3comentários

Dessaturando seu Xpro

por em 21/03/2014
 

Existe um fato consumado, nos dias de hoje, e que ninguém pode reclamar a respeito: faltam lugares, aqui no Brasil, que revelem E6 de forma decente. Mesmo grandes laboratórios andam “cagando” em filmes positivos, ou então estão com uma demanda tão baixa que estão sem químicos para revelação de E6. E isso, por inúmeros motivos, não é nem um pouco legal.

Mas e se você quiser, então, revelar em C-41, o químico de negativo, e fazer processo cruzado? Obviamente existem consequências ao ir por esse caminho, mas aí já vale você ponderar se vale a pena para o seu caso.

Antes de mais nada, back to basics: o processo cruzado é conhecido por justamente aumentar contraste e saturação, às vezes puxando para uma determinada cor. O que ocorre é que todo cromo “ganha” um ponto de luz ao ser revelado em C-41. Ou seja, o alto contraste e sua saturação, consequentemente, aumentam, pois seria a mesma coisa que você puxar um negativo em um ponto durante a revelação.

Ocorre que eu já havia experimentado bater um cromo com um ponto a menos (um Provia 100F em ISO 200), mas não gostei do resultado, já que o filme continuou demasiadamente saturado. O que eu fiz, dessa vez, foi bater um rolo de Kodak Elitechrome 200 vencido em ISO 400.

Mas pera aí, de ISO 200 para 400 é um ponto apenas!

Sim, eu sei disso. A questão aqui, é que o rolo de Provia 100F não estava fora de suas características, apesar de vencido. Esse rolo de Elitechrome deveria ter sido batido em ISO 100, caso eu fosse revelar em E6. Ou seja: eu, batendo o filme como ISO 400, expus dois pontos a menos do que deveria ser o ideal!

Pois bem, rolo batido, agora vamos lá, ao resultado:

Todas as fotos acima foram feitas em um dia claro, ensolarado, mas em um ambiente de sombra (coberto). Percebam que a tonalidade dos filmes, apesar de lembrar xpro – principalmente por causa do grão criado -, não apresentam nem o contraste tampouco a saturação característicos de um xpro. Até mesmo as altas luzes e baixas luzes ficaram “disfarçadas” – coisa que é completamente ferrada ao se fazer o xpro convencional.

Aqui estão outros exemplos, do mesmo filme, mas em outra situação:

As fotos acima foram feitas nas mesmas condições de luz das outras fotos, mas em locais completamente abertos. Ao contrário do tom quente, as fotos puxaram pra um tom mais frio. Apesar de não estarem hiper saturadas, é notável que a latitude do cromo sofreu consequências bem grandes – a fotos mais notável é a das placas de sinalização. É possível afirmar, com toda certeza, que um negativo comum teria um resultado com mais “qualidade” do que esse cromo em xpro.

Recapitulando tudo o que foi dito, para se obter um resultado mais natural, siga esses passos:

  • Subexponha seu cromo com 1 ou 2 pontos de luz. Alguns filmes vão funcionar melhor com 1 ponto, outros com 2 pontos, outros com 1,5 pontos… Só experimentando para saber.
  • Na hora de revelar, não peça para puxar. Simplesmente entregue o filme no laboratório, diga que é xpro e ponto final.
  • Quando pegar as fotos, não tenha medo de deixá-las na tonalidade que você quer. Sabe a foto das placas, lá do começo? Pois bem: eu coloquei uns 20 pontos de amarelo e uns 40 de magenta no LR, só pra ficar mais “quente”. A foto original é a que tá na galeria.
  • No mais, se divirta! ;}

Quanto vale esse post pra você?
Pense nisso e, se achar justo, colabore conosco! Você pode apoiar o Queimando Filme através de doações (faça a sua aqui!), divulgando esse post para seus amigos, ou até simplesmente clicando nos banners dos anunciantes! Tudo isso ajuda o Queimando Filme a continuar postando conteúdo de qualidade para todos os amantes da fotografia analógica ;-)

comentários
 
Deixe uma resposta »

 
  • Rafael
    27/03/2014 em 11:39 am

    Desculpe a ignorância, só revelei filmes em seus processos padrões, mas quando eu revelo o cromo em processo cruzado ele vira um negativo? E o negativo vira um cromo?

    Responder

  • 21/03/2014 em 11:38 am

    Legal a dica Bruno!! mas e no meu caso, que sou um puto especialista em fotografia (hahahah), acha que se eu revelar o meu em processo cruzado (o filme é asa 400 e tirei em 100 pq tava travada nisso) fica bom?!

    Responder

    • 27/03/2014 em 1:31 am

      Cara, você estourou completamente o filme. Não vai sair nada se você revelar em xpro do jeito convencional.
      Tenta falar com o laboratório e peça para eles revelarem como se fosse, no mínimo, ISO 100. Se rolar de revelar como 64 ou 50, melhor ainda. ;)

      Responder

Deixa aí seu comentário!