3comentários

Filmes PB vencidos: diminuindo custo e mantendo o controle

por em 16/01/2014
 

Hoje é dia de estréia oficial no QF! Oficial porque o Mário já havia estreado por aqui com aquela tradução do post sobre digitalização, lembram? Pois é. Mas hoje o texto é dele mesmo, original e exclusivo ;-)

Seja bem-vindo, Mário, e que esse seja o primeiro de muitos!

Desde que comecei na fotografia analógica o que mais me assusta não é a demora para ver os resultados ou minilabs ruins com químicos vencidos, mas o altíssimo custo da revelação e dos filmes aqui no Brasil, principalmente os PeB, que me interessam mais. A parte do alto custo de revelação eu tenho resolvido revelando em casa, usando revelador Parodinal caseiro, mas e o filme, como conseguir mais barato?

lata

A lata… (ou melhor, a caixa onde vem a lata…)

Depois de ler bastante na net a respeito, cheguei à conclusão de que o melhor caminho seria o de comprar filmes em bobinas de 30,5 metros e enrolar meus próprios rolos em casa. Para quem tiver dúvida a respeito, o Diogo já publicou um texto bem legal que cobre o assunto onde ensina a rebobinar filmes em casa. Isso por si só já traria uma redução bastante grande de custo, mas a grande oportunidade de economizar uma graninha veio quando consegui comprar um rolo lacrado de Kodak T-Max 100 por apenas 40 reais na minha cidade (o u seja, vários rolos pelo preço de um!). Nem frete tive que pagar!

Tive muita sorte, mas é possível com certa frequência comprar esses filmes vencidos no ebay por preços interessantes, até mesmo em comprimentos maiores. Eu sabia que o filme estava vencido há algum tempo, mas quando peguei a lata na mão vi que o buraco era um pouco mais em baixo: ela estava bem enferrujada por fora, o filme já estava vencido há quase 8 anos (02/06) e não tinha sido guardado em local adequado (geladeira ou freezzer). Um filme, nessas condições, fica bastante imprevisível, o que, para os que curtem experimentações, é uma coisa positiva. Para mim, entretanto, não ter um controle mínimo do processo incomoda.

O rebobinador...

O rebobinador…

Então resolvi fazer um teste com os seguintes passos pra descobrir como posso tomar as rédeas, ainda que parcialmente, desse filmezinho maltratado:

1. Arrumar uma cena com luminosidade constate

No meu caso, a eleita foi a vista da varanda do meu apartamento ao meio dia. Nesse horário, o sol está em uma posição média e a luz não varia tão rapidadamente como no início ou no fim do dia, por exemplo. Essa cena foi o meu parâmetro base para definir em que ISO o filme está respondendo melhor depois de todo esse tempo passado da validade, dado que com o tempo o filme começa a perder sua sensibilidade à luz. Uma regra básica é que o filme perde metade da sua sensibilidade a cada 10 anos, mas essa é apenas uma base para os testes pois as condições de armazenamento tem papel crucial nesse aspecto.

2. Colocar a câmera no tripé.

Para aumentar a consistência do teste, o tripé garante um enquadramente constante entre as fotos com exposições variadas. Ele também evita que algumas saiam tremidas, sendo que usei um cabo disparador que também ajuda nesse sentido.

3. Medir a luz.

Fiz a fotometria usando o modo spot da minha câmera digital. Ela me indicou uma exposição de f8 1/500 ISO200 que se tornou a base para os meus testes.

4. Tirar fotos consecutivas com a câmera analógica variando a exposição.

Tirei fotos usando os seguintes parâmetros, que variam conforme a luz da cena escolhida:

– f8 1/500 (ISO 200)
– f8 1/250 (ISO 100)
– f8 1/125 (ISO 50)
– f8 1/60 (ISO 25)

5. Revelar o filme em situação controlada.

Revelei o filme em casa usando o revelador Parodinal. É importante controlar essa revelação o máximo possível para que ela possa ser copiada no futuro para maior consistência de resultados. Foram usados os seguintes parâmetros:

Revelador: Parodinal
Concentração: 1:50
Temperatura: 20ºC
Tempo: 12 minutos
Agitação: contínua no primeiro minuto + 10 seguntos a cada minuto.
6. Escanear os quadros e avaliar.

