2comentários

O (in)explicável “Leica Look”

por em 28/07/2014
 

Fale com um fã de Leica (sou um!) e ele vai lhe dizer MUITO a respeito de um certo “Leica look”, referindo-se aos resultados. Recheado de menções a um certo “bokeh” que, cá entre nós, soa mais como pura afetação do que qualquer outra coisa.

Porém… Existe mesmo! Ao contrário da loira do banheiro, não se trata de lenda urbana. Ao contrário, é bem palpável e tem até autoria – Prof. Max Berek. Da primeira até a Summarex (85mm) de 1946, TODAS as objetivas da Leica foram calculadas por ele.

Max Berek

Max Berek

Há 90 anos, na Feira de Leipzig, a Leica era lançada ao público. A objetiva era a Anastigmat, com cinco elementos, que depois seria chamada de Elmax (de “Ernst Leitz MAX”). Em seguida um novo tipo de cristal permitiria que a objetiva fosse recalculada só com 4 elementos, e aproveitaram para mudar o nome para Elmar (considerado mais sonoro). Esse design viraria uma “família”, todas com o mesmo desenho ótico: a pioneira 50mm e depois as 35mm, 90mm, 105mm e 135mm. Seguidas de perto de outro grupo, as Hektor (homenagem de Berek ao seu cachorro): 50mm, 73mm e 135mm. (na época um nome designava um determinado design de objetiva. Hoje em dia designa a luminosidade máxima).

Ainda nos anos 10 Berek já tinha se envolvido em enorme polêmica com outro “bamba” da ótica, o Prof. Rudolph – este projetista da arqui-rival Carl Zeiss e um gênio na área. Rudolph dizia que o objetivo do projetista ótico era tirar todas as aberrações (falhas e defeitos inerentes a qualquer objetiva, como as cromáticas, etc) possíveis. O trabalho de Rudolph é o melhor exemplo do seu conceito de objetiva, pois são fabricadas até hoje: Tessar, Sonnar, Planar.

Já Berek discordava porque… Além de teimoso e voluntarioso, também era violoncelista amador. E discordava de Rudolph usando um conceito de música, a ressonância. (Imagine um piano. Se você toca uma nota “dó”, TODOS os outros “dós” irão soar também. Isso é ressonância. Há uma relação constante e eterna de 1 para 2 entre todas as notas iguais de oitavas diferentes. O comprimento da onda sonora de 1/2 ou do dobro faz que a outra corda também vibre. A ressonância faz com que o som fique mais “cheio”, rico, agradável.)

BASIC FORMULATION OF MAX BEREK´S ELMAX 50 MM F3.5 FROM 1921. Photo José Manuel Serrano Esparza

Anotações de Berek sobre a Elmax 50mm f3.5 – 1921

E qual a ligação? Berek dizia que as aberrações de uma objetiva PODERIAM ser utilizadas como essas ressonâncias. Bastava conseguir controlá-las.

E foi o que ele conseguiu fazer. Excêntrico, trabalhava de noite calculando essas objetivas, depois do expediente. Tudo na mão, claro. Computador e calculadoras são para fracos.

Berek faleceu em 1946. Muita coisa do que estabelecera foi mantido, outras nem tanto. Com certeza as objetivas desenhadas até os finais dos anos 60 mantiveram esse conceito – graças a um sujeito que merece um texto só para ele, Prof. Mandler.

Então existe mesmo o tal de “leica look”? Sim – nas antigas com certeza. E também explica o porquê as fotos feitas com essas objetivas são lindas e com excelente definição – enquanto autoproclamados “entendidos” adoram dizer que possuem rendimento “baixo”, são “substandard”, etc. Coisa de quem só olha para gráficos mas esquece que o verdadeiro teste de uma objetiva é tirando fotos. Mas como tudo tem um lado bom… Ao menos isso faz os preços ficarem mais razoáveis.

Quanto vale esse post pra você?
Pense nisso e, se achar justo, colabore conosco! Você pode apoiar o Queimando Filme através de doações (faça a sua aqui!), divulgando esse post para seus amigos, ou até simplesmente clicando nos banners dos anunciantes! Tudo isso ajuda o Queimando Filme a continuar postando conteúdo de qualidade para todos os amantes da fotografia analógica ;-)

comentários
 
Deixe uma resposta »

 
  • 04/08/2014 em 12:28 pm

    Com certeza, Márcio! Tema para outro post – precisaria sair para tirar algumas chapas com duas câmeras; dia destes eu o faço.

    Embora suspeite que seja um pouco difícil aparecer claramente no computador. Esse “look”, como explicamos no texto, é bem sutil. E não sei até que ponto isso aparece realmente na tela de um computador. Mas não custa tentar!

    Abs

    Responder

  • Márcio
    03/08/2014 em 10:38 am

    Umas fotos com o “Leica Look” para comparar seriam bem vindas…

    Responder

Deixa aí seu comentário!