0comentários

Revistas Legais: Lomography Magazine para iPad

por em 13/06/2014
 

Eu sempre tive uma teoria, que nunca consegui confirmar, nem quando tinha uma certa intimidade com o saudoso escritório brasileiro da Lomography: a Lomography tem um parceiro capitalista (um sócio que coloca dinheiro na empresa e cobra resultados) e é graças a esse parceiro que a Lomography ainda não faliu nas mãos de seus criativos, porém maus administradores, fundadores. E essa minha teoria ganhou força com as recentes reformulações internacionais (fechamento de lojas, revisão de portfólio de produtos..), e continua ganhando força a cada novidade.

“Tá, e dai?”

E daí que depois de dar uma lida no mais recente lançamento não fotográfico da Lomography, só fiquei mais seguro de que eles estão mudando. E, na minha opinião, pra melhor. A Lomography está, na minha opinião, saindo da adolescência.

Lançada recentemente, só pra iPad, pelo que sei, a Lomography Magazine, ou LomoMag, é bem mais, aliás, está longe de ser, uma versão em revista digital do site da Lomography. Pelo contrário, pelo que deu tempo de ler, posso afirmar que se trata de uma nova linguagem, uma nova linha de comunicação e relacionamento com um público mais maduro. A revista não é apenas um produto de alta qualidade gráfica, como também possui um cuidado em seu conteúdo que nunca vi em nenhum outro produto digital da empresa (talvez nos livros impressos).

Essa edição #01 vem recheada de artigos introdutórios, conceitos básicos e depoimentos de defesa ao analógico, reforçando minha teoria de que se trata de uma revista direcionada para um público que não é leitor do site e, arriscaria dizer, nem sequer “gosta de lomo”. Artigos como “A Fotografia Analógica Hoje” e “O Status Quo da Fotogafia Analógica” criam a base pro que vem depois: guias de formatos de filmes (super bem ilustrados, diagramados e escritos), glossário de termos, entrevistas, dicas de lugares pra se fotografar e, é claro, portfólios de fotógrafos.

Existem também alguns tutoriais, como o de digitalização de fotos, que podem interessar aos mais práticos.

A revista não é nem de longe revolucionária. Pelo contrário, é um formato, e uma linguagem, careta. Mas esse é o barato da revista: pela primeira vez li um editorial, por exemplo, que fala com seriedade (mas sem chatice) sobre a Lomography e suas ideias. Pra mim, por mais estranho que pareça, isso foi uma lufada de ar fresco em uma marca/moda/estilo/estética que, apesar de se basear na criatividade pra viver, estava começando a ficar mais cansativa e enjoativa do que Nescau com muito açúcar.

Se ser mais careta, mais sério, mais profundo, é o futuro da Lomography, eu vou continuar acompanhando eles. Se o lance é ser menos farofa, eu curto.

Apesar das centenas de revistas de fotografia existentes hoje, a Lomography Magazine é uma das que mais tem coisas diferentes pra dizer. Talvez porque até hoje eles nunca tinham tentado algo tão… comum. Mas às vezes, como talvez eles estejam percebendo, comum é bom.

Abaixo alguns prints da revista que, quase ia me esquecendo de avisar, é de grátis. O link pra ela no itunes é esse aqui.

Quanto vale esse post pra você?
Pense nisso e, se achar justo, colabore conosco! Você pode apoiar o Queimando Filme através de doações (faça a sua aqui!), divulgando esse post para seus amigos, ou até simplesmente clicando nos banners dos anunciantes! Tudo isso ajuda o Queimando Filme a continuar postando conteúdo de qualidade para todos os amantes da fotografia analógica ;-)

Seja o primeiro a comentar!
 
Deixe uma resposta »

 

Deixa aí seu comentário!