3comentários

Opinião: Fuji e “o Fator X”

por em 11/02/2014
 

Desde que eu comecei a fotografar, eu sempre gostei mais dos filmes da Fuji do que de outros fabricantes. Quando eu voltei a fotografar com filme, minha primeira escolha foi, obviamente, ir atrás do Fuji Superia 400. Poucos meses depois, a Fuji do Brasil terminou sua linha de produção aqui, o que fez com que o valor desse filme aumentasse consideravelmente.

Fuji X-Pro1

Fuji X-Pro1

Que a Fuji tem focado cada vez menos seus esforços em fotografia analógica, isso todos nós sabemos. Tiraram filmes de linha, aumentaram o preço dos restantes, cortaram linhas de produção, etc. E isso, querendo ou não, mexeu comigo. Me deixou “chateado”. Recentemente eu li esse artigo, escrito pelo Adam Griffith para o PetaPixel, explicando como a linha de câmeras digitais X, da Fuji, mudou a empresa e a própria indústria fotográfica.

Tá, e daí? O Queimando Filme é um site sobre fotografia analógica!

E é exatamente por isso que eu não traduzirei o artigo todo, como era a minha intenção original. No artigo, Adam comenta várias questões mercadológicas a respeito dessas decisões nada favoráveis à fotografia analógica que a Fuji tem tomado nos últimos anos, e eu traduzi apenas esses pontos que julguei mais importantes. Confesso que parte dessas informações, por mais que eu já tivesse uma certa consciência a respeito dos fatos, bateram em mim como um tapa na cara. Um tapa na cara por eu ter ficado todo puto quando a Fuji tirou o Provia 400X de linha, por exemplo.

A história começa em 2010. A Fuji, uma empresa com uma longa história lidando com filmes e químicos de alta qualidade, viu um constante aumento de vendas de sua divisão de imagem e restaurou seu lucro na divisão de câmeras digitais após algumas reformas estruturais. Entretanto, a mesma divisão de imagem continuava a ser presa pelo declínio em vendas de filmes e experimentou perdas que chegaram em até 10 bilhões de yen quase todo ano desde 2005, de acordo com o relatório financeiro anual da empresa. Além disso, a Fuji não tinha muito a oferecer para o fotógrafo sério além da sua DSLR S5, já que sua linha de câmeras consistia basicamente em compactas de nível amador e superzooms, em adição de sua interessante FinePix Real 3D W3, uma câmera digital de duas lentes.

Fuji X-T1, a caçula da família de câmeras digitais X

Fuji X-T1, a caçula da família de câmeras digitais X

Todos nós sabemos que fotografia analógica, hoje, é um mercado de nicho. O que dói em nós é admitir o fato de empresas como a Kodak ou a Fuji não focarem mais seus esforços nesse mercado. Não que eu ache isso errado – inclusive, é a coisa mais sensata a se fazer, vide a reestruturação da Lomography, em que eu não duvido nada que eles apareçam com alguma coisa “digital”. E por sensata, tente pensar como empresa, e não como uma pessoa que gosta de fotografar mais com filme.

A Fuji, querendo ou não, é uma empresa grande. Não é falta de respeito eles pensarem em lucro quando, de fato, precisam desse lucro. Eu mesmo não sabia que eles perdiam dinheiro por causa de sua divisão de filme. Depois de ter lido isso, até senti um pouco de “vergonha” por ter sido, digamos, desinformado.

Em março de 2011, o sucesso da linha X chamou a atenção da liderança na Fuji. A divisão de câmeras digitais presenciou um recorde de vendas sobre o ano anterior com mais de dez milhões de unidades e seus lucros ajudaram a tirar a divisão de imagem inteira do vermelho pela primeira vez em meia década. Com esperança de expandir esse sucesso, a Fuji se comprometeu em explorar mais o mercado de câmeras high-end em seu relatório anual de 2011.

Fuji X100: a responsável pelo "cansei do analógico, #partiu"

Fuji X100: a responsável pelo “cansei do analógico, #partiu”

Aqui está uma informação crucial, e que é justamente o tal d”o fator X” que todo mundo que escreve sobre as Fuji X comenta: essas câmeras são fodas. Elas alteraram totalmente a concepção da Fujifilm, e não bastando isso, mudaram a percepção de toda a indústria fotográfica sobre câmeras digitais. Se não fosse pelo lançamento da X100, em 2010, a Fuji provavelmente estaria da mesma forma que estava: estagnada, como todo o resto da indústria.

Se não fosse pela X100, a Fuji hoje ainda estaria fabricando meu amado Provia 400X. Se não fosse pela X100, a Fuji ainda estaria com uma linha de produção de filme (no caso, o Superia 400) no Brasil. Se não fosse pela X100, o preço de alguns filmes continuaria baixo. O Pro Value talvez estivesse em linha.

Só que, se por mal a Fuji X100 matou a pau a parte que nos interessa, ela abriu uma porta sem precedentes para o mercado digital. Como o próprio Adam comenta no final do texto, se a Fuji não tivesse tomado esse passo, a indústria fotográfica, hoje, estaria um saco.

Em resumo: a linha X, da Fuji, estava ajudando a transformar rapidamente uma empresa que estava se segurando na fotografia analógica por mais tempo que as concorrentes.

fuji_relatorioPois é. Querendo ou não, a Fuji foi importante para a fotografia, no geral. Ela ainda se mantém no analógico em poucas áreas, como é o caso da Instax, e com a produção de alguns filmes. O que ficou claro é que a Fuji, cada vez mais, irá se distanciar do analógico nos próximos anos.

Isso é triste, principalmente levando em consideração o legado que eles vão deixar. Fãs de Provia, Neopan, Velvia, Superia, ProH, entre outros filmes com certeza terão que abastecer seus estoques, ou então procurar alternativas de outras marcas, já se programando para uma substituição total – que é o que estou fazendo.

Se por um lado isso tudo é triste para nós, que ainda fotografamos com filme, eu fico contente pelo safanão no mercado ter vindo deles. Pelo menos fez com que todos os fabricantes saíssem de suas respectivas zona de conforto, seja na área digital ou analógica. 

E a fotografia, no geral, só tem a ganhar com isso.

Quanto vale esse post pra você?
Pense nisso e, se achar justo, colabore conosco! Você pode apoiar o Queimando Filme através de doações (faça a sua aqui!), divulgando esse post para seus amigos, ou até simplesmente clicando nos banners dos anunciantes! Tudo isso ajuda o Queimando Filme a continuar postando conteúdo de qualidade para todos os amantes da fotografia analógica ;-)

comentários
 
Deixe uma resposta »

 
  • 27/12/2014 em 10:32 pm

    Eu troquei a minha super pesada DSLR da Canon por uma Fuji XT-1 e ela é excelente (e linda)! Tem todos os controles manuais em dial… parece que eu estou fotografando com um analógica

    Responder

  • Neto
    12/02/2014 em 11:34 am

    Como proprietário de uma X-Pro1 posso dizer que a linha X da Fuji é realmente fantástica. Muito bom o seu post.

    Responder

Deixa aí seu comentário!