2comentários

Tudo vai bem com uma Holga

por em 18/03/2014
 

Funciona mais ou menos assim: eu não tinha o que fazer, resolvi entrar no site (aqui mesmo) e procurar por “Holga”. Apareceram vários artigos, mas nenhum falando da câmera em si. Falha nossa, admito, mas estamos aqui para corrigir isso.

Antes de mais nada, gostaria de deixar uma coisa bem clara a respeito da Holga: ela é uma câmera foda. Hasselblad 503CW, Pentax 67 II, Yashica Mat 124g ou Mamiya 7, cada uma delas tem seu charme, e assim como elas a Holga entra nessa dancinha das câmeras únicas.

Para quem não conhece, a Holga é uma câmera chinesa, inventada por um carinha chamado T. M. Lee em 1981. Ela foi criada justamente para ser uma câmera barata e de fácil uso para o pessoal da China usar no dia a dia, já que na época existia uma demanda muito grande de filmes 120 preto e branco por lá. Acontece que, em menos de 3 anos, até a China começou a adotar o formato 35mm e importar novas câmeras, o que levou os fabricantes (originais) a exportar a câmera.

Inúmeros fotógrafos, profissionais ou não, começaram a largar suas toy cameras – como a Diana – em favor da Holga, principalmente pela natureza temperamental da câmera. Fotógrafos de moda, still life, paisagens, retratos e street photography começaram a utilizar a câmera para criar ares surrealistas, com fortes vinhetas e light leaks, forçando-os a conhecer, especialmente, sua própria câmera, já que cada Holga é unica. A falta de precisões tecnológicas acaba por forçar o fotógrafo a sair do lugar comum, faz o fotógrafo se adaptar, pensar, e só então agir.

Isso tudo torna a Holga, ao contrário de outras toy cameras, uma câmera bastante respeitada no mundo fotográfico. David Burnett, por exemplo, ganhou o prêmio máximo em 2001 na cerimônia Eyes of History graças a uma imagem de Al Gore produzida com sua Holga.

Boa parte da versatilidade da Holga vem de sua extensa linha de acessórios, que engloba, praticamente, todos os acessórios de outras câmeras. Saca só:

Entendeu? Você pode, literalmente, usar qualquer coisa com a Holga. A Holga é, literalmente, a câmera que segue o espírito “use o que você tem” – algo que o Pedro escreveu a respeito outro dia. ;)

Uma Holga nunca vai te deixar na mão. Ela é fácil de usar, ela é barata, ela não se gaba de inovações tecnológicas – cof cof me lembra uma outra câmera aí cof cof – e, nas mãos certas, é capaz de, literalmente, botar a casa abaixo. Independente de você gostar ou não de toy cameras, você tem que respeitar a Holga – não pelo que ela é, mas pelo que ela é capaz de fazer.

E vou mais além: a Holga, ao meu ver, deveria ser uma câmera obrigatória no armário de qualquer fotógrafo, amador ou profissional.

Quanto vale esse post pra você?
Pense nisso e, se achar justo, colabore conosco! Você pode apoiar o Queimando Filme através de doações (faça a sua aqui!), divulgando esse post para seus amigos, ou até simplesmente clicando nos banners dos anunciantes! Tudo isso ajuda o Queimando Filme a continuar postando conteúdo de qualidade para todos os amantes da fotografia analógica ;-)

comentários
 
Deixe uma resposta »

 

Deixa aí seu comentário!