pelo menos uns 2 filmes por semana, mas quanto mais melhor. Ele recomenda anotar, arquivar e de vez em quando ampliar aquelas fotos que você mais gostou. Ele diz que você deve levar a câmera com você o tempo todo, e tirar fotos constantemente, revelar e analisar a qualidade de suas fotos.

leicayear

“My Leica Year”

O racional é que após 1 ano tirando fotos com uma câmera mecânica, uma única distância focal e buscando a luz e o contraste ao invés de cores nas suas fotos vão fazer de você um fotógrafo melhor. Ele vai além, diz que se você levar a frente um projeto desses, isso te daria a experiência equivalente a uns 3 anos numa escola de fotografia ou 10-15 anos como o um hobbysta comum atrás da câmera mais moderna o tempo todo.

Por fim ele recomenda você vender a Leica e voltar a fotografar do jeito que gosta mais, digital, Lomo, Photoshop, tanto faz, ele garante que você será um fotógrafo melhor.

É… conceito interessante. Após o post original ele faz um adendo em reposta ao pessoal que se ofendeu com a proposta dele de um Leica-Year. É que os que gostam de Leica ou odeiam Leicas se polarizam com a mesma intensidade que Corinthians x Palmeiras, Mac x PC, ou iPhone x Android, quem ama, ama e quem odeia, odeia mesmo. Aí ele se explica: uma Leica oferece vantagens para realizar esse projeto de auto-aprendizado e blá, blá, blá, mas que nada impede que a pessoa use qualquer outra câmera analógica e mecânica para por em prática o seu ano-da-fotografia-analógica-preto-e-branco.

A ideia pegou de tal forma que gerou um grupo no Flickr e pelo menos uma meia dúzia de blogs de pessoas divulgando seus próprios Leica-Years (faz uma busca no Google por My Leica Year e você vai ver quanta gente já tentou isso).

Legal, muito interessante, pode até ser que funcione, ótima ideia para tentar em 2014. mas uma Leica velha com uma única lente usada aqui custa o mesmo, que uns 9 (atualizados) salários mínimos, dois rolos de Tri-X mais revelação e digitalização (ou ampliação) por semana vai me custar mais 1 salário mínimo por mês. Então deixa pra lá, sai mais barato pagar alguns cursos de fotografia, vamos para o próximo post.

Opa, peraí, essa foi apenas a ideia, o conceito, a sugestão, o #ficadica. Quando dei de cara com esse post de 2009 em 2013, me fez pensar que, sem querer, fiz algo semelhante, dentro da minha realidade, mas no meu caso seriam os Quase-3-anos-de-fotografia-analógica-em-preto-e-branco. Como fiz isso (sem torrar rios de dinheiro) e quais foram os efeitos colaterais?

Se você leu até aqui #naoperca meu próximo post, onde vou contar minha versão brasileira (Herbert Richers) do meu Leica-Year(s).;-)

[Nota do Editor: fiquei tão curioso com o post do Marcello que fiz minha própria pesquisa. Encontrei esse post do mesmo blog onde nasceu a ideia contando, um ano depois, como o projeto andava. Vale a leitura também.]

Quanto vale esse post pra você?
Pense nisso e, se achar justo, colabore conosco! Você pode apoiar o Queimando Filme através de doações (faça a sua aqui!), divulgando esse post para seus amigos, ou até simplesmente clicando nos banners dos anunciantes! Tudo isso ajuda o Queimando Filme a continuar postando conteúdo de qualidade para todos os amantes da fotografia analógica ;-)

comentários
 
Deixe uma resposta »

 
  • 14/01/2014 em 5:56 pm

    Estou pensando inicialmente em fazer um 4 month Leica usando um rolo ou dois de 30 mts ILFORD HP5 e uma FOCA UNIVERSEL que meu vô acabou de me dar,( ele comprou ela em 1953 e está linda, pena que não dá pra postar uma foto aqui ) . Acho que não vou conseguir ficar tanto tempo sem usar outras maquinas mas vou tentar rsss, abs

    Responder

    • Marcello Galvão
      15/01/2014 em 8:18 am

      Rogério, não precisa ser tão radical em apenas usar a câmera com filme preto e branco, eu mesmo sempre usei a minha junto com digitais, cada câmera tem sua “personalidade”, apenas não deixe sua câmera “professora” na prateleira ;-) E manda pra gente as suas fotos do seu Foca Universel Year e nos conte sua experiência!

      Responder

      • 15/01/2014 em 5:14 pm

        Valeu Marcello, já adquiri o rebobinador, o tanque de revelação e o rolo de filme…falta agora um scanner (para 35mm e 120mm) .Esse ainda estou na duvida de qual comprar, alguma indicação??. Hj revelei um filme colorido teste que tirei com ela na segunda pra ver se estava td ok, Os resultados foram bem bacanas, foi meu primeiro filme sem fotometro e acertei a luz em todas as fotos(agradeço a vcs por terem postado a regra sunny), perdi 3 fotos por causa do foco já que o telemetro dela está quebrado, achei que ia perder mais. Agora o próx passo é partir pro preto e branco. Até

        Responder

        • Marcello Galvão
          20/01/2014 em 11:15 am

          Rogério, parabéns pelas suas aquisições! se precisar de ajuda com o rebobinador e revelação é só chamar! Procure um scanner de mesa que também funcione para filmes, aqueles scanners específicos de filmes, são mais baratos mas você fica limitado a filmes 35mm e sem a opção de “scannear” sprockets se quiser. O meu scanner é um Epson, mas falam muito bem dos Canon também. E a diferença mais básica entre os diversos scanners de mesa para filmes pelo que pude notar é: quanto mais caro, você tem mais resolução e mais velocidade, porém se você não tiver pressa e não precisar de arquivos de mais de 100mb por foto, não precisar ir atrás dos mais caros. Tanto o software quanto a qualidade em resoluções de até 9600ppi é muito semelhante entre todos independente do preço. Sobre o telemetro, você mora em São Paulo? Se sim, leva na Anatec, o Sr. Perez provavelmente consegue arrumar o telemetro.

          Responder

  • Mariana
    08/01/2014 em 12:27 am

    Muito, mas MUITO ansiosa mesmo para ler o próximo post… Gostei demais da ideia e queria por em prática… mas sem gastar rios de dinheiro, claro!!!

    Responder

  • Jenifer
    07/01/2014 em 6:10 pm

    Olá gente,
    vocês saberiam informar de alguma loja em SP ou até no RJ, que venda os filmes da Lomo?
    Fiz uma pesquisa, mas até agora não encontrei nada… Sou de Salvador e quero tentar comprar através de uns amigos de lá.
    Obrigada,
    Abraço ;)

    Responder

Deixa aí seu comentário!