Imagens (clique nelas para ver em tamanho maior):

f8 1/500 (ISO 200)

f8 1/500 (ISO 200)

f8 1/250 (ISO 100)

f8 1/250 (ISO 100)

f8 1/125 (ISO 50)

f8 1/125 (ISO 50)

f8 1/60 (ISO 25)

f8 1/60 (ISO 25)

Essa é a etapa em que será definido em que ISO o filme será exposto daqui pra frente. Como o filme perde sensibilidade com o passar do tempo, o ISO usado terá que ser mais baixo que o original, sendo que no meu caso, elegi o ISO 50 como meu padrão daqui pra frente para esse rolo de filme e esse revelador. O ISO 25, nesse escaneamento inicial, pode parecer mais adequado, mas essa digitalização ainda é bruta, sendo possível resgatar mais detalhes do quadro com ISO 50 do que nos demais.

Imagem: ISO 50 Editada

Imagem: ISO 50 Editada

Conclusão:

Usar filmes PB vencidos, mesmo que há muito tempo e em condições desfavoráveis é viável, desde que o fotógrafo esteja disposto a fazer esse tipo de teste e abraçar alguns defeitos que esses filmes venham a ter. Esse meu filme, particularmente, apresentou manchas semelhantes a fungos em boa parte dos quadros, das quais não dá para ter controle, mas não dá pra reclamar de um filme que sai a cerca de R$2,00 o rolo, ainda mais para eu que quero usá-lo para aprendizado de revelação e outras experiências.

Ainda com as manchas, continuarei a usar o filme para estudo e para testar técnicas de revelação, pois o custo dele permite que eu faça esse tipo de teste ainda que venha a perder alguns pedaços.

Quanto vale esse post pra você?
Pense nisso e, se achar justo, colabore conosco! Você pode apoiar o Queimando Filme através de doações (faça a sua aqui!), divulgando esse post para seus amigos, ou até simplesmente clicando nos banners dos anunciantes! Tudo isso ajuda o Queimando Filme a continuar postando conteúdo de qualidade para todos os amantes da fotografia analógica ;-)

comentários
 
Deixe uma resposta »

 
  • Adriano Furlanetto
    08/02/2016 em 1:24 pm

    Boa tarde Mario,

    Tente me ajudar nessa situaçao…
    Tenho filmes guardados no freezer por alguns anos já, nas bobinas, tive q dar um tempo na fotografia analogica por tempo hehe…
    Agora estou querendo usar esses filmes, q sao Kodak Tri-X ISO 400
    Dps de tirar o rolo do congelador, tenho algum tempo limite para fotografar e revalar?

    Obrigado!

    Responder

  • Adriano José Silva
    22/01/2014 em 1:34 pm

    Mário,
    Muito Feliz que encontrei o site e amantes da fotografia analógica. Estava e sentindo só e triste por deixar de usar Filme por modismo e gostando tanto dos cliques analógicos.
    Tenho uma Canon EOS Xn e minha dúvida com relação à filmes em P & B eh a seguinte.
    Para tirar fotos em P & B eu dependo da minha câmera ter a opção ou apenas comprando o filme P&B consigo tirar com minha câmera??

    Obrigado!!

    Responder

    • Mário Freitas Neto
      22/01/2014 em 2:43 pm

      Oi, Adriano! Para fotografar com em PB com filme basta comprar o filme adequado e carregar a câmera, não sendo necessária qualquer configuração do equipamento. O filme PB comum precisa de um processo especializado de revelação, mas há filmes PB que podem ser revelados da mesma forma que os coloridos, a exemplo do Kodak BW400 e o Ilford XP2. Abraço, Mário

      Responder

Deixa aí seu comentário!