2comentários

Câmeras simples nos conectam com a essência da fotografia

por em 12/03/2014
 

Nesse primeiro post da parceria Queimando Filme – Freestyle, veja como um fotógrafo descobriu que menos pode ser mais com uma Holga 120. Interessante a dica dele de fazer “updates” experimentais na sua plastic camera, afinal elas custam menos caso a experiência não dê certo ;-)

QFFSP_PT

Por: Robert Hirsch

No nosso mundo high tech, câmeras de plástico e pinhole nos lembram que uma câmera é apenas uma caixa a prova de luz com um furo (abertura) num lado para permitir que a luz entre e atinja um material sensível a luz no lado oposto ao furo. Câmeras definem e dão forma à imagem, o que faz delas um componente básico da linguagem fotográfica. Limitar a escolha de câmeras significa reduzir o que você pode expressar fotograficamente.

Construir essas câmeras rudimentares pode familiarizar os iniciantes com o funcionamento de uma câmera e lembrar os experientes de se concentrar no sujeito de sua fotografia ao invés de ter o foco na tecnologia. Sua simplicidade e falta de controles, nos faz parar de se preocupar sobre o que é tecnicamente mais correto, e nos permite ver o momento por permitir que os elementos do acaso e da surpresa da fotografia entrem em nossas imagens. Embora existam fotógrafos sérios que usam essas máquinas simples para suas fotografias,eu usei minha experiência recente com elas como uma oportunidade para reexaminar meu dia a dia enquanto levo meus cachorros para passear.

hirsch_flag

A Holga 120FN ou 120N (FN com flash, N sem flash) é um remake da toy câmera de plástico Diana, e como sua progenitora, cada Holga tem seus próprios atributos que dão a suas fotos uma aura única. A Holga produz dezesseis exposições 6 x 4.5cm num filme 120, que é grande o suficiente para compensar a falta de precisão do viewfinder por permitir cortes na ampliação. A Holga tem uma lente de plástico de 60mm f-8 e quatro ajustes de foco que vão de 1 metro ao infinito e uma única velocidade de shutter de mais ou menos 1/100 e duas opções de abertura, f-8 para dias nublados e fotos com flash e f-11 para dias de sol. O flash embutido produz dois disparos. O primeiro quando você aperta o botão disparador e o segundo quando você o solta. A exposição é feita com o primeiro flash e o segundo parecer servir apenas para gastar as pilhas. O flash só tem efeito até aproximadamente uns 2m, mas já usei com sucesso como luz de preenchimento.

A falta de recursos e a lente de plástico da Holga me fizeram concentrar em composições descomplicadas, baseadas em linhas e texturas ao invés de buscar detalhes nas imagens. Diferente da minha Diana F, a Holga não tem vazamentos de luz e produziu negativos muitos bons, até mesmo bem nítidos pro gosto de alguns. Porém, meus negativos saíram com pouca exposição em condições de luz que não fossem de um dia ensolarado, mesmo usando filme preto e branco ISO 400.

Com um tripé, é possível  compor a foto com múltiplas exposições, por repetidamente apertar o disparador já que a câmera não impede dupla exposição. Mas se quiser evitar exposições duplas, avance o filme depois de cada foto. Ou tire vantagem desse recurso por intencionalmente fazer múltiplas exposições. Pelo preço, você pode usar a Holga como uma câmera experimental para fazer coisas que você nunca faria com sua câmera normal. Quer fazer exposições longas? Remova a mola do disparador e cole ele na posição que deixa a cortina aberta, assim você pode usar a tampa da lente para controlar o tempo de exposição. Quer uma imagem suave, estilo impressionista? Passe vaselina ou uma lixa na lente. Quer usar filtros? Pode colar com fita adesiva plátiscos coloridos sobre a lente ou pode usar filtros transparentes de gel.

Link para o post original.

Quanto vale esse post pra você?
Pense nisso e, se achar justo, colabore conosco! Você pode apoiar o Queimando Filme através de doações (faça a sua aqui!), divulgando esse post para seus amigos, ou até simplesmente clicando nos banners dos anunciantes! Tudo isso ajuda o Queimando Filme a continuar postando conteúdo de qualidade para todos os amantes da fotografia analógica ;-)

comentários
 
Deixe uma resposta »

 
  • Marcello Galvão
    20/04/2014 em 10:10 am

    Olá Ana,
    Eu acho que sempre vale a pena colocar pelo menos um filme numa nova câmera velha, só para ver o que sai. Não conheço essas câmeras que você ganhou, mas a Holga sempre dá uma boa dose de limitações e opções criativas, só recomendo rodar um primeiro rolo dela em fotos a luz do dia ou com flash, até pegar o jeito do f/8 dela (se não me engano) para não perder as primeiras fotos.

    Responder

  • Ana
    17/04/2014 em 9:30 pm

    Olá; boa noite!
    Vocês recomendam colocar filme numa Kodak Star Auto Focus (acho que 35 mm) e numa Samsung Fino 60S? Alguém sabe algo sobre essas câmeras?
    Ganhei as duas acima e estou pensando em comprar uma Holga 120 N.
    Estava usando uma Olympus Pen EES-2, mas queria utilizar outras câmeras no próximo rolo de filme.

    Grata!

    Responder

Deixa aí seu comentário!