1comentário

No Detalhe: Trabalhando com a Abertura e a Velocidade

por em 08/07/2014
 

Continuando com os posts da série No Detalhe (veja este aqui e este aqui), vamos ver hoje como usar os controles de Abertura e Velocidade para o uso criativo na composição.

Vimos no post anterior sobre exposição correta que combinando a abertura e a velocidade podemos ter uma foto perfeita. Vimos também que podemos alterar a profundidade de campo conforme alteramos a abertura.

Aproveitando isto tudo vamos ver algumas maneiras de usar tanto a abertura quanto a velocidade para se conseguir a imagem desejada e até dar certos “efeitos” na imagem.

Vamos começar falando sobre a escolha da abertura.

Qualquer abertura em uma objetiva gera uma região de foco antes e depois dela. Em grande parte das objetivas podemos observar isto em umas marcações que ajudam a “ver” esta área. Veja a imagem abaixo:

Como a abertura influencia a região de foco.

Como a abertura influencia a região de foco.

A imagem acima mostra uma objetiva Rikenon 50mm. Podemos ver que a abertura selecionada foi f4. Com o foco feito, observamos os dois números que correspondem a abertura mostrando a região de foco, ou seja, um pouco mais e um pouco menos do foco.

Se selecionarmos f8 esta região aumenta e f16 ainda mais.

Mas o que eu tenho com isto? Podemos mandar nosso foco para mais ou menos longe do tema e gerar uma composição mais interessante.

Vejamos alguns exemplos:

Na primeira foto foi usada uma abertura bem grande, f2.8, e com isto somente a gota de água está no foco e tudo antes e depois dela fora de foco.

Na segunda, foi usada uma abertura mediana, f8, e todo o retrato está em foco e o fundo está ligeiramente fora de foco.

Na terceira foi usado uma abertura bem pequena, f22, e tudo está dentro do foco.

Geralmente paisagens requerem uma abertura pequena (grande profundidade de campo) e retratos de média a grande. logicamente podemos usar este recurso para uma composição criativa.

E como tirar a foto dando prioridade para a abertura?

Algumas câmeras possuem o programa de prioridade de abertura, aonde você escolhe a abertura e a câmera seleciona a velocidade automaticamente. Mas e se sua câmera não é automática? Bom, aí você escolhe a abertura e vai mudando a velocidade até ter um resultado satisfatório com o fotômetro. Lembre-se que nem sempre você conseguirá o que você quer, mas você pode ainda diminuir ou aumentar a abertura para ter um resultado próximo.

Um outro fato com relação a abertura se dá com o tipo de objetiva.

Como assim?

Bom, uma teleobjetiva (200mm, 300mm, etc) tem uma profundidade de campo bem reduzida, com isto, você deve prestar atenção bem mais ao foco que uma lente menor. Ah, estava me esquecendo… as de zoom caem neste mesmo problema. Quanto mais aproximam, menor a profundidade de campo.

Por outro lado, as grande-angulares (28mm, olho-de-peixe, etc) tem uma profundidade de campo muito generosas, chegando ao ponto de, no caso das ultragrande-angulares, o foco ser quase redundante no sentido prático.

Só para reforçar antes de irmos para o próximo ponto… Quanto maior a abertura (menor o f), menor profundidade de campo; quanto menor a abertura (maior o f), maior a profundidade de campo. Um problema quando a abertura é muito grande é que o tempo de exposição deverá ser muito curto, e nem todas as câmeras possuem tempos menores que 1/1000s, por outro lado, quando a abertura é muito pequena você tem que expor por mais tempo e a imagem pode sair tremida (use um tripé).

Agora vamos falar sobre a velocidade.

Normalmente devemos usar uma velocidade suficiente para expor o filme e não borrar o tema. Este é o padrão…

Seguindo esta definição nós “congelamos” o tema da foto. Veja as fotos abaixo:

Em todas elas podemos ver o tema congelado e mostrando posições inusitadas e interessantes. Apesar de tudo parado ainda vemos o “movimento”.

Mas qual velocidade de obturador usar para ter este tipo de efeito? Bom, aí depende da velocidade do objeto, da distância da câmera e do posicionamento da câmera em relação ao objeto.

Veja a tabela abaixo:

Tabela de velocidade para congelamento do assunto.

Tabela de velocidade para congelamento do assunto.

Esta tabela é somente um guia, mas vale a experimentação para conseguir o que deseja. Lembre-se sempre de pensar antes de tirar a foto para não ter surpresas desagradáveis.

Uma outra alternativa é usarmos o “descontrole” para mostrar o sentido de movimento:

Outras utilizações da velocidade são as fotos de fogos de artifício, noturnas e de longa exposição:

Agora é a vez de vocês fotografarem. Enviem comentários ou fotos para vermos como ficou!

Quanto vale esse post pra você?
Pense nisso e, se achar justo, colabore conosco! Você pode apoiar o Queimando Filme através de doações (faça a sua aqui!), divulgando esse post para seus amigos, ou até simplesmente clicando nos banners dos anunciantes! Tudo isso ajuda o Queimando Filme a continuar postando conteúdo de qualidade para todos os amantes da fotografia analógica ;-)

comentários
 
Deixe uma resposta »

 

Deixa aí seu comentário!