0comentários

Objetiva eletrônica é uma coisa moderna? ERRADO!

por em 13/02/2014
 

Sempre considerei mais importante a lente que está na sua câmera do que sua própria câmera em si. Do que adianta você comprar uma Canon EOS 1Dx se você não vai ter dinheiro para comprar uma objetiva decente para a mesma? 

Muitos de nós, que utilizamos equipamentos digital e analógico, acabamos por dar um jeitinho de utilizar nossas objetivas em mais de uma câmera. Alguns optam por adaptadores, caso tenham dois sistemas diferentes, outros optam por utilizar o mesmo sistema de encaixe para compartilhar objetivas, outros fazem os dois, etc.

Fotógrafo: Bruno Massao

Foto feita durante as manifestações de julho de 2013. Canon EOS 3 + Canon EF 85mm f/1.8 USM

O grande lance é que muitos dos apreciadores do analógico acabam exaltando qualidades de objetivas antigas, completamente mecânicas, sem realmente saber se elas são, de fato, tudo isso. Claro que não falo de objetivas como as da linha Zuiko ou Takumar – e olha que mesmo dentro delas existem objetivas bem fracas. Mas há uma crença bem popular dentro da fotografia com filme que é a de que objetivas eletrônicas (aka com autofoco) são ruins – ou destinadas à câmeras digitais, mas isso fica pra outra hora.

E quer saber qual é o maior contraponto disso? Em 2013, a Canon atingiu uma marca impressionante: a produção das câmeras da linha EOS superaram a marca de 50 milhões de câmeras. E nesse mês, há pouco mais de 5 dias, a produção de objetivas EF superou a marca mais notável ainda de 70 milhões de objetivas. E isso é contabilizado desde a criação do sistema, lá em 1987.

Isso poderia ser uma coisa qualquer, se não fosse um artigo que apareceu recentemente pra mim. O site The Digital Picture listou as 20 objetivas mais antigas da Canon em produção. Sim, isso mesmo: objetivas eletrônicas, com autofoco, aquele monte de sigla no nome. Objetivas que vendem em qualquer loja, que as pessoas compram novas, na caixa. Que as pessoas compram com suas SLRs digitais. E o mais legal é justamente o ponto que eu quero chegar: todas essas objetivas são da época em que a Canon só fabricava câmeras analógicas. Sim, para ser mais exato, na década de 90. O que, querendo ou não, prova que todas as objetivas aqui listadas são “analógicas”. #dealwithithaters

São essas objetivas aqui:

1. Canon EF 50mm f/2.5 Macro (1987)
2. Canon EF 50mm f/1.8 II (1990)
3. Canon EF 100mm f/2 USM (1991)
4. Canon TS-E 45mm f/2.8 Tilt-Shift (1991)
5. Canon TS-E 90mm f/2.8 Tilt-Shift (1991)
6. Canon EF 85mm f/1.8 USM (1992)
7. Canon EF 20mm f/2.8 USM (1992)
8. Canon EF 400mm f/5.6L USM (1993)
9. Canon EF 50mm f/1.4 USM (1993)
10. Canon EF 70-200mm f/2.8L USM (1995)
11. Canon EF 28mm f/1.8 USM (1995)
12. Canon EF 135mm f/2L USM (1996)
13. Canon EF 180mm f/3.5L USM Macro (1996)
14. Canon EF 200mm f/2.8L II USM (1996)
15. Canon EF 300mm f/4L IS USM (1997)
16. Canon EF 100-400mm f/4.5-5.6L IS USM (1998)
17. Canon EF 28-135mm f/3.5-5.6 IS USM (1998)
18. Canon EF 35mm f/1.4L USM (1998)
19. Canon EF 75-300mm f/4-5.6 III USM (1999)
20. Canon EF 70-200mm f/4L USM (1999)

Por isso, meus amigos, eu deixo um conselho: pare de achar que por uma coisa ser eletrônica (ou “de plástico”, como alguns dizem), ela é, necessariamente, ruim. Usar câmeras analógicas eletrônicas têm sim, suas vantagens, e o fato de você poder utilizar objetivas atuais é uma delas. Afinal, quem não quer usar a tão bem falada Sigma 35mm f/1.4 DG HSM ART?  ;)

Quanto vale esse post pra você?
Pense nisso e, se achar justo, colabore conosco! Você pode apoiar o Queimando Filme através de doações (faça a sua aqui!), divulgando esse post para seus amigos, ou até simplesmente clicando nos banners dos anunciantes! Tudo isso ajuda o Queimando Filme a continuar postando conteúdo de qualidade para todos os amantes da fotografia analógica ;-)

Seja o primeiro a comentar!
 
Deixe uma resposta »

 

Deixa aí seu comentário!