16comentários

Resenha: Fuji Instax Mini 90 Neo Classic

por em 02/06/2014
 

Ela foi anunciada pela Fuji no ano passado e fez bastante barulho: ninguém esperava um novo lançamento da linha Instax, tampouco com a reformulação no design tão gritante. Nós falamos dela quando foi anunciada, e também quando pintou o primeiro review online dela, e uma pergunta pairava sobre nós: será que ela seria lançada, oficialmente, no Brasil?

A pergunta faz um certo sentido por um motivo: preço. Desde que foi lançada, a Fuji Instax Mini 90 Neo Classic sempre foi mais cara que os outros modelos, e isso com certeza se refletiria aqui. E, apesar do sucesso estrondoso que a Fuji Instax causou aqui no Brasil, eu não via um mercado promissor para esse modelo se ela fosse lançada acima dos R$1.000 – o que, considerando o valor inicial de lançamento e impostos, seria completamente possível. Mas eu estava errado: ela é sim, mais cara que as outras Fuji Instax Mini. Mas o preço dela não chega aos R$1.000: ela deve chegar às lojas nas próximas semanas – isso se já não chegou – pelo valor de R$799,00. Caro? Sim. Porém não é caro do tipo “impossível de se adquirir”: quem realmente quiser poderá economizar (ou parcelar) por alguns meses o valor. A questão que vem a seguir é: vale o investimento? Vamos lá:

20140502011000_IMG_0180_2ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

Dimensões: 9,19 x 11,34 x 5,72 cm
Peso: 296g (sem bateria, alça e filme)
Objetiva: f = 60mm, 1:12.7, 2 componentes, 2 elementos
Visor: Visor ótico de imagem real, ampliação de 0,37x com marca de alvo
Focalização: Por motor, em 3 posições: Macro (0.3 – 0.6m); Normal (0.6-3.0m); e Paisagem (3.0m-infinito)
Obturador: Eletrônico, com escala de 1.8 a 1/400seg. ou modo Bulb (B) de até 10 segundos
Ajuste de exposição: Automático, com compensação manual em três opções
Avanço do filme: Automático
Flash: Ajuste automático, 4 modos, tempo de recarga de 0.2 a 6.5 seg., alcance efetivo de 0.3 a 2.7m.
Temporizador: Eletrônico, 10 segundos.
Energia: Bateria NP-45A, recarregável.
Outros: Rosca para tripé padrão, visor com correção para modo Macro, fotômetro para controle automático de exposição (Autoexposure), dois botões disparadores

DESIGN

A câmera faz jus às imagens: ela é bonita (é, de longe, a Instax mais bonita que eu já vi) e difere completamente das irmãs mais velhas. Aparentemente a Fuji quis expandir um pouco o universo da Instax Mini, que parecia mais focado nas garotas, tornando a câmera um pouco mais “séria”, para talvez agradar as pessoas que não tem coração.

20140601171920_IMG_0791_1Mas a câmera não é apenas bonita. Tudo nela é completamente usual, incluindo a grande sacada de ter dois botões para disparo (dependendo da orientação que você segurar a câmera) e até um disco dianteiro, em volta da objetiva, para seleção de modos de forma mais rápida. E, falando nos botões de disparo, ambos tem a superfície refletida, como se fosse um espelhinho. Combine isso com o fato de um desses botões estar localizado à frente da câmera e você tem um espelho perfeito para fazer selfies. E sim, funciona, porque eu testei. #hatersgonnahate

Outra decisão que me agradou bastante foi o fato da Fuji ter optado por uma bateria recarregável. Apesar de eliminar a possibilidade de simplesmente comprar pilhas caso seja necessário, a longo prazo essa decisão é bem mais econômica, principalmente para quem pretende utilizar muito a câmera. Segundo a Fuji, uma carga completa de bateria é capaz de fazer 100 fotos. São 10 packs!

No geral, a Fuji acertou em cheio com o design desse modelo: é uma câmera bonita e não foi necessário sacrificar o peso dela. Ou seja, ela continua sendo leve e fácil de carregar por aí – com o adicional de não parecer a câmera do Mr. Stay Puft. Só acho que a Fuji poderia ter lançado uma versão totalmente preta.

USABILIDADE

Muitos irão concordar comigo: não adianta nada ser uma câmera bonita se você não fizer o trabalho direito. A câmera, quando foi anunciada, não chamou a atenção apenas pela aparência, mas também pela funcionalidades todas e, por isso, a Instax Mini 90 não desaponta: ela, inclusive, caiu bem no meu gosto por não ter algumas frescurinhas que os modelos anteriores tinham – a começar pelo uso obrigatório do flash.

Não tem nada disso nesse modelo. Ao invés de obrigar o uso do flash, incluindo em situações onde não seria necessário, a câmera agora tem um fotômetro embutido que calcula a exposição baseado na luz disponível e, se necessário, usa o flash. Não quer usar o flash de forma alguma? Ok, você pode desligar o flash completamente, e a câmera fará o cálculo de acordo. Só tenha noção do limite de velocidade do obturador: ela só vai até 1.8 segundos. Pode parecer coisa pra caramba, mas mesmo com um filme de ISO 800, uma lente de abertura f/12.7 talvez não seja o suficiente para captar a iluminação natural de alguns locais. Ou, se você quiser usar o flash sempre, ainda é possível deixá-lo ligado o tempo todo. Nesse caso, a câmera também fará um cálculo para usar uma carga controlada do flash, de modo completamente automático.

20140522154123_IMG_5746_1Outra coisa bacana é o período de adaptação. A câmera não é nem um pouco difícil de usar – uma lida no manual de instruções e eu praticamente entendi tudo – e o período de adaptação é bem curto. Com menos de um pack eu já estava conseguindo prever o enquadramento das fotos, de modo que eu consegui imagens legais sem utilizar o visor. Posso garantir que o período de adaptação de qualquer pessoa com a Instax Mini 90 vai ser menor do que com qualquer outra Instax.

No geral, eu achei as exposições feitas com a Instax Mini 90 na medida, mesmo em situações mais complicadas – como dentro de um ônibus, com luz incidente das janelas e o corredor mal iluminado. Mesmo assim a câmera oferece compensação de exposição, e não é preciso ser nenhum expert em fotografia para entender: basicamente, existem três modos: L, L+ e D. L aumenta a exposição em +1, L+ em +2/3 e D diminui a exposição em -2/3. Ah, você não sabe o que é EV? Ok, simplifiquemos: L é mais claro, L+ é mais claro ainda, e D é mais escuro.

A profundidade de campo dessa câmera, por ser de uma objetiva 60mm com f/12.7 de abertura, é relativamente segura. Só existe duas maneiras de errar o foco com ela: utilizando em um modo de foco que não o indicado – como usar o modo normal para fotografar uma paisagem – ou não tendo a mínima noção de espaço. Existem três distâncias de foco: 0.3-0.6m, 06.-3.0m e 3.0m-infinito. Meio difícil de errar. Num panorama geral, a câmera fica setada na distância mais usual (0.6-3.0m), passando para as outras ao usar as funções Macro ou Paisagem.

Ao acionar a função Macro (indicada por uma florzinha), o foco da câmera passa a ser de 0.3-0.6m, o suficiente para pegar o detalhe de alguns objetos. Você não vai conseguir se aproximar muito de um assunto muito pequeno, como um inseto, mas convenhamos: não pra isso que ela foi feita. Essa distância de foco, inclusive, pode ser perfeita para você fotografar um filhote de pug, por exemplo. E, ah, uma das coisas mais legais: o visor acompanha o enquadramento quando entra no modo Macro. Não é 100% perfeito, mas até ai, é melhor do que não ter referência alguma na hora de fazer o enquadramento. Já ao selecionar a função Paisagem, o foco da câmera passa a ser de 3.0m-infinito, o suficiente para você ter detalhes de tudo à frente dos 3 metros.

Uma coisa bacana da câmera é a combinação dessas coisinhas para o uso em outras funções. O modo Festa, por exemplo (indicado por um casal em traje de gala), combina uma velocidade mais lenta de obturador e o uso do flash para iluminar o assunto, transformando as fotos em festas/baladas mais divertidas, expondo tanto a iluminação natural quanto a pessoa. Eu não tinha uma festa para ir e testar a câmera nessa situação, mas ao testar na Avenida Paulista à noite, não deu muito certo – fato descrito no manual da câmera, mas né, sabe como é a teimosia.

Outra função que engloba essas combinações é o modo Criança. Ele consiste em utilizar velocidades de obturador mais rápidas (na maioria das vezes vai usar flash) para evitar assuntos tremidos, como crianças correndo dentro de casa – mas com certeza serve para você que ganhou um filhote de Beagle recentemente – aliás, enquanto você lê esse texto, dá uma checada para ver se ele não está destruindo nada por aí.

20140601172015_IMG_0792_1FUNÇÕES EXTRAS

Outra coisa bem legal na Instax Mini 90 são dois modos que várias câmeras digitais ainda não tem hoje em dia: dupla exposição e bulb, que apesar de serem limitados – o modo bulb tem limite de 10 segundos – são bastante divertidos.

A função de dupla exposição é bem simples de se usar: ao colocar a câmera nesse modo (indicado por dois quadros se sobrepondo), o usuário consegue tirar duas fotos e tê-las impressas no mesmo quadro. E é completamente possível usar essa função com outras, como Macro, compensação de exposição e/ou flash. Mas a função tem um porém que alguns podem considerar um defeito: se o fotógrafo se “arrepender” de fazer uma dupla exposição, ao desligar a câmera a foto é automaticamente ejetada com uma exposição apenas. Isso implica no fato que você não pode desligar a câmera e transportá-la para outro lugar, por exemplo, para fazer a segunda foto. Ou leva a câmera ligada ou esquece.

Já o modo bulb é bem versátil, apesar de limitado em 10 segundos – como eu disse anteriormente. O modo, representado pela letra B, mantém o obturador aberto pelo tempo que o fotógrafo segura o disparador. Para evitar fotos tremidas, a Fuji até colocou uma entrada padrão para tripé, possibilitando que a câmera fique firme, mas infelizmente não há entrada para cabo disparador, o que a tornará meio difícil de fazer exposições realmente longas. No mais, é possível combinar o modo bulb com a função macro e até mesmo com o flash, o que possibilita aquelas fotos malucas de baladas com pessoas loucas e um fundo completamente maluco de luzes coloridas*.

Modo Paisagem + Dark

Modo Paisagem + Dark

*Sim, em tese a função Festa deve fazer isso, mas por não depender do autoexposure, a combinação de Bulb + Flash deve render fotos mais iluminadas, visto que é você quem decide o tempo de exposição.

FATOR DISCRIÇÃO

A câmera pode ser bonita, mas isso não diz que ela é chamativa. Esse é um ponto bastante positivo para algumas pessoas que simplesmente querem andar com ela por aí, e não querem ter que ficar abrindo a bolsa toda hora que querem usar. E eu fiz o teste na base de fogo: Avenida Paulista, 12h40. Pra quem não sabe/conhece São Paulo, é basicamente a hora em que todas as pessoas que trabalham na região – que não são poucas – estão na rua procurando um lugar para almoçar. O que eu fiz? Coloquei a câmera debaixo do braço e fui andando, desviando de um outro. No geral, as pessoas olhavam, mas como se fosse uma câmera comum, sem maiores atrativos. Apenas uma garota, cujo nome eu não perguntei, me parou para perguntar a respeito dela – mas a garota conhecia a câmera, pois já tinha uma Instax Mini 8.

Outro ponto positivo é o fato da câmera ser bastante silenciosa. Eu, dentro do ônibus – não estava completamente lotado, mas havia pessoas dentro – e fotografando sem flash. As pessoas ao redor não se incomodaram, inclusive chegando ao ponto de eu apontar para uma garota que estava cochilando – vivendo perigosamente, eu sei -, bater uma foto e ela não perceber. E o barulho da Instax Mini 90 ejetando o filme? Acredite, é menor que o da minha Canon T70 avançando o quadro. Ou seja: é uma câmera que pode ser usada, tranquilamente, para fazer fotografia de rua.

Modo Bulb + Flash

Modo Bulb + Flash

PRÓS:

  • Câmera leve e bem construída;
  • Bateria recarregável é uma bela adição;
  • Muitas funções para brincar, inclusive com combinações entre elas;
    – Silenciosa;
  • Modo de usar bastante intuitivo. Quase – leia bem, QUASE – dispensa a leitura do manual da câmera;
  • Os dois botões de disparo, independentes, deixaram a câmera com uma facilidade incrível.

CONTRAS:

  • Autoexposure não é muito feliz debaixo de luzes excessivamente altas;
  • Sem entrada para cabo disparador ou acessório opcional para isso;
  • A câmera vicia, e com isso, espere gastar bastante dinheiro comprando packs e mais packs para usá-la;
  • Algumas combinações de modos não são compatíveis entre si, o que pode ser um pouco frustrante.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

A Fuji Instax Mini 90 Neo Classic é uma bela adição à uma linha, considerada por muitos, desinteressante. Com funções sérias, essa câmera com certeza irá ganhar adeptos que não são usuários tão comuns de câmeras instantâneas.

Mas agora, se eles tem um mercado de câmeras instantâneas praticamente dominado, valeria a pena a Fuji começar a investir em mais filmes, por exemplo, um pack de ISO 200. Isso ocorre porque pois o ISO 800, às vezes, é muito sensível para algumas situações.

No mais pesar, é uma câmera extremamente interessante. Se você é fã de fotos instantâneas, com certeza vale considerar o valor maior da Fuji Instax Mini 90 – com relação aos outros modelos Instax. Se você não é fã ou usa raramente câmeras do tipo, existem opções mais baratas e que fazem o serviço de forma similar – e cujo valor pode ser mais atrativo. No final, vale realmente ponderar o uso, já que a Instax Mini 90 abre um leque de possibilidade, sendo muito mais interessante, do ponto de vista fotográfico, do que qualquer outra câmera instantânea já lançada.

GALERIA DE IMAGENS

Todas as fotos abaixo foram produzidas com a Fuji Instax Mini 90. Na legenda está a descrição do modo e/ou combinação necessária para cada foto. Agradecimentos especiais ao Cezar, Maiara, Valéria e Andressa (dona do John the Pug) que aparecem em algumas dessas fotos aí e ao Gustavo, da Fujifilm do Brasil, por nos emprestar a câmera para essa resenha. :}

Quanto vale esse post pra você?
Pense nisso e, se achar justo, colabore conosco! Você pode apoiar o Queimando Filme através de doações (faça a sua aqui!), divulgando esse post para seus amigos, ou até simplesmente clicando nos banners dos anunciantes! Tudo isso ajuda o Queimando Filme a continuar postando conteúdo de qualidade para todos os amantes da fotografia analógica ;-)

comentários
 
Deixe uma resposta »

 
  • Elaine
    29/11/2016 em 9:57 pm

    Oi Bruno, estou pensando em compra-la para dar de presente, mas a minha dúvida é, em relação ao filme se ao comprar a câmera, você acha que há alguma possibilidade de no futuro, haver a descontinuidade de produção do filme utilizado por ela?

    Responder

    • 29/11/2016 em 10:14 pm

      Oi, Elaine.

      Com o tanto que a Fuji lucra com a linha Instax, eu acho que é mais fácil ela expandir do que cessar a produção. Pode comprar tranquila. :)

      Responder

      • Elaine
        29/11/2016 em 10:37 pm

        Assim espero, pois diferente das digitais a gente fica meio que “refém” desses filmes, mesmo com chances remotas disso acontecer, o dia que decidirem parar de produzi-los a câmera vai ficar de enfeite =/, espero que não aconteça, aliás, esse mesmo tipo de filme utilizado na mini 90 serve pra outras também né? Pensando por esse lado, a chance deles pararem de fabricar diminui

        Responder

  • Renata Sodré
    11/10/2016 em 9:19 am

    Oi, Bruno! Adorei a review, foi decisiva para tomar minha decisão! Entretanto, antes de comprar, gostaria de tirar uma dúvida: essa parte preta da câmera é feita de que? Plástico? Estou em dúvida entre a cor preta e a marrom… Pelas fotos que vi na internet, se o material for esse, acho que a marrom é mais retrô, mas tem um ar de “brinquedo”, hahaha! Obrigada!

    Responder

    • 30/10/2016 em 1:06 pm

      Oi Renata. Desculpa a demora, ando meio corrido esse mês. Ambas as câmeras são totalmente de plástico, e a marrom realmente parece de brinquedo! Entretanto, eu sei que é possível fazer uma customização para deixar o plástico marrom com aparência de couro gasto – e gastando bem pouco – usando um pouco de graxa de sapato, tirando o excesso logo depois da aplicação e deixando secar por um tempo. ;)

      Responder

  • Aline Oliveira
    29/12/2014 em 9:24 pm

    Ola! Certamente esse POST me ajudou muito na escolha, estava em dúvida, agora COM CERTEZA vou compra-la. Minha dúvida é.. Onde encontro os packs de filmes? São os mesmos para a instax mini 8?

    Responder

  • Maiara
    25/11/2014 em 12:13 pm

    Parabéns pelo post, estava em duvida se valia mesmo a pena investir, já pedi a minha, só falta receber. Espero que não me arrependa!

    Responder

  • 10/10/2014 em 10:41 pm

    Disponível a partir de hoje -10/10/14 – em sites de compra.

    Responder

  • Tony
    10/10/2014 em 9:12 pm

    Chegou hoje – 10/10/14 –
    na Submarino e nas Americanas

    Responder

  • Luciana
    01/09/2014 em 10:55 am

    Olá pessoal, também gostaria de saber onde encontro para comprar.
    Obrigada!

    Responder

  • Gabriela
    02/07/2014 em 3:01 pm

    To querendo saber também, Mateus.

    Responder

  • mateus
    05/06/2014 em 1:09 pm

    mas aonde comprar esta maravilha?

    Responder

  • lannaemilli
    04/06/2014 em 12:27 am

    TSC, Bruno.
    Eu já tinha superado a paixão por instantâneas. Danm it!

    Responder

  • Gabriel Chacon e Rodrigo Kairala
    02/06/2014 em 1:54 pm

    Tenho uma e adoro as fotos! Fiquei impressionado com a qualidade da câmera e das fotos.
    Ela desperta uma criatividade muito gostosa com tantas possibilidades

    Responder

  • bluevalentine
    02/06/2014 em 12:17 pm

    excelente texto!!! fiquei curiosa quando vi o burburinho sobre a câmera, e agora depois de ler tudo isso, quero uma rsrsrs. o que complica, pelo menos para mim que vivo apertada de grana, rsrsrs, é esse valor. sem contar os filmes, porque eu tenho certeza, tendo uma dessa, ela não vai sair da bolsa, e aí haja R$ pro filme…

    Responder

Deixa aí seu comentário